HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

SEMANA MUNDIAL DO ESCOTEIRO


 Recebi do Chefe Elmer, grande colaborador deste blog, informando da SEMANA MUNDIAL DO ESCOTEIRO. Nada como publicar para conhecimentos de todos.
Maiores informações na Região do seu Estado
Chefe Osvaldo 

SEMANA MUNDIAL DO ESCOTEIRO - Sugestão de Programa – 1º) VITRINE e ESCOLAS - 2o) 

Prezados irmãos
Sempre Alerta!
Aproxima-se o mês de abril e c/ ele a “Semana Mundial do Escoteiro” ocasião que reforçamos a divulgação  do Movimento Escoteiro frente a mídia e o público em geral.
Para tanto, várias ações são implementadas, tais como, entrevistas e reportagens em jornais, rádios e televisão, exposições em lojas, vitrines e shoppings, acampamentos modelo, jogos aplicados em público, campanhas de Boa Ação (BA) junto à comunidade, trabalhos comunitários, ações ecológicas e conservacionistas, feira de artesanato, exposições em escolas, colocação de cartazes no comércio e panfletagem ao público e outras tantas atividades cujo objetivo é divulgar o Escotismo na sociedade.
Dito isto, apresentaremos em e-mails sucessivos, algumas sugestões entre as atividades listadas,  tendo como meta o custo perto de zero e aplicação por um Grupo novo ou de pequeno porte.
Todas as atividades que serão apresentadas já foram aplicadas, testadas e avaliadas c/ resultados positivos,  nas quais a aceitação pelo público pode ser comprovada pelo crescimento do efetivo.
Levando-se em conta a frase:  “O êxito de sua aplicação depende do Escotista e de como ele os aplica" (BP Guia do Chefe Escoteiro), acreditamos que poderão alcançar a meta proposta!
Em anexo, texto c/ roteiro e fotos de algumas exposições, em anos diferentes, em vitrines da mesma loja.
A todos, nosso fraternal abraço e ótimas atividades!
Sempre Alerta Para Servir!


  



SEMANA MUNDIAL DO ESCOTEIRO - Sugestão de Programa – 2) ESCOLAS

Prezados irmãos  
Sempre Alerta!
Dando continuidade às sugestões de Programas p/ a “Semana Mundial do Escoteiro”, ocasião em que reforçamos a divulgação  do Movimento Escoteiro frente à mídia e o público em geral, vamos propor
Desta vez, uma atividade desenvolvida nas Escolas do bairro.
No bimestre março/abril, várias ações são implementadas, tais como, entrevistas e reportagens em jornais, rádios e televisão, exposições em lojas, vitrines e shoppings, acampamentos modelo, jogos aplicados em público, campanhas de Boa Ação (BA) junto à comunidade, trabalhos comunitários, ações ecológicas e conservacionistas, feira de artesanato, exposições em escolas, colocação de cartazes no comércio e panfletagem ao público e outras tantas atividades cujo objetivo é divulgar o Escotismo na sociedade.
Dito isto, apresentaremos em e-mails sucessivos, algumas sugestões entre as atividades listadas, tendo como meta o custo perto de zero e aplicação por um Grupo novo ou de pequeno porte.
Todas as atividades que serão apresentadas já foram aplicadas, testadas e avaliadas c/ resultados positivos, nas quais a aceitação pelo público pode ser comprovada pelo crescimento do efetivo.
Levando-se em conta a frase: “O êxito de sua aplicação depende do Escotista e de como ele os aplica" (BP Guia do Chefe Escoteiro), acreditamos que poderão alcançar a meta proposta!
Em anexo, texto c/ roteiro do evento proposto, podendo ser aplicados a fase (ou as fases) que elegerem como a mais favorável p/ a situação atual do seu Grupo.
A todos, nosso fraternal abraço e ótimas atividades!
Sempre Alerta Para Servir!  

Elmer S.Pessoa
“O homem que foi criado no Escotismo, em contato c/ a natureza, cultiva a verdade, a independência e a autoconfiança. É generoso, leal p/ com seus amigos e fiel a sua Pátria!’.



