domingo, 20 de maio de 2018

Eu? Sou um contador de histórias... Escoteiras!




Eu? Eu sou um contador de histórias... Escoteiras é claro!


E aqui terei o máximo prazer em receber você. Bem vindo.  Escrevo tudo que penso e o que aprendi como escoteiro por quase 70 anos. Concorde discorde, deixe seus comentários. Meu fraterno abraço e breve outro conto outro artigo escoteiro. Sempre Alerta!

Ela com um sorriso me perguntou: Você é um escoteiro?



Ela com um sorriso me perguntou:

Você é um escoteiro?
Parei, olhei para ela, com um sorriso e sem afetação disse: - sou sim e olhe com muito orgulho. Sou escoteiro e aprendo a ter qualidades para me considerar um bom cidadão brasileiro. Aprendo que o caráter e a ética é ponto de honra. Procuro a cada dia respeitar o próximo e fazer uma boa ação. Nós escoteiros temos orgulho sim, pois levamos a sério a nossa promessa e a filosofia de nosso Criador Baden-Powell. Temos uma lei com dez artigos para fazer o melhor possível e seguir. Ter palavra, ser leal, amigo, cortês, respeito à natureza, disciplina, honradez, mente limpa são pontos importantes da nossa Lei do Escoteiro que fazemos questão de cumprir.  

- Vivemos uma vida maravilhosa em comunhão com milhões de irmãos de ideal e de sangue espalhados pelo mundo. Nossa filosofia nos deu a felicidade que muitos desejam. Agradeço ao meu Deus por ter me dado este privilegio. Amo a natureza, o céu azul, o nascer e o por do sol. O céu estrelado, lua brilhante e nas florestas aprendemos a fazer fazendo para um futuro melhor. À noite sentamos em volta de uma fogueira, cantamos, brincamos, contamos histórias e deitado na relva admiramos a maravilha do céu que Deus nos presenteou. È lindo ver os piscantes da noite, vagalumes, pássaros noturnos cometas e constelações. E então nos lembramos da nossa lei máxima: - O Escoteiro é puro nos pensamentos nas palavras e nas ações.

- Olhe, se um dia quiser ser um de nós, será bem vinda. Sabemos que nem todos nasceram para ser escoteiros, pois ser escoteiro não é para qualquer um. Vivemos em fraternidade, não importa a idade, a raça credo ou nação. Aprendemos em uma Patrulha a respeitar, a caminhar com as próprias pernas a ser alguém que todos possam confiar. Vivemos em contato com natureza, gostamos de sentir o cheiro da terra molhada, do perfume das flores silvestres, do cantar da passarada e do pio da coruja que vive a nos olhar e nos dizer: Sempre Alerta Escoteiros!

- Minha amiga, fique sabendo que nós os escoteiros vivemos uma filosofia linda demais. Sou até vaidoso quando digo que temos esse privilegio de dizer que somos escoteiros de corpo e alma. Adoramos a chuva, o vento, as campinas os vales em flor quando chega o tempo das falas novas. Não sabe? A primavera amiga, mês do verde, das águas cristalinas, das flores do lobo cinzento que corre para anunciar as boas novas. Ver a chuva caindo em uma floresta, em um vale ou no alto de uma montanha o som imperdível que a natureza oferece é incomparável. São como canções de ninar. Às vezes me sinto um herói desconhecido.

- Não precisamos da tecnologia para nos defender das surpresas da natureza. Sabemos o rumo a seguir, planejamos a hora com um relógio do tempo, saltamos os obstáculos, armamos barracas, se necessário dar os nós para nos salvar das dificuldades e em jornadas só ou com amigos lembramo-nos dos velhos pioneiros aqueles heróis bandeirantes que cruzaram nossas terras em busca de tesouros muitas vezes não encontrados. Como eles não importa se o vento é forte ou fraco. Amamos a aragem da madrugada, os beija flor parados no tempo, as abelhas a procura do néctar... E da flor.

- Coisas simples, mas têm enorme valor para nós. Imagine como é fascinante depois de uma marcha de estrada tirar o calçado, molhar os pés nas águas geladas de um belo riacho e aproveitar para uma soneca embaixo de uma frondosa arvore. De olhos semicerrados podemos sentir o cheiro da relva, o balançar das folhas soprando suavemente como a dançar com a brisa do vento. E nas descobertas, no alto da montanha ver o mundo ao seus pés? Um espetáculo imperdível minha amiga!

- Desculpe simpática amiga. Não vou esticar esta aula sobre nosso movimento escoteiro. Só vendo para crer. Posso dizer que para nós ter medo é para os fracos. E nosso líder quando nos ensinou a cumprimentar com a mão esquerda disse: - Só os valentes entre os valentes se saúdam com a mão esquerda! Se vier a nossa procura repito, qualquer um pode entrar, mas ser escoteiro não é para qualquer um! Aqui temos o lema dos mosqueteiros: - Um por todos? Todos por um!

