HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Nem tudo é o que parece.


Maior que a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!

Nem tudo é o que parece.

                Voces sabem que eu amo o escotismo. Aqui escrevo de maneira alegre, direta e honesta. Honesta no meu modo de ser. De vez em quando publico artigos que não agradam a todos. Claro, agradar todo mundo nem Jesus Cristo quando veio a terra conseguiu. Até hoje muitos que procuram portas diferentes pensam que ele nos indicou a porta certa. Também no escotismo temos o péssimo habito de prejulgar tudo antes mesmo de ter uma visão completa dos fatos. E o puritanismo? Minha nossa! Mas que falso puritanismo é esse? Ou será que não é falso e sim real?
                Quando falo em uniforme aparecem tantos a defenderem nossos dirigentes que até me orgulho da disciplina Escoteira. De olhos fechados. Lembro-me da brincadeira de seguir o Chefe. Eles têm sempre razão. Existem explicações para tudo. E isto é bom. Democracia sem reciprocidade. Lá de cima não vem nada em troca. Ninguém pergunta o porquê, como, quando e onde. Que venham às noticias, que venham as determinações. Só aplausos. Ora, por quê? Não pode haver quem discorde? O que? Temos os órgãos necessários para isto? Você já aprofundou neles para ter voz e voto? Você por acaso conseguiu colocar ideias que achou válidas ao escotismo como um todo?
                Já repisei aqui inúmeras vezes. A célula mais importante no movimento Escoteiro é o Grupo Escoteiro. Mas que importância ele tem? Hoje nas decisões nenhuma. Os adultos participantes podem participar de uma Assembleia regional. Mas nem todos têm direito a voz e voto. Ou quem sabe a voz sim, mas quando? Peça a palavra para ver quando irão prestar atenção a você e claro desde que a palavra lhe seja dada. Tente nesta assembleia apresentar sugestões. Dificilmente serão discutidas. Claro a não ser que você seja um autêntico líder, daqueles que se saem bem em publico, que arrebata multidões com sua voz. Risos.
                Às vezes eu me sinto como aquele Escoteiro que luta só.  Muitos falam o que pensam, mas sempre com receio de admoestações. E quantos casos assim aconteceram? Milhares! Tenho dados sobre isto. Ou um Diretor Técnico que ameaça ou um distrital, ou alguém da regional e até da nacional. Já sabem agora o Conselho de Ética atua e tem respaldo. Suas normas foram apresentadas a todos. É como se dissesse – Fale e eu te enquadro.
                Então, onde está o direito de discordar? Onde? Nas assembleias? Já soube de casos em que houve julgamentos neste conselho de ética onde o acusado nem ficou sabendo. Isto é democrático? Não existe direito de defesa? Se o acusado um dia procurar um profissional da área para defendê-lo então se prepare. Será para sempre um pária (indivíduo excluído da sociedade, marginal) Mas ainda não chegamos a tanto, ou será que chegamos? Não vou entrar no mérito, mas conheço muitos casos.
                Gostamos tanto do escotismo que muitas vezes fechamos os olhos em nome de uma disciplina, de uma lei, de uma promessa. Mas é claro, o sabor de participar do movimento está lá junto aos jovens. São ela a razão de ser do movimento Escoteiro. E isto sempre alguns me lembram. Sempre falam para mim que é com eles que devemos preocupar. Acho interessante isto. O quem fazer no escotismo? Não foi para tentar ter o maior número de jovens possíveis para que a nação pudesse se orgulhar dos homens quem foram escoteiros que estou até hoje? Ou foi só para admoestar os nossos dirigentes no que fazem?
                Os que acompanham meus artigos, minhas histórias, minhas fábulas acho que já tem uma ideia do que penso. Nos jovens. Na sua luta para serem escoteiros. Nos seus sonhos para ter os mesmos direitos que os outros. Para que possam ser puro nos seus pensamentos, nas suas palavras e ações, para que possam acampar, excursionar, ir aonde tantos vão, mas que só poucos terão o prazer de ir.
                 Estes puritanos que tanto criticam algumas fotos, charges ou desenhos que publico e são muito poucos com a intenção de divertir, que me perdoem afinal o Escotista não é humano? Ele tem de ter uma aparência austera, rígida e se mostrar severo com tudo? Será que não olharam em volta de sí mesmo? Tantos que não prestam atenção e nem mostram ser puritanos com vários jovens cujas frases muitas vezes estão cheias de palavrões?  Será que estão prestando atenção no que acontece com moças e rapazes em acampamentos ou mesmo reunião de sede? Será que muitos que estão no grupo ou distrito, estão no lugar certo? Podem-me dizer que existe seleção e maneira de saber se o voluntário pode ou não participar. Mas sabem que na maioria dos grupos isto não acontece.  