VITRINE - EXPOSIÇÃO  SOBRE  ESCOTISMO
Objetivo:  Divulgação do Movimento Escoteiro.
Execução:  Procurar uma loja comercial que possua vitrine e em local de interesse p/ o Grupo divulgar sua sede (local movimentado de comércio, junto a Igrejas, cinemas etc.) e falar c/ o proprietário ou gerente, explicando o motivo da solicitação.  Cite durante a conversa que a vitrine chamará atenção dos transeuntes tornando-se um ponto de atração.  Marcar, de comum acordo, o tempo de duração da exposição, sugerindo uns 10 dias, que englobe a Semana Mundial. Já ocorreu do proprietário solicitar a continuidade por mais tempo. 
Montagem:  A montagem deve ser feita por duas pessoas p/ não causar problemas na vitrine, seguindo orientação do encarregado.
Material: Leve em consideração o que pode ser de interesse ao público, e o tamanho da vitrine.  Leve  Bandeira Nacional e do Grupo em mastros, quadros de fotografias, de nós, de distintivos internacionais, manta fogo conselho, livros diversos, material de campo (mochila, cantil, bússola, faca, talheres) lenço do Grupo, caixa de primeiro socorros, miniaturas de pioneirias, (mini acampamento) troféus recebidos, uma faixa alusiva ao evento, impressa e colocada na vitrine, e tudo mais de interessante que o Grupo tenha.
Inauguração: Se possível, colocar uma faixa na frente do prédio ou em algum lugar conveniente e autorizado, sobre o acontecimento. No dia da inauguração, fazer uma pequena solenidade, c/ o máximo de escoteiros presentes, bandeiras  e oferecer um mimo p/ o proprietário. Se for mulher pode ser oferecido um ramalhete de flores. Umas curtas palavras explicando ao público o que está acontecendo encerrando c/ uma salva de palmas escoteira. Usar a criatividade p/ nortear a inauguração, chamando atenção sem ser espalhafatoso.
Plantão: Normalmente as vitrines são fechadas e não há necessidade de pessoas tomando conta mas, caso seja possível, manter uma dupla de jovens uniformizados/trajados p/ dar informações ao público e distribuir panfletos do Grupo, c/ endereço, tel. site, e-mail, dia de reunião, horário etc. No sábado e domingo, se o local for adequado e o proprietário da loja autorizar, pode-se fazer uma atividades de pequenos jogos e canções. O panfleto deve ter texto sobre o Movimento Escoteiro em geral e dados do Grupo Escoteiro, não contendo datas específicas p/ que possa ser usado em outras oportunidades. Pode-se convidar o proprietário da loja p/ patrocinar, recebendo um espaço (tira inferior) p/ montar a propaganda da loja. O impresso que o público descartar na rua, deve ser recolhido.
Elmer S. Pessoa - DCIM
“As ações do Escotismo só obterão êxito se todos nós trabalharmos c/ o mesmo objetivo e ajudar-nos mutuamente!”.  ESP

Exemplos e sugestões:









sábado, 10 de setembro de 2011

Lembranças


Recordações

Reminiscências

Os maravilhosos lobinhos....

Estava eu absorto em meus pensamentos, triste, problemas mil e olhando para baixo, pensando, pensando, quando um lobinho Pata Tenra passou pôr mim,(muito bem uniformizado por sinal) parou, ficou em posição de sentido e disse: _ “Melhor possível chefe! “- Fiquei em pé e sorri meio sem jeito retribuindo a saudação. Melhor possível!. Melhor Possível...
     - Ah!!, Esses meninos maravilhosos e suas maravilhosas poses e sorrisos...

E meus problemas!, hã, esqueci todos....