- Apareça, será uma alegria receber você. Sempre Bem vinda. E quando resolver ser um de nós vais ver que entrou para uma Fraternidade Universal, de centenas de nações com mais de quarenta milhões espalhados pelo mundo. E quando um dia resolver fazer nossa promessa, então nossa filosofia irá percorrer pelo seu sangue pela sua mente e sua voz irá dizer: Prometo, pela minha honra... Fazer o melhor possível... Que orgulho, a mente sorri, o corpo treme, a pátria agradece e a gente diz: - Obrigado Deus por me fazer um escoteiro!

- Venha... Abrace o mundo, abrace a vida, seja feliz escoteirando como eu!

Nota – “Sou um escoteiro feliz, amo tudo o que faço e na vida sou aprendiz; Tenho várias paixões, mas, como qualquer um, possuo imperfeições; Todos os caminhos do escotismo ainda não sei de cor, pelo menos busco, a cada dia, Tornar-me alguém melhor”! Venha, seja escoteiro, esperamos por você!

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Conversa ao Pé do Fogo. Escotismo Modalidade do Ar e do mar.



Conversa ao Pé do Fogo.
Escotismo Modalidade do Ar e do mar.

Eu tenho muitos amigos da modalidade do Ar e do Mar e tenho por eles enorme consideração. Leigo nas modalidades sempre procurei conhecer um pouco seus programas. Por curiosidade resolvi perscrutar e revirar na Internet sobre suas origens e quando foi a fundação. Vamos ver o que encontrei.

Escotismo modalidade do Ar.
A Modalidade do Escotismo do Ar, não foi idealizada pelo fundador, Baden-Powell. As outras duas a Básica e a do Mar sim. A Modalidade do Ar não começou na Inglaterra, ela teve origem no Brasil.

Dia 28 de abril de 1938, é oficializado o primeiro Grupo Escoteiro da Modalidade do Ar, o Grupo Escoteiro do Ar Tenente Ricardo Kirk, tendo como responsáveis o Major Aviador Godofredo Vidal, o Tenente Coronel Aviador Vasco Alves Secco e o Primeiro Sargento Telegrafista Jayme Janeiro Rodrigues, na época servindo no 5º Regimento de Aviação, atual CINDACTA II, em Curitiba.

Em 19 de abril de 1944, foi criada a Federação Brasileira de Escoteiros do Ar, a qual congregava todos os Grupos Escoteiros da Modalidade, na época se restringindo aos Estados do ParanáRio de Janeiro e São Paulo.

O Brigadeiro Nero Moura, em 26 de julho de 1951, então Ministro da Aeronáutica, reconhecendo a tamanha expansão registrada e seus valiosos objetivos, entre eles o de incentivar o interesse dos jovens pela aeronáutica, determinou que todas as unidades da Força Aérea Brasileira dessem total apoio à Modalidade do Ar, o que acontece até os dias presentes.

Em 1951 a Portaria 262 publicada pelo então Ministro da Aeronáutica Brigadeiro Nero Moura determina o apoio de todas as Unidades da FAB aos Escoteiros do Ar. Esta portaria foi reconfirmada em 1981 pelo Ten.-Brig. - do-Ar Délio Jardim de Mattos e reformulada e substituída pela portaria 914 de 29 de Setembro de 2003 pelo Ten.-Brig. - do-Ar Luis Carlos da Silva Bueno.

Escotismo Modalidade do Mar
Após um acampamento no Rio BeaulieuBaden-Powell redigiu "Escotismo do Mar para Rapazes", era uma pequena explanação do que deveria ser o escotismo o mar, ao final há uma nota que diz que seu irmão, Warrington Baden-Powell, montaria um manual para os escoteiros do Mar.

Com o despreparo dos chefes da modalidade básica, surgiram novos chefes provindos da Guarda Costeira da Inglaterra, esses tinham conhecimento sobre as artes da marinharia. As primeiras uniões de Escoteiros do Mar na Inglaterra e no exterior foram: Mercúrio, 'British Boys', Petersham and Ham, Barry, Cleethorpes, Ratcliffe, Skegness, e Gibraltar.

Em 1910 foi definido o uniforme dos Escoteiros do Mar, branco diferente da modalidade básica caqui (naquela época). Em 25 março de 1911, estabelece-se escoteiros do mar como salva-vidas na costa, uma real necessidade da época. Em 1912 o "Escotismo do Mar e Marinharia para Rapazes" é publicado. Em 1921, Warrington Baden-Powell morre, mas o Escotismo do Mar já era realidade em vários países. E atualmente no mundo inteiro.

Escotismo Modalidade do Mar, é uma das vertentes do Escotismo, tem como principal diferença das outras modalidades é que realizam suas atividades preferencialmente na água, onde quer que exista água em quantidade e profundidade suficientes para que uma embarcação possa navegar, seja ela de que tipo for.

Sendo assim podem existir Escoteiros do Mar, seja esta água de mar, de rio, lago, lagoa ou pantanal. Procurando desenvolver nos jovens o gosto pela vida no mar, pelas artes e técnicas marinheiras, pela navegação à vela e a motor, pelas viagens e transportes marítimos, pela pesca, pelo estudo da oceanografia, pela exploração e pelos esportes náuticos, incentivando o culto das tradições da marinha. A gama de atividades que podem ser realizadas é enorme, indo da tradicional navegação a remo até mergulho ou windsurf.