                 Ver os erros de outros, sentir na pele o que fazem e dizem eu até posso acreditar que alguns assim procedem, mas as providencias? As atitudes? Procuraram as autoridades responsáveis ou então preferem dizer - Tenho que me preocupar com meus meninos. Eles são a razão de tudo para eu estar aqui. Isto é bom. Uma parte feita e outra por fazer. Infelizmente não aceitamos que também somos responsáveis. E isto inclui toda a cúpula Escoteira. Desde a do grupo até a da UEB. O que Rui Barbosa escreveu um dia eu não vou me esconder atrás de suas palavras. Ele disse que sentia vergonha por ter sido educador, por ter batalhado sempre pela justiça, por primar pela verdade e agora via que muitos enveredavam pelo caminho da desonra.
                O medo não faz parte dos fortes. Eles sempre lutam pelo seu ideal. Nossos dirigentes não podem pensar que os que não pensam como eles devem ser punidos ou banidos. Ou você acredita e luta ou então será sempre um conformado com tudo acreditando que este é o caminho para o sucesso. Muitos viveram o presente o que o escotismo lhes mostrou. Desconhecem o passado suas tradições e outros não dão valor. Acreditam que as mudanças são válidas e que a modernidade assim o diz. Nada comprova que este é o caminho certo. Também não afirmo que mudanças não são válidas, mas o escotismo foi criado por Baden Powell (BP) com métodos próprios. Falar em nome dele que se fosse hoje pensaria de modo diferente é em minha opinião uma falsa ideia da verdade. Todo o contexto que eles nos legou foi deixado para trás na década de 90. Portanto dizer que agora não vai dar certo é assoberbar como dono da verdade de alguma coisa que não aconteceu.
                Não afirmo que o escotismo não pode crescer, não pode se afirmar com todas as mudanças que estão acontecendo. Só tenho receio de que cada um que assumir uma posição de direção irá pensar de maneira diferente e novas mudanças irão sempre acontecer. Tudo que é bom deve ser colocado em prática, mas o que muitas vezes é bom para mim não é para os outros. Alguém já comentou que as alterações no programa e no uniforme fizeram muitos abandonar o escotismo. Como não temos uma pesquisa confiável fica o dito pelo não dito. Mas que todos saibam, a evasão é enorme. Muito grande. Se estão saindo é porque encontram programas melhores fora do escotismo.
               Willian Allen White um filósofo disse que não devemos ter medo do amanhã porque já vimos o passado e amamos o dia de hoje. Eu vivi o escotismo por mais de 65 anos. Hoje não posso mais estar presente, mas se pudesse iria provar para mim e para todos que o escotismo que a maneira que BP planejou daria certo. O sistema de patrulhas, aprender a fazer fazendo, o rapaz e a moça responsável pela sua educação e centenas de atividades ao ar livre da maneira gostosa de Gilwell iria mudaria a maneira de pensar do jovem. Tenho certeza que em seus sonhos ele ainda sonha em ser um herói. Quem sabe um herói da floresta, um herói explorador um Indiana Jones a procurar os mais belos tesouros nos mais recônditos rincões desta nossa bela terra.
               Mas isto são sonhos. Não penso que nossos dirigente faram alguma coisa. Os que podem decidir já disse se calam. Tem até alguns que preferem se manter no anonimato para se expressarem sobre escotismo. Deixar como estar para ver como fica? Disseram-me uma vez que o medo derrota mais pessoas que qualquer coisa no mundo. Ousar e ir contra é fortalecer os que se acreditam fortes com ameaças de punição, Conselhos de Ética, e admoestações que não condiz com quem fala que o Escoteiro é cortes, amigo de todos e irmão dos demais. E eu que um dia achei que o escotismo é quem precisa de mim e não o contrário.
                 Mas como dizem todos, nem tudo que parece é. Os caminhos são muitos e a luta também, mas poucos acreditam nisto. Preferem o caminho mais fácil da obediência plena esquecendo que seguir o cego ele pode cair no buraco mais rápido do que pensa. Em um artigo meu escrevi, disse que gostaria de estar aqui para ver o que vai acontecer daqui a dez ou vinte anos. Se os resultados fossem ótimos, se neste prazo conseguíssemos atingir pelo menos 500.000 membros, se a evasão não chegasse a dez por cento, eu os abraçaria, daria os parabéns e ia dizer: - fui um tolo em ser contra. Voces é que estavam certos. Mas se por acaso nada mudasse, se o crescimento fosse uma ilusão, onde a evasão continuaria e se estivessem mudando os novos programas então eu não diria nada. Apenas lamentaria. Quem sabe sentaria na minha varanda e iria prantear ou lastimar o caminho que tomaram. Mas este não é o meu caso. Não estarei mais aqui para ver.

"Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com freqüência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar."
(William Shakespeare)