Quando passei para a Tropa de Escoteiros

- Logo após ter passado para a tropa de Escoteiros, vindo da Alcatéia, senti uma grande liberdade na patrulha pôr mim escolhida (deixavam que os lobinhos pudessem escolher suas patrulhas quando fossem fazer a Trilha) . O Chefe e dois dos assistentes foram grandes amigos e foi um choque ao ver um monitor dirigir sem a presença deles em diversas ocasiões. Era um susto e tanto, pois na Alcatéia não tínhamos essa liberdade tão aberta!
- Ali encontrei muita amizade e companheirismo. Tinha alguma preocupação com a liberdade de todos e me preocupava sempre com que fazíamos. Havia sempre o receio se desse errado em alguma atividade.
- Nem bem tinha completado três meses de tropa, e saímos pela manhã de um domingo (somente a patrulha em uma carta prego) indo de ônibus até a periferia da cidade e lá nos dirigimos a um sitio de um velho amigo do Grupo, que pôr sinal era sempre visitado pôr muitos escoteiros. 
- Na patrulha havia dois cargos em aberto, explico melhor - Todos nós escolhíamos nossas responsabilidades na patrulha e caso houvesse mais de um interessado no mesmo cargo, era feito sorteio. Assim, escolhi ser o escriba da Patrulha. Tinha facilidades para escrever e como um “Pata Tenra” achava ser a mais fácil.
- Chegamos ao sitio pôr volta das 08 e meia da manhã. Não era bem um sitio, estava mais para uma fazenda. Somente um sitiante na porta de entrada, pois o local quase não era explorado e se mantinha intacto principalmente a mata e pastos. Alguns bois, alguns cavalos, e mais nada.
A casa sede era pobre. Três cômodos sem banheiro. Instalamos-nos e logo procuramos uma arvore para o cerimonial da Bandeira. Deram-me a honra de hasteá-la.
Nosso monitor era calmo e ponderado. Era um autentico líder. Comecei a me acalmar à medida que participava das atividades. Os chefes já não faziam falta. Treinamos barraca, machadinha, nós (sem teoria) e corte de lenha, tudo isso pela manhã.
As 12:40 hs fizemos um lanche. Foi nesta hora que resolvi dar um giro pôr conta própria sem  falar com os demais. Atrás da casa havia um arvoredo muito bonito e ouvi um barulho de uma cascata. Dirigi-me até lá. Não era tão perto. Andei um bocado! - No meio das árvores só o barulho me chamava a atenção. Enfim avistei um pequeno riacho com águas límpidas e claras. Tão claras que se avistava o fundo. Fiquei hipnotizado! - Como era belo tudo aquilo! - Lembrei dos diversos contos da História da Jângal, contadas pela nossa Akelá, nas belas historias de Mowgli  junto ao Balu e Baguera!.
- Passei um pouco de água no rosto e vi que era hora de voltar junto a Patrulha. Dei meia volta e senti um calafrio! - Não sabia pôr onde tinha vindo! - Comecei a tremer nos meus 11 anos, agora  cheio de dúvidas. Não sabia se chorava ou se confiava que me achariam facilmente. Optei pôr ficar ali.
- O tempo passava e eu já estava chorando baixinho. Senti uma mão no meu ombro. Levei um enorme susto. Era o nosso monitor. Graças a Deus! -
- Voltamos junto e no caminho pensei que meu papelão seria ridicularizado pôr todos.  Estava cada um fazendo uma atividade diferente. Nosso monitor pediu a um 2a. classe para me dar um adestramento de posicionamento e marcação de pontos cardeais para ser usado quando se anda em pequenos bosques. Ainda não estava na hora de um bom adestramento de bússola e orientação. Tudo deveria fluir naturalmente e na hora certa!
- Não houve sermão. Só um pequeno lembrete pelo monitor e comigo a sós. Sorri agradecido. Nunca mais se repetiu!.

O esforço para fazer a promessa

- Eu me lembro até hoje de como foi difícil para “tirar“ as provas de Noviço. Não é esta “moleza“ que temos hoje. Todos os dias olhava meu uniforme com carinho. Estava perfeito no guarda roupa. Engomado. O cinto já havia recebido várias “graxas” para  “amaciar” o couro e fazê-lo durar mais. O metal brilhava, pois eu não economizava na pasta de dente (usada naquela época para manter o metal e seu brilho).   Aguardava com ansiedade o dia da minha Promessa. Já sabia ela de cor e salteado e tinha até treinado em frente ao espelho, a “pose” que iria fazer. Só quem passou pôr isso sabe o valor da Promessa.
- Entendia perfeitamente o seu significado -  Era sempre assunto no “Conselho de Patrulha “. A Côrte de Honra tinha aprovado e o próprio chefe conversou diversas vezes comigo a respeito.
Quando chegou o dia foi o mais feliz em minha vida. Aquele uniforme tinha um valor tremendo. Lutei pôr isto. Mereci usá-lo. Os desafios das demais provas seriam mais fáceis agora.
Nunca mais esqueci aquele dia.