"Se eu tivesse sido Escoteiro quando jovem, provavelmente teria sido Escoteiro do Mar" - Robert Baden-Powell.

Nota - Conversa ao Pé do Fogo.
Escotismo Modalidade do Ar e do mar.

Eu tenho muitos amigos da modalidade do Ar e do Mar e tenho por eles enorme consideração. Leigo nas modalidades sempre procurei conhecer um pouco seus programas. Por curiosidade resolvi perscrutar e revirar na Internet sobre suas origens e quando foi a fundação. Vamos ver o que encontrei.

Escotismo modalidade do Ar.
A Modalidade do Escotismo do Ar, não foi idealizada pelo fundador, Baden-Powell. As outras duas a Básica e a do Mar sim. A Modalidade do Ar não começou na Inglaterra, ela teve origem no Brasil.

Dia 28 de abril de 1938, é oficializado o primeiro Grupo Escoteiro da Modalidade do Ar, o Grupo Escoteiro do Ar Tenente Ricardo Kirk, tendo como responsáveis o Major Aviador Godofredo Vidal, o Tenente Coronel Aviador Vasco Alves Secco e o Primeiro Sargento Telegrafista Jayme Janeiro Rodrigues, na época servindo no 5º Regimento de Aviação, atual CINDACTA II, em Curitiba.

Em 19 de abril de 1944, foi criada a Federação Brasileira de Escoteiros do Ar, a qual congregava todos os Grupos Escoteiros da Modalidade, na época se restringindo aos Estados do ParanáRio de Janeiro e São Paulo.

O Brigadeiro Nero Moura, em 26 de julho de 1951, então Ministro da Aeronáutica, reconhecendo a tamanha expansão registrada e seus valiosos objetivos, entre eles o de incentivar o interesse dos jovens pela aeronáutica, determinou que todas as unidades da Força Aérea Brasileira dessem total apoio à Modalidade do Ar, o que acontece até os dias presentes.

Em 1951 a Portaria 262 publicada pelo então Ministro da Aeronáutica Brigadeiro Nero Moura determina o apoio de todas as Unidades da FAB aos Escoteiros do Ar. Esta portaria foi reconfirmada em 1981 pelo Ten.-Brig. - do-Ar Délio Jardim de Mattos e reformulada e substituída pela portaria 914 de 29 de Setembro de 2003 pelo Ten.-Brig. - do-Ar Luis Carlos da Silva Bueno.

Escotismo Modalidade do Mar
Após um acampamento no Rio BeaulieuBaden-Powell redigiu "Escotismo do Mar para Rapazes", era uma pequena explanação do que deveria ser o escotismo o mar, ao final há uma nota que diz que seu irmão, Warrington Baden-Powell, montaria um manual para os escoteiros do Mar.

Com o despreparo dos chefes da modalidade básica, surgiram novos chefes provindos da Guarda Costeira da Inglaterra, esses tinham conhecimento sobre as artes da marinharia. As primeiras uniões de Escoteiros do Mar na Inglaterra e no exterior foram: Mercúrio, 'British Boys', Petersham and Ham, Barry, Cleethorpes, Ratcliffe, Skegness, e Gibraltar.

Em 1910 foi definido o uniforme dos Escoteiros do Mar, branco diferente da modalidade básica caqui (naquela época). Em 25 março de 1911, estabelece-se escoteiros do mar como salva-vidas na costa, uma real necessidade da época. Em 1912 o "Escotismo do Mar e Marinharia para Rapazes" é publicado. Em 1921, Warrington Baden-Powell morre, mas o Escotismo do Mar já era realidade em vários países. E atualmente no mundo inteiro.

Escotismo Modalidade do Mar, é uma das vertentes do Escotismo, tem como principal diferença das outras modalidades é que realizam suas atividades preferencialmente na água, onde quer que exista água em quantidade e profundidade suficientes para que uma embarcação possa navegar, seja ela de que tipo for.

Sendo assim podem existir Escoteiros do Mar, seja esta água de mar, de rio, lago, lagoa ou pantanal. Procurando desenvolver nos jovens o gosto pela vida no mar, pelas artes e técnicas marinheiras, pela navegação à vela e a motor, pelas viagens e transportes marítimos, pela pesca, pelo estudo da oceanografia, pela exploração e pelos esportes náuticos, incentivando o culto das tradições da marinha. A gama de atividades que podem ser realizadas é enorme, indo da tradicional navegação a remo até mergulho ou windsurf.

"Se eu tivesse sido Escoteiro quando jovem, provavelmente teria sido Escoteiro do Mar" - Robert Baden-Powell.

Nota - Qualquer senão, desculpe. Retirei nas páginas da internet. Fiquem a vontade para corrigir. Parabéns aos Escoteiros do Ar e do Mar por manterem seus padrões, seus valores suas tradições e se garbo. Abraços fraternos.







quinta-feira, 17 de maio de 2018

Conversa ao pé do fogo. Vale a pena polemizar?