Quando sênior indo para os pioneiros

  - “- Passei a corda pelas axilas, soltei a mão direita forçando todo o corpo para cima agarrado em uma pequena saliência. Consegui com muito sacrifício me firmar. O vento forte deixou de balançar o meu corpo como uma folha solta de uma arvore no alto daquela montanha”.
  - Tínhamos escalado mais de 300 metros. Éramos quatro, ou os três Mosqueteiros como nós mesmos nos chamávamos. Acredito que devia ser quase meio dia, pois o sol lançava ferozmente o calor e o brilho ofuscava a vista naquela parte da pedra lisa. Dali para frente não tínhamos condições de  continuar.  Enquanto a escalada é positiva tudo bem, negativa impossível.
  - Conseguimos chegar numa saliência de uns 2 metros quadrados, meio disforme e tínhamos a nossa frente uma vista maravilhosa o que compensava todo o sacrifício. O rio se destacava ao longe como se fosse uma enorme serpente e os raios do sol sobre as águas douravam aquela visão.
  - São atividades assim que marcam toda uma vida de aventuras no Movimento Escoteiro. O prazer da conquista inebriava todos nós. Infelizmente lembramos que precisávamos iniciar a descida, pois o sol no seu caminho para o oeste já estava se pondo. Após um breve intervalo iniciamos a descida e chegamos a uma conclusão ululante! - Não tínhamos condições para  descer!. Os mosqueteiros tinham conhecimento de escalada até a ponta do nariz!
  - O medo é claro tomou conta, a altura ajudou e a vista já não era mais como antes. Víamos a cidade, as pessoas do tamanho de formigas e achamos que só um milagre nos tiraria daquele aperto.
  - A noite chegou e com ela a brisa gostosa da tarde se transformou em frio. Não tínhamos levado material para dormir. O plano era chegar ao topo e voltar antes do pôr do sol. Embolamos uns aos outros e passamos uma noite péssima. Acho que ninguém dormiu a não ser um cochilo ou outro.
  - O amanhecer em outra situação seria esplêndido. No nosso caso os ossos acostumados com todo tipo de atividade senior e pioneira, estavam em “pandarecos”. Mas para nossa sorte, ouvimos um barulho acima e avistamos a uns 30 metros alguns sertanejos e policiais com uma corda. Que sorte! - Um sermão, uma gozação de toda a cidade e pluf! - nossa escalada chegou ao fim.
 
- Ouve outras aventuras. Isto  se puder chamar assim. Mas todas elas valeram. Outra marcante foi na foz do rio Negro com o Amazonas. As peripécias da viagem (sem dinheiro) e na base da carona pôr todo o nordeste foi inesquecível.
  - Eram outros tempos. Os detalhes seriam longos e, portanto vou resumir. Um “caboclo ribeirinho” nos acompanhou rio acima nos transportando em sua canoa. Bom de papo, tipo humilde e quando “poitamos“ o barco pediu um adiantamento. Não entendemos, pois achávamos que ele era bem camarada ao nos oferecer a carona. Nada disso disse. Falou no seu jeito mateiro que poderíamos ser da “Policia de Captura”(por causa do nosso uniforme), muito comum naquelas bandas e eles sempre pagam adiantado. Tentamos explicar que nossa atividade era outra e estávamos viajando para conhecer nossa terra. Falamos ainda que tivemos que trabalhar em uma chalana para chegar até ali e todos tinham nos ajudado. Que nada, ele nem quis saber. O  caboclo passou a mão no seu barco e para nosso desespero se foi nos deixando, sem eira e nem beira naquela parte da floresta.
  -  A volta foi outra aventura. Pôr terra não dava. Passamos um dia e uma noite (tínhamos material completo de campo nas mochilas, alem de alimentação para quatro dias) até acharmos uma solução. No dia seguinte montamos uma jangada feita de “piteira” seca (graças a Deus tinha bastante e todos nós fôramos  Escoteiros 1a Classe e Seniores Eficiência 2). Descemos o rio até encontrar ajuda pois aquela área era razoavelmente habitada (ainda bem).
  Namoradas? - claro que tínhamos, mas elas vinham em segundo plano. Primeiro o Escotismo e fim de papo.

Ouve outra atividade bem interessante. Há tempos sabíamos da “Cidade fantasma“ próxima ao rio caudaloso que acompanhava a estrada de ferro.
  - A História era antiga. Quando da construção da Ferrovia, devido ao ataque freqüente dos Índios Aimorés e da malária, que dizimava completamente a maioria dos trabalhadores, não havia peão que ficava muito tempo na Empresa encarregada da construção.
  - O Governo pressionado, pois queria a todo custo terminar a obra, ofereceu liberdade condicional aos presos na Capital e algumas grandes cidades, em troca do trabalho forçado para a Estrada de Ferro. Pelo contrato, após 1 ano de serviço, estariam livres.
  - A lenda contava que em uma determinada cidade, como muitas que apareciam com a ferrovia a maioria dos criminosos ali residiam.
  - O padre local sempre fora contra este tipo de coisa e era freqüentemente jurado de morte pelos bandidos. Durante uma procissão da Semana Santa junto a milhares de fieis, agarraram o “dito cujo“ e o enterraram em frente a Matriz só com o pescoço para fora. Dizem que suas últimas palavras foram que não ficaria pedra sobre pedra naquela cidade. A maldição parece que “emplacou“. Dai há alguns anos a cidade foi ficando deserta e praticamente não ficou uma viva alma. ( a Estrada de Ferro mudou de itinerário e a população acompanhou, fundando outra cidade) . 
  - Chegamos lá antes das 11 da manhã. Havia uma rua com calçamento de pedra e pequenas paredes  era o que restavam das casas que ali existiram.  Montamos barraca. Queríamos ouvir o famoso e “Celebre” grito do Padre que todos juravam ouvir após a meia noite. Era um desafio a nossa coragem. Não perguntamos e não pedimos orientação a ninguém. Ali eram os quatro mais experientes do Grupo. Não havia nada que não enfrentávamos de frente!.
  - A tarde corria solta. O sol se pôs no horizonte e se foi. A noite chegou brava e eu estava fazendo o meu “Celebre e histórico“ sopão. Ainda não eram 11 horas da noite. O Grito foi ensurdecedor! - Gelei ! - Os “mosqueteiros“ correram para a cozinha. Ficamos ali grudados uns aos outros. Era uma tremedeira geral. O Grito aumentava mais ainda quando o vento soprava mais forte. Caminhamos em direção ao Grito. Não preciso explicar como estávamos. Vinha da praça onde enterraram o padre, pensei.
- O medo aflorava a pele! - Mas éramos insistentes e caminhávamos no rumo da pedra onde pensávamos vinha o grito. Que piada.  O grito  do padre nada mais era que uma fenda que ia de um lado a outro da pedra. O vento forte vindo do rio próximo entrava pôr um lado e saia pôr outro e uma espécie de apito davam impressão de um grito.