Conversa ao pé do fogo.
Vale a pena polemizar?

- Sei não, acho que não. Polemizar nas redes sociais é perda de tempo. Cada um sabe onde a bota aperta e onde a boca abre. Vez ou outra perco meu tempo e meto minha colher de pau. É pau de dar em doido. Uns batem palmas, outros descem o cassetete. “Eita” escotismo moderno. Dizem que por sermos antigos somos da pá virada. Como diz o meu amigo – Chefe seu português é de lascar. Que tal umas aulas para ser melhor entendido? Putz! Vontade de não ser um cavalheiro, ou melhor, um escoteiro a moda antiga.

- Sabe o melhor local para polemizar? Debater? Discutir e chegar a um bom entendimento? Nem vem que não tem diz um entendido de normas e leis a dizer que o regulamento é assim e assado. Ou você obedece calado ou dá no pé. Cacilda! Devo deitar no trilho da Maria fumaça só porque o tal Pêôerre na página tal artigo tal alínea tal está escrito que devo e não devo fazer? Necas de catibiriba. Um az de leis escreve e eu obedeço? Sem perguntar? Sem saber se aceito? Voltando a minha praia, onde gosto mesmo de debater, conversar e entender...

- Em volta de uma fogueira. Putz Grila! Bom demais, ali se fecha os olhos, quase todos dão as mãos, cantam contam causos, uns lembram e outros informam: - Turma! O passado já era hoje temos cem mil e outro grita: - três chefes para cada escoteiro! Pelas barbas do profeta!  Já pensou? Discutir cem mil contra duzentos milhões e coisa e tal de habitantes? Quantos escoteiros tinha em 1970 quando ganhamos a copa? Setenta milhões? E escoteiros? Dizem que eram quarenta mil sem as escoteiras. E então? Gostou papudo, agora me serve um cafezinho?

- A gente olha a bananinha verde assando e dá uma fome danada! E um grita! A meninada é outra, hoje é tudo moderno, diz um Chefe aloprado que dia desses um pediu para que o uniforme fosse tipo militar, se abolisse o chapéu e substituído pelo capacete tipo os que usam hoje copiado dos alemães na segunda guerra. – Ai o chefe sabidão perguntou? E a camisa fora da calça? – Ora chefinho, te manca, isto é moderno. – Uai! Você não vai copiar nossos jovens militares? Eu Chefe? Eu. Até que pensando bem aquele usado pelas tropas de fronteira até que dá no pé! Mas gosto mesmo é de andar de cueca! – Valha-me Deus!

- E a conversa segue alguns animados, um quase dormindo canta! Acorda escoteiro acorda que o galo já cantou! – Cantou nada um disse. Hoje galo é eletrônico, é você quem diz a ele a hora de cantar! Tá no Pêôerre.  Rarará! Mas a fogueira tá boa, o céu tá estrelado e na montanha a lua vem surgindo. Bunita que nem um queijo mineiro. Dos redondos, dos “mais maió de grande”. Eita que embate gostoso, todos irmãos, diferente do que dizem: - Não gosta? Não aceita? Vá a assembleia e apresente suas reivindicações!

- Coloco minha capa preta, simples nada da parecida com o Tenório Cavalcante, o homem da “Lurdinha” (só os do passado vão lembrar), olho pru cometa que passa cantante soltando chispas no ar e faço o pedido: “Se vai atender, por favor, traga de novo ao vivo o escotismo que pode ser feito a moda antiga, por favor,”! – Será que serei atendido? Sei não. Um qualquer vai dizer que somos cem mil. Olhe sem querer ofender, cem mil é a... Calma não é palavrão, cem mil é a panaceia aquela que é a cura de todas as doenças, mesmo a do estrelismo sem estrelas.

- E volto de novo aos valentes defensores da lei e da ordem: - Vá a Assembleia! Prá que? Receber medalhas no dia da festa de toma lá da cá não vai dar. Já disse não tenho registro. E vem o Zé das Quantas dizer: Chefe mandei por escrito, reconheci firma, sabe o que me disseram? Fica prá depois, o tempo acabou. O programa tá feito. Aguarde, um dia desses conchavando vamos chegar a uma solução! Eita turma que adora um conchavinho ou um conchavão! Kkkkk.

- Enquanto isso a turma do bem bão passeia nos estranjas, cobra tudo e a todos. Vende bem seus trecos escoteiros. Afinal são cem mil fieis clientes cativos. Quem não quer? Tome um verde, um azul e um grená. São dezenove tipos. É só escolher e pagar! Chefe reclame no Paxtu! Eu eim? Se não tenho dinheiro nem para ir a Belzonte que demais em Paxtu. – Chefe Paxtu é um programa da EB, basta pagar a taxa se registrar e recebe a senha! Nossa! Será que pediram autorização a BP ou correram para registrar no IMPI? Afinal tá tudo lá registrado.