Sobre o uniforme sênior

- Estava eu - em um ônibus no sábado passado,(isto aconteceu em 1988) absorto em meus pensamentos e eis que uma surpresa agradável aconteceu. Em um ponto subiu uma patrulha Sênior, que pela maneira como conversavam, deviam estar de retorno de alguma atividade aventureira. Abri o meu melhor sorriso, mas nenhum deles olhou para mim. Ia me apresentar quando um passageiro a minha frente comentou com seu amigo - Que “diabos” é isso ?
- Não sei retrucou o outro, devem ser alguma gangue de bairro!. - Parece que alguns deles têm algumas roupas parecidas e dois deles estão com um lenço no pescoço! Podem ser de algum desses colégios indisciplinados de bairro!
Já ia interferir na conversa para dizer que eram escoteiros seniores, mas desisti - logo vi um dos jovens com um cigarro na boca, dentro do ônibus! - seus uniformes estavam em pandarecos. Outro de radinho no ouvido, brinco na orelha (não sou contra), cantando rock e mastigando chicletes. Uns três estavam com o lenço pendurado no cinto e quase todos incomodavam os demais passageiros com suas mochilas carregadas, sem se preocuparem com a boa educação. Pensei comigo, isto não pode ser escotismo. Estou fora da realidade. Deixe que pensem que são jovens de algum colégio, pois seus jeans desbotados e camisas azuis com boinas pretas não os identificam. Melhor para o Movimento Escoteiro!.

Ensinamentos de um velho escoteiro

Todas as sextas feiras, a chefia e pais convidados do nosso grupo escoteiro, reuniamos em um pisaria, e ali conversando, trocando idéias, nos conhecíamos melhor. Alem é claro da motivação que isto trazia para todos nós.
A noite transcorria calma  e gostosa, quando alguém gritou próxima a porta :
- É um assalto! - Todos para o chão! Quem se mexer  leva bala! - Tremi na base - Alguém pisou em minhas costas - Levanta a cabeça e leva um balaço seu m..! Só os ladrões gritavam. Ninguém falava nada. Falar o que?.
- Uma sirene baixa e aumentando o volume progressivamente foi ouvido pôr todos, um principio de silencio e logo um dos ladrões gritou alto! - Corram, é a policia ! - Cada um pra si e Deus pra todos!.
Em segundos desapareceram. Graças a Deus não levaram nada e ninguém foi ferido.
Estávamos acalmando aos poucos. Meu coração ainda estava disparado. Uma outra rodada de shop foi pedida. Poucos falavam agora.
- Afinal e o carro da policia que não chega?
A sirene começou baixa de novo. Um assistente da Tropa Sênior era o responsável pôr ela.
Pó meu! - foi você? - Não era a policia? - Se os ladrões descobrem, você estava frito - onde aprendeu?
- Foi com um velho chefe em um curso. Ele me disse que se imitasse bem poderia utilizar algum dia - completou. É, acho que valeu!