- Saudades do meu tempo de DCIM não entendia bulhufas de aparelhagem moderna. Não era muito fã de salão, muita conversa. Detestava palestra e as dava em jogos, apresentações, dinâmica (nem sei bem o que é isso) debaixo de uma sombra de uma bela árvore (Cortaram a Mangueira que ficava no centro do Campo Escola do Jaraguá) sempre ao ar livre, a turma à vontade, sentada ou deitada onde queriam. A gente conversava, batia papo e o tema era guardado para sempre.

- Saudades dos velhos tempos. Conversar gostosamente com amigos quem sabe um churrasquinho sem ser metido a entendedor de normas, regulamentos e o escambal. Epa! Estou polemizando? Cruz credo. Fico no meu canto, tem gente sabida demais aqui e na EB. Um dia desses me processam, pois estão escolados nisso. Fico no meu canto, olho para os lados. Sorrio... Epa o velho escoteiro não tem e nunca teve papas na língua. Que a EB se dane, que meu escotismo de BP permaneça para sempre no meu coração.

Nota – Entro em uma discussão que não devia entrar. Um publica, torce meus brios, dou meus pitacos e lá vem a replica, a tréplica e a quadritéplica. E não para. São dois três quatro talvez. Meu “zizito” enche. Sei que cada um tem seus pendores, seus amores e seus créditos. Mudar? Não vai dar. Pau que nasce torto não tem jeito, morre torto. Como diz o letrado? Tudo não é mais que uma conjunção de fatores, de aceitar e não discutir. – Bah! Não é minha praia.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Gente amiga do Escotismo! Eu vi!



Gente amiga do Escotismo! Eu vi!

- Gente amiga do Escotismo, eu vi... Vi com esses olhos que a terra há de comer. Eu vi chefes que um dia tirei o chapéu. João Ribeiro, Benjamim Sodré, Floriano de Paula, Darcy Malta, Guido Mondin, Sauro Bartolomei e tantos outros. Me orgulho deles. Não chego nem perto do conhecimento que eles tiveram. Talvez tenha feito um escotismo diferente, liberto, criando aventuras e voando nas asas da imaginação, mas não pude falar ao Brasil... Eles sim!

- Verdade! Eu vi... Palavra de Escoteiro se é que ela ainda vale. Vi gente nas grandes corporações, nas lideranças religiosas, no alto clero educacional, na Corte Suprema, no tão desacreditado congresso e até mesmo no alto poder da presidência do Brasil. Saudades de José de Alencar e Itamar Franco Do Guido Mondin, todos dizendo dos valores do escotismo e do orgulho em ter participado e ainda guardavam boas lembranças.

- Gente eu vi! Garbosos escoteiros desfilando pela pátria, pelo seu grupo, pela sua região e até mesmo pela União dos Escoteiros do Brasil. Belas tropas, valorosas patrulhas com suas carretinhas, ou com seus bastões alçados com sacos de tralhas escoteiras indo acampar. Eu vi com esses olhos que a terra há de comer, escoteiros hasteando ou arvorando uma bandeira nos picos nas montanhas, nas pradarias, dando sorrisos e cantando belas canções.

- Hoje gente amiga eu também vi. Chefes, tantos que dizem termos um para cada quatro escoteiros. Formidável! Agora seguir a pista de BP será fácil para chegarmos ao ponto de reunião. Agora temos chefes que se igualam a Sócrates, Jean-Jacques Rousseau, Friedrich Nietzsche, Platão Aristóteles, e porque não dizer a Baden-Powell e tantos mais. Não são tantos, pois temos outros mais humildes que se comprazem em seguir a trilha que estes novos pensadores colocaram no caminho de BP acreditando que podem atingir o Caminho para o sucesso.

- Gente eu vi, gente boa escoteirando, mas vejo também os lideres que chamam de Pai Ganso, que sabe aonde vai e nas suas pisadas vai seguindo o filho atrás. Marcha soldado cabeça de papel, se não marchar direito vai direto para... E nas ondas dos escreventes, dos sorridentes, lá no Olimpo, tente dialogar, não vai dar, não está no programa. Gente eu vi o programa, sem duvidar tenho duvidas se a nação vai reconhecer se o resultado foi o melhor.

- Gente eu vi e ouvi me chamarem de presunçoso, de atrasado, aquele que só sabe fazer nó... E eu fazia, e olhe mais de quatro dezenas. De cabeça para baixo, pendurado com uma mão no galho e outro fazendo nó. Isso vale? Necas meu Chefe, não vale disse um pedagogo. Vale entender como funciona a Célula-Tronco. Vale ser um az em filosofia, em pedagogia, e eu? Um bobo da corte que só sabia Pioneirar e mais nada. E minha contribuição?

- Gente eu vi e vejo que ser grandão, ser da corte e da casta dos nobres, ter nova roupagem e vestir como quiser desde que um primata atual colocou nas lides do Pêôerre, e então a mundana classe escoteira seguiu sem tirar nem uma vírgula sequer. Gente, eu vi, conchavos, vi delatores, vi abraços, vi aproveitadores, eu vi demais... Condenam-me por ser um Arsène Lupin um ladrão de Casaca hoje transformado em ladrão das ideias de BP.