Historias de Fogo de Conselho

Foi escolhido um local, próximo a uma pequena mata, onde existia uma casa abandonada e todos concordaram. Ficava a uns 400 metros do acampamento. A Patrulha de serviço não perdeu tempo. Logo que chegaram ela preparou o fogo dentro dos padrões técnicos para evitar incêndios e tinha que ser ascendida com no máximo dois palitos de fósforos. Se não conseguissem, outra patrulha assumiria, o que dificilmente acontecia.
 Não havia um “Animador de Fogo de Conselho”. Este iria surgir naturalmente no desenrolar da noite. Qualquer programa escrito estava fora de cogitação. Não iriam se prender a um roteiro, pois ali, naquela noite e em todas às outras a participação era completa. Sabiam o que queriam e iriam fazer conforme a Tradição de Tropa.
Se havia uma coisa que detestavam, era o tal Lampião do Conselho. Dava até vontade de rir do tal Lampião. Diziam que um bom mateiro ascende o fogo em qualquer tempo e em qualquer lugar!. Eu acreditava, pois o adestramento da tropa sempre foi um dos melhores.  Enquanto isto os demais não se afastavam muito, pois a escuridão da noite e o lugar davam calafrios. (não havia luar)
Todos foram chamados e se assentaram a bel prazer, enquanto um Escoteiro ascendia o fogo. Nesta hora, ficaram de pé, e como tradição antiga  invocaram os Espíritos dos Ventos e a viva voz, cantaram a Canção do Fogo de Conselho. Cantavam com gosto. Às chamas já se esticavam aos céus quando terminaram. Ouviram alguém bater palmas. Não eram eles. Se havia alguém escondido para amedrontar não seria com aquela Tropa. Um dos chefes deu uma busca em volta da casa e dentro dela. Nada.
Continuaram. Logo uma Patrulha imitava outra quando da enchente (no primeiro dia uma uma forte chuva encheu as barracas de lama). Surgiram palmas escoteiras inventadas na hora. Uma parada para conversa, um chocolate quente, uma mordida num biscoito. Conversas paralelas. Alguém alimenta o fogo, um dedilha o violão e outro começa a cantar. Alguns acompanham, dois se encaminham para o centro da arena e começam a representar um Chefe e um Monitor. Risadas, palmas.
Pedem um jogo, um Monitor se oferece para fazer um novo, aprendido em outra atividade. Um grito. Não muito alto. A tropa se cala. É brincadeira de alguém. Eles aceitam a participação do “Fantasma“ . Vai quebrar a cara pensam. Não foi a primeira vez. Ouvem outras em outros acampamentos. Agora não seriam surpreendidos.
Continuam às canções, improvisações, batem papos, jogos e até um pequeno Adestramento de primeiros socorros. Não faltou o Contador de Historias, e nessa o monitor mais antigo  se destacava.  Era assim o fogo da Tropa.
Às brasas começaram a aparecer. A lenha foi terminando e todos demonstravam sono. Uma boca abre aqui, outra ali. A noite avançou sem ninguém perceber. Um Chefe convida a todos para encerrarem com a Cadeia da Fraternidade. Começam a cantar e param. Todos olham para dentro da casa e vêem uma luz azul brilhante. Ficam estáticos. Alguns vão até lá e dentro da casa não há luz! - Já existem tremedeiras. Sem falar voltam para o acampamento. Ninguém quer ir à frente nem ficar atrás.
Dormiram encostados uns nos outros mesmo com a chefia alegrando e encorajando todos.
No dia seguinte, após o desarme do campo, na cerimônia da Bandeira, um morador das proximidades estava presente assistindo de longe.
Um Chefe o convidou para participar na ferradura. Ele veio sem jeito e ali permaneceu até o final.
Uma rodinha se formou em redor dele, e ficaram sabendo a historia da “Morada do Fantasma” :
- A casa foi construída pôr um jovem, - dizia -  filho de um “meeiro” (usa a terra de uma fazenda para plantar, e paga parte da colheita ao dono) quando se casou. Com menos de quatro meses, ele matou a mulher porque achou que esta o traia. Não era verdade. Foi preso e condenado há vários anos de prisão. Ninguém sabe onde está e quando vai sair da cadeia. O que todos sabem é que o espírito ou “fantasma” da mulher não abandonou a casa e até hoje e a mantém limpa e arrumada, mesmo sem móveis sem nada. Um padre já benzeu a casa, mas ela não sai de lá.

“ São como historias de pescadores, mas aqui são escoteiros, acreditem se quizer!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

TEMA LIVRE - ESCOTEIROS FLORESTAIS

Sempre publíco aqui, artigos de amigos meus, feito por eles e sem nenhuma interferencia.
Todos sabem que tenho ligações com a UEB mas para mim não importa e nem faço julgamentos de outras organizações escoteiras que se formaram no Brasil. É direito de cada um e se estão fazendo um bom escotismo, só tenho que parabenizar.

O Artigo abaixo, do Chefe Fideles fala do aniversário do Grupo e vai publicado em sua integra.

Chefe Osvaldo 
                                  
14 anos junto da Juventude

O Escotismo Florestal, completa hoje 14 anos de criação em defesa do meio ambiente e formando bons cidadãos, utilizado como principal ferramenta a vida ao ar livre para alcançar seus objetivos, através de acampamentos, caminhadas e excursões.

Tudo começou com a reunião de 12 jovens no Colégio Lamenha Lins, localizado no bairro do Jacintinho da Capital de Alagoana. No inicio a proposta era somente a defesa do meio ambiente tendo em vista que eu pretendia dá continuidade aos trabalhos que era feito com os Policiais Florestais (hoje, Policiais Ambientais), no entanto ao manter contado com a garotada vir também que deveríamos ampliar nosso foco, lembro-me que uma das meninas (na época com 13 anos) relatou que um colega da escola dela estava insistindo para ela fumar Maconha, somente parando de convidá-la quando ela disse que era Escoteira. 

A partir daí decidimos que o foco da nossa organização seria a formação das nossas crianças e adolescentes em todos os aspectos, ou seja, formar cidadãos fortes, inteligentes, companheiros, auto-suficientes, preparados para dizer não ás drogas e a violência e defender o meio ambiente.         

Para alcançar nossos objetivos decidimos seguir o método educacional criado pelo inglês Baden-Powel (criador do Escotismo) onde a juventude aprende as coisas fazendo e cada um sendo responsável por seu desenvolvimento pessoal, porém vivendo em pequenas equipes denominadas de patrulhas. Mesmo seguindo o Escotismo, criamos novos conceitos e métodos que somados as do  escotismo, nasceu uma nova modalidade que ficou conhecida no mundo todo como Escotismo Florestal.
 O Escotismo Florestal ao completar 14 anos já é uma realidade mundial tendo sido reconhecido como um nova modalidade pela Associação Escoteira Baden-Powell (AEBP) e pela World Federation of Independent Scouts (WFIS), com sede na Alemanha; e por vários Escotistas no Brasil.

Hoje, com o lema “Sempre Alerta”, para a defesa da natureza e formação de cidadãos ambientalistas, o escotismo florestal comemora mais um ano de vitoria sabendo que está fazendo sua parte para deixar o mundo um pouco melhor. Basta observar os ex-escoteiros florestais que são Bombeiros Militar, empresários, profissionais liberais, donas de casas, trabalhadores de um modo geral, pais e mães de família, e muitos já trazem seus filhos para serem Escoteiros Florestais.

Aproveito a oportunidade para agradecer a todos os Chefes, familiares, amigos do Escotismo Florestal. E, em especial as crianças e adolescentes que são o motivo maior da existência da nossa Organização.

Maceió, 19 de novembro de 2010,


Luiz Fidelis Torres – Major da PMAL
Chefe Geral do Escotismo Florestal
Contato: fidelis.escotismoflorestal@hotmail.com  (82) 88373560 e (82) 99669622
























sexta-feira, 2 de setembro de 2011

ÓBVIO, ESCOTISMO É MASOQUISTA!


Na comunidade da Ana Paula Moura, ela colocou essa pérola que muito se explica o porquê nós, escoteiros, gostamos deste movimento sem similar.
Acredito que muitos de vocês já leram seu artigo, mas por sugestão do Ch. Elmer pedi autorização a Ana e ela prontamente autorizou a publicação em meu blog.
Se deliciem com o artigo e se reencontrem com ele.
                                   
Chefe Osvaldo

Dói pensar no infinito.
Dói pensar na eternidade.
Masoquismo cognitivo,
obsessão incurável,
que o tempo não alivia
e só na morte se acaba.



Óbvio, escotismo é masoquista!

Um bando de jovens loucos, que gostam de sofrer e passam seus fins de semana no meio do mato, passando frio, calor, cansaço, fome, tomam banho gelado no rio ou na cachoeira ao invés de estarem debaixo do chuveiro quentinho...
Dormem em bivaques, e barracas ao invés de estarem em sua cama macia.

Comem sabe-se lá o que. Eles próprios fazem sua comida em fogueiras, ou até em um buraco no chão. Os tais "escoteiros" têm que conviver com os animais da natureza e respeitá-los. Afinal, O QUE SE PASSA NA CABEÇA DE UMA PESSOA PARA SER ESCOTEIRO?