- Gente eu vi, a sociedade do Brasil não conseguir ver os meninos escoteiros através dos muros os meninos heróis, com seus fardamentos fantásticos todos sem saber que houve um passado uma memória que tentam a todo custo apagar. Chamam isto de padrões da modernidade. Gente eu vi nas paginas da mídia impressa falada e televisada, nada que foi abençoado por grandes empresas pedindo emprestado seu nome para falar de seus produtos, mas sempre mantendo o padrão do escotismo de BP.

- Gente eu vi, não queria ver. Discussões inúteis nas plateias escoteiras onde dirigentes ditam as leis, fazem conchavos, programas prontos sem poder mudar. Através de imensuráveis normas onde não existem mais consulta, pesquisa, sem nem dar bola a essa malta que todo sábado se sacrifica para ajudar, lá estão eles os fariseus os escribas de plantão se jactando nas redes do poder, viajando, gastando fazendo de tudo um meio prolifero de conseguir mais e mais... Enriquecendo aqueles que se esqueceram da palavra servir.

- Gente eu vi... E não queria ver. Afasto-me de discussões estéreis. Discutir com alguns que nem saber onde está o cavalheirismo, a cortesia, a lealdade, a palavra chave ser irmão de todos e dos demais escoteiros. Demais? Onde? Só vale dentro da Associação? Chega, desculpem, não quero mais ver. Melhor seguir o cego e se um dia cair na ribanceira bem feito. Como disse o profeta: - Ser livre, fazer o que quer livre arbítrio para decidir. Vamos aguardar e ver se eu vi, não sei!

Nota – Gente, eu vi e não queria ver. Dizer mais o que? Tem reciprocidade, tem replica e treplica? Aonde eu quero chegar? Não sei, um dia acreditei nas palavras de BP que sempre disse que tenho que tomar cuidado com o Cucu humano, O Cuco-humano é geralmente uma espécie de gente superior que, numa questão, só vê o lado que lhe interessa e o de mais ninguém. Melhor é escrever o nosso mui amado John Thurman: OS ÚNICOS CAPAZES E POSSÍVEIS DE PÔR O ESCOTISMO A PERDER SÃO OS PRÓPRIOS CHEFES E DIRIGENTES.  Sempre Alerta!    

terça-feira, 15 de maio de 2018

Conversa ao Pé do Fogo. Você sabe fazer previsão de tempo no acampamento?



Conversa ao Pé do Fogo.
Você sabe fazer previsão de tempo no acampamento?

                 Hoje poucos ainda fazem previsão do tempo. Nas mídias e no celular tem sempre o homem ou a mulher do tempo para explicarem tim, tim, por tim, tim. Lembro-me quando escoteiro sempre sabíamos nos virar com o tempo. Era gostoso improvisar para saber se ia chover ou não, quanto tempo ia durar. Muitas frases nos ajudavam. Eu me lembro de algumas. Do livro do Chefe Floriano de Paula “Para ser Escoteiro”. Não sei se temos literatura escoteira nos ensinando como se prevenir. Passei boa parte do tempo lembrando-se de algumas. Divido com vocês afinal escoteiro que é Escoteiro não se aperta. Boa leitura mesmo que já conhece todas!

- Vermelho nascente que pronto descora, tempo de chuva que está prá demora.
- Vermelha alvorada vem mal-encarada.
- Vermelho ao sol por, delicia do pastor.
- Orvalho de madrugada, faz cantar a passarada.
- Vento contra a corrente levanta mar imediatamente
- Vento sudoeste mansinho e panga é de tremer dele, quando se zanga.
- Volta direita, vem satisfeita, volta de cão traz furacão.
- Sol nascente desfigurado, no Inverno, frio, no Verão, molhado.
- Sol que nasce em nuvens sentado, não vás ao mar fica deitado.
- Sol posto ledo, com claro ao norte, andar sem medo que estás com sorte.
- Se grandes, correm desmanteladas, mau tempo, velas rizadas.
- Se à tarde vem, é prá teu bem.
- Se um trovão seco no céu reboa, temporal violento nos apregoa.
- Se no vale a névoa baixar, vai para o mar, se pelos montes se atrasa fica em casa.
- Se entra por terra a gaivota, é que o temporal a enxota.
- Se tens chuva e depois vento, põe-te em guarda e toma tento.
- Se tens vento e depois água, deixa andar que não faz mágoa.
- Sem nuvens no céu e estrelas sem brilho, verás que a tormenta te põe num sarilho.
- Se um dia Deus querer, até com norte pode chover.
- Céu pedrento, chuva ou vento, não tem assento.
- Chuva miudinha como farinha dá vento do norte, mas não muito forte.
- Com céu azul carregado, teremos o barco em vento afogado.
- Castelos de nuvens sem nuvens por cima são chuvadas certas mesmo sem rimas.
- Céu limpo e lua no horizonte, de lá virá o vento.
- Está a chover e fazer sol e a raposa a encher o fole.
- Depois de chuva, nevoeiro, tens bom tempo marinheiro.
- Lua à tardinha com seu anel, dá chuva à noite ou vento a granel.
- Lua com halo de grande aparato é molha certa prá gente de quarto.
- Lua com circo,  água traz no bico.
- Lua nova trovejada, trinta dias é molhada.
- Lua nova trovejada, oito dias é molhada. Se ainda continua, é molhada toda a lua.
- Lua empinada, maré repontada.
- Lua deitada marinheiro em pé.
- Limpo horizonte que relampeja em dia sereno, calma sobeja.
- Lua nova de Agosto carregou, lua nova de Outubro trovejou.
- Lua Nova, Lua Cheia preia Mar às duas e meia.
- Lua fora, lua posta  quarto de maré na costa.
- Nuvens aos pares, paradas, cor de cobre, é temporal que se descobre.
- Nuvem comprida que se desfia sinal de grande ventania.
- Nuvens finas, sem ligação, bom tempo, brisas de feição.
- Nuvens espessas e acumuladas, ventanias certas e continuadas.
- Nuvens pequenas, altas e escuras são chuvas certas e seguras.
- Nordeste molhado, não te dê cuidado.

                  E quem precisa ligar a TV para saber do tempo? Bah! Escoteiro não se aperta. Até mais e Sempre Alerta!

Nota – Previsão de tempo? Escoteiro não se aperta. Ele sabe quando e onde vai chover. Olha prú céu, sorri e diz para si mesmo, a mim não vais pegar! Mas se ela vier ele está preparado. Já sabe quanto tempo vai durar. Quantas vezes uma formiguinha me ensinou que era hora de fechar as barracas, “plainar” no lenheiro e tirar as capas, pois um temporal ia cair. Se ainda não conhece, estas quadrinhas de previsões de tempo costumam nos pregar peças, mas são boas demais! Risos.

sábado, 12 de maio de 2018

Sábado, dia de reunião dos escoteiros. Hoje tem reunião, alegria de montão!



Sábado, dia de reunião dos escoteiros.
Hoje tem reunião, alegria de montão!

- Hoje é sábado dia de reunião dos escoteiros. Uns pela manhã outros a tarde e outros no domingo. Dia de abraçar, de dizer melhor possível ou sempre alerta, ou quem sabe Servir! Dia de jogar, de cantar de aprender de viver com amigos dia gostoso para escoteirar.

- Alguns vão para o campo, monitores com seus bastões sacolejantes nas estradas vicinais respirando um ar diferente da cidade. Outros vão para as praças, brincar de roda, de esticar cordas, de subir e descer em cordas de sinais, de bussola, de bandeirolas jogando palavras pelo ar.

- Pequerruchos meninas e meninos de azuis, belos sorrisos a gritar “Lobo”. A se reunir na Pedra do Conselho, todos querendo levar o Bastão Totem, relembrar seus tempos de promessa, aqueles que tiveram a primeira e a segunda estrela, aqueles que chegaram lá com seu cruzeiro do sul.

- E os voluntários? Correm para terminar os afazeres em casa, hora de escoteirar. Maninho se apresse Nonô, vista logo o uniforme, não vamos chegar atrasado, pois hoje vamos lobear, papear de aprender também como ser um irmão mais velho desta juventude que precisa aprender a ter palavra, não dizem que o lobinho diz sempre a verdade? Que ele pensa primeiro nos outros? Que ele é alegre e tem o coração cheio de amor?

- Aqui da minha salinha mágica, sem poder estar com vocês, envio minhas saudações, passei por isso e sei como é. Insistam meus jovens amigos e não desistam. Muitas vezes as pedras no caminho precisam ser contornadas para logo a seguir em uma curva da estrada aparecer uma bela flor!

E chega por hoje, vamos lobear, vamos escoteirar, será que se pode dizer seniorar e Pioneirar? Sei lá, mas a todos desejo uma feliz e uma supimpa reunião!

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Conversa ao pé do fogo. A origem do chapéu Escoteiro.



Conversa ao pé do fogo.
A origem do chapéu Escoteiro.

                      Em nosso país o Chapéu de Abas Largas, vulgo chapelão escoteiro era inconfundível para identificar um escoteiro. Era uma das peças do uniforme que mais caracterizaram o escoteiro. Todos conheciam o famoso chapéu de feltro de abas largas e cor marrom da Prada. Soube que os chapéus da marca Stetson inglês ainda correm mundo no uso pelos escoteiros. Pelo que vejo aos poucos ele volta à moda, mas sem o caráter de obrigação. Soube que nas lojas escoteiras já são ofertados. Não sei se os preços são acessíveis. 

                         Sua história e como ele passou a fazer parte do escotismo mundial poucos conhecem. Inicialmente o chapelão foi conhecido como chapéu "Stetson" em alusão a empresa americana que o fabricava, a John B. Stetson Company. Originalmente o chapéu foi desenvolvido para ser utilizado pelos vaqueiros das pradarias da América do Norte por ser de material leve, o feltro e ter um desenho que protegia completamente o rosto dos vaqueiros devido as suas abas largas.