Este é o movimento mais esdrúxulo já inventado, certo?
ERRADO! ¬¬  Escotismo é MUITO MAIS do que isso, e todas estas adversidades fazem parte da nossa diversão. Porque enquanto estamos no meio do mato, (como dizem), nós aprendemos a conviver com a natureza e viver em harmonia com ela. Aprendemos a amar tudo que Deus nos deu.

Passar frio não é nada... O calor da amizade que há entre os escoteiros é capaz de aquecer qualquer frio, é capaz de curar qualquer dor. Quando uma patrulha está junta e até quando não está, somos todos um só coração.

Você vive por seu elemento, e ele vive por você. As barracas ou bivaques desconfortáveis, para nós, são como o maior hotel cinco estrelas já visto, e se pudéssemos, o colocaríamos no livro dos recordes... POR QUÊ? Porque quando você olha tudo aquilo e pensa: “FUI EU QUE CONSTRUÍ!”, passei o dia todo ralando, mas “EU CONSEGUI". Esse pensamento é mais gratificante do que qualquer outro incômodo que passa por despercebido. O que vale não é o esforço que fazemos, nem o chamado "sacrifício"... O que vale é a amizade que nos une, é o sentimento de proteção e alento.

 É aquela sensação incrível que você sente sempre que volta de uma jornada ou acampamento...

Você esta quebrado, cheio de dor na perna, coluna etc. Morrendo de fome. Suado, machucado, esfolado e ralado... Mas a sensação de satisfação que te domina torna tudo quase imperceptível. Aquela sensação de gratidão por ter a honra de fazer parte de um movimento tão maravilhoso... Aí você toma seu banho, e vai jantar. Come feito um boi. E enquanto está comendo, começa a rir, pois se lembra do momento que você estava acendendo a fogueira para fazer seu peixe, e queimou a mão na panela. E você ri. Depois você vai deitar, e assim que deita é como se ainda sentisse o cheiro de mato do campo que você acampou...

O barulho da cachoeira, ou simplesmente o ruído inconfundivelmente delicioso da natureza se manifestando tão bela... Então você sente seu colchão macio, seu cobertor quente.

E começa a lembrar do frio que você passou na noite anterior, como o chão estava duro, principalmente porque você sempre é premiado de dormir ou em cima do buraco ou em cima de uma pedra. Mas lembra também que quando você estava com frio, seu amigo o cobriu com seu cobertor minúsculo que mal dava para se cobrir... Mas ele não ia te deixar passar frio.


E quando você comentou que o chão estava duro ele disse: "relaxa, dorme que passa!" E vocês riram, comentaram um pouco do dia que passou e depois dormiram.

Então no outro dia você acorda, se apronta pra ir trabalhar ou pra ir ao colégio. E sente uma falta imensa da manhã anterior, onde você saiu da barraca ou do bivaque às 5 da manhã, e ficou com seus amigos aguardando o espetáculo do sol nascendo, em volta da fogueira que vocês acenderam pra esquentar o frio, ou apenas observando os últimos suspiros das labaredas do fogo de conselho. E sua vida vai continuar passando, você vai seguir sua rotina, mas sempre reza pra chegar logo o sábado ou o domingo pra você ir pra sua atividade escoteira, e encontrar seus irmãos escoteiros.

E você vai percebendo o quanto isso é gratificante, o quanto isso te torna mais forte, menos vulnerável.

O escotismo, para muitos, pode parecer uma loucura, mas para nós, que estamos aqui dentro, vivendo cada momento, cada lágrima e cada alegria, isso pode ser resumido à vida.

Sim! A vida que renasce dentro de cada um a cada atividade. Nem milhões de palavras efêmeras conseguiriam sozinhas, definir o que você sente quando toca a canção da despedida. Nem todos os tambores do mundo poderiam reproduzir as batidas do seu coração quando faz a sua promessa, ou quando está no fogo de conselho refletindo o legado que B.P nos deixou.


Ser escoteiro é muito mais que usar o uniforme dito por todos "ridículo"; Ser escoteiro é muito mais que ajudar velhinhas a atravessar na rua e vender biscoitos de porta em porta;

Ser escoteiro é renascer a cada dia através de um novo aprendizado. Ser escoteiro não tem explicação.

Só estando aqui dentro, para saber o que nós vivemos o que nós sentimos. É esperar o inesperado, e saber lidar com isso. Ser escoteiro é força, é garra, é raça.

Escotismo não se explica se vive. Acima do frio, acima da fome, acima da sede, existe um laço chamado AMIZADE, e isso vale mais do que qualquer outra coisa. É, meu amigo, serei Escoteiro até o fim!

Anna Paula Moura
169º/SP Grupo Escoteiro Manoel