                      Durante a guerra Anglo/Böer, regimentos de várias colônias foram mobilizados para defender os interesses do império britânico na África do Sul. O Canadá, que já empregava o chapelão no seu exército, enviou seus soldados para a guerra. A exceção do primeiro contingente que utilizou capacetes, o chapéu "Stetson" foi empregado em todas as unidades canadenses enviadas à África do Sul. Baden-Powell ao observar a artilharia de campo canadense em Mafeking, ficou bastante impressionado com seus chapéus.

                    Como B-P era encarregado de criar a polícia sul-africana, encomendou à empresa americana 10 mil chapéus para equipar aquela polícia. O agrado de Baden-Powell pelo chapelão foi tamanho que anos mais tarde ele o adotou no Movimento Escoteiro. A fama que o chapelão alcançou depois da guerra foi tão grande que vários exércitos passaram a utilizá-lo. O chapelão ainda é muito utilizado hoje em dia por forças policiais no mundo inteiro e na famosa Polícia Montada Canadense, mas é no escotismo que ele continua sendo marca até hoje como imagem e característica.

                  O chapelão escoteiro tem uma maneira muito própria de ser usado. Ao contrário do chapéu a cowboy, o chapéu escoteiro se usa com a correia justa e presa atrás da nuca. Nessa correia é feito um nó de pescador ou de cabeça de cotovia, que fica em cima da aba do chapéu, à frente. Esta correia é ajustável, bastando deslizar os dois nós simples que compõem o nó de pescador, afastando-os ou aproximando-os. Uma insígnia metálica de escotismo, mundial ou não, deve ser usada do lado esquerdo do chapéu, afixada no fecho da correia que rodeia a copa.

                  O chapelão escoteiro tem quatro amolgaduras bem definidas, como usava Baden-Powell, uma à frente, outra atrás e uma de cada lado. Outras origens são contadas de maneiras quase idênticas. Ele em sua época logo após aparecer os primeiros Escoteiros na Inglaterra era também conhecido como “Chapéu Scout” – Aliás, "Chapéu de Baden-Powell" – ou ainda em linguagem mais corrente "Chapéu de Quatro pontas" ou ainda... "quatro dobras".

                  Tem como origem e confecção bem conhecida dos ex-Cowboys, hoje os “cattlemen” (homens do gado), sobre o nome de “Moutain Peak” pela sua semelhança com as montanhas daquele estado americano... Foi escolhido pelo General Robert Baden-Powell para cobrir as cabeças dos garotos reunidos no “Mafeking Cadete Corps” e depois atribuídos aos “South African Constabulary”, criado igualmente por Baden-Powell e escolhidos por “Southern District Scouts” em 1907.

                        Conta-se que o General Baden-Powell por ter sido tornado “Chefe Scout”, (Escoteiro Chefe Mundial) fez dele uma parte importante no uniforme escoteiro. A forma deste chapéu assemelha-se ao do contingente da New Zelândia, os futuros kiwis da Grande Guerra e do contingente canadiano de muito célebre “North-West Mounted Police” (Policia Montada do Canadá) futura R.C. M\P ou Polícia Montada Real do Canadá. Estas três sábias considerações não impedirão ninguém a reconhecer este elegante CHAPÉU como: O Chapéu Scout para todo o sempre ligado a um MOVIMENTO DE JUVENTUDE MUNDIAL nascido da imaginação de um general um pouco que seja observador e malicioso.

                       O Chapéu Scout cai em desuso em 1940 na França com a regulamentação do Escotismo Francês e que neste momento, predomina a boina. Tinha por assim dizer, desaparecido nos anos de 1970 os raros grupos que o usam ainda, como o de Riamont, deviam adquiri-los na Bélgica. Os Scout’s d’Europe não o tinham e pouco usavam. Era pelo desenvolvimento dos Scouts Unitários de França (e a vontade dos rapazes...) que ele ressurge a partir de 1945 em muitos países. As Guias de França usam um chapéu sem dobras, azul marinho.

                      No Brasil ele foi sobejamente usado por muitos anos e por um preço acessível fabricando pela Prada. Infelizmente esta fabrica pelo volume pequeno de vendas deixou de fabricá-lo. Assim devido a dificuldades de aquisição e também desinteresse das lojas Escoteiras em não o ter em estoque, foi aos poucos substituído pelo Boné o que na visão deste Velho Escoteiro não tem muito de Escoteiro. Risos.

 (Nota – (Um) - Disseram-me que já existe nas Lojas Escoteiras. Não sei o valor. (Dois) A Canção “O meu chapéu tem três Pontas” foi muito cantada no passado fazendo gestos com os braços, tirando o chapéu fazendo uma curvatura e continuar cantando saltado um estribilho. O meu chapéu tem três pontas, tem três pontas o meu chapéu. Se não tivesse três pontas, não seria o meu chapéu. Para os que não conhecem veja o site: