HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sábado, 22 de março de 2014

“Liberdade ainda que tardia”


Crônicas de um Chefe Escoteiro.
“Liberdade ainda que tardia”

Quando tudo nos parece dar errado
Acontecem coisas boas
Que não teriam acontecido
Se tudo tivesse dado certo.

          Quantos anos? Muitos penso eu. Levei muitos anos pensando que o escotismo seria a fonte da formação da juventude em todos os rincões do país. Onde ele seria reconhecido como um excelente meio de educação extraescolar e que todos teriam por ele um reconhecimento como é visto em muitas nações mais avançadas. Avançamos tropegamente e sem até agora termos resultados satisfatórios. Podem dizer que sim, afinal é um direito de cada um pensar assim. Mas democracia? Não temos. Onde está a democracia em que menos de 0,5% votam? Onde a representatividade praticamente não existe? Exceto o Grupo Escoteiro célula mater do escotismo os demais órgãos vão diminuindo esta representativa em nome de que os eleitos são nossos representantes. Se todos votassem nestes candidatos ainda vá lá, mas não é o que acontece.

          Sempre recebo e-mails, comentários em OF ou em ON de chefes, diretores, jovens Escoteiros e escoteiras sobre o que acontece em seus grupos, sobre o que pensam de seus chefes, de seu distrito e região. Se eles falam comigo é porque são cerceados se dirigem aos outros acima dele ou então são repelidos como errados em suas preposições. Hoje tirei o dia para citar Fernando Henrique Cardoso. Sei que muitos não gostam dele, mas tem umas frases ótimas. Veja essa – (alterei) – Como eu, como você e todos nós, acho que a UEB precisa se perguntar: - Será que sou tão bom como estou dizendo que sou? Não digo que em todos os órgãos Escoteiros eles se consideram o máximo, se consideram os donos da verdade e tem até alguns que alardeiam que estão ali porque foram eleitos. Jovens me escrevem sobre a intransigência de seus chefes, que não aceitam e nem pedem opiniões. Adultos me escrevem para dizer que seu grupo é um feudo de um ou dois, e que ou se faz como a liderança quer ou vá procurar outro grupo.

          Veja, se você discorda da UEB tem vários para censurá-lo. Sei que é um direito, mas não podemos nos manifestar? Um grupo, aquele que existe de fato, que tem as bases do escotismo em funcionamento não pode votar e ser votado? Ora, ora não me digam que sim que os estatutos permitem. 0,5% significa o que? Dou risadas do FHC – Chega dessa republica do nhem-nhem-nhem! Sempre me senti marginalizado por não concordar com o andar da carruagem. E como eles se sentem os donos da verdade, conversam alguns de maneira grosseira e tem alguns que só sabem citar os artigos dos Estatutos como se ele tivesse sido feito com um trabalho de varias mãos em todos os órgãos Escoteiros. Uma jovem se insurgiu contra a maneira com que mudaram o uniforme. Resolveram chamá-lo de vestimenta. Lastimável. Foi cerceado de todo o jeito e até tentaram de todos as maneiras mostrar que eles, os donos do poder estavam certos. Volto a FHC – Não pode haver preconceito contra quem sabe. Saber não é errado. Nem a UEB e seus diretores são acrobatas de circo para fazer piruetas, receber aplausos e desaparecer nos bastidores.

      Ainda FHC – Ser realista implica também reconhecer o inexplicável, o que surge, o de repente. É preciso saber adaptar a isso. E ele termina (estou alterando) É preciso uma pitada de candomblé para poder entender essa imensa UEB! Se ser oposição significa ser contra a ordem social existente, e os que tem afinidade a favor, a democracia é sem duvida uma corrente de esquerda. Utópico? Talvez. Mas sem utopia ninguém muda o mundo e a UEB precisa ser mudada. Ela tem de existir. Insisto sempre no que Aldous Huxley escreveu:

“Uma organização não é consciente nem viva”. Seu valor é instrumental e derivado. Não é boa em si; É boa apenas na medida em que promoveu o bem dos indivíduos que são partes do todo. Dar primazia às organizações sobre as pessoas é subordinar os fins aos meios. Tudo estaria a salvo se toda a população fosse capaz de ler e se permitisse que toda espécie de opiniões fosse dirigida aos homens, pela palavra ou pela escrita, e se pelo voto, os homens pudessem eleger um legislativo que representasse às opiniões que tivessem adotado.

E porque não citar Baden-Powell nosso fundador a quem devemos seguir, pois não somos os donos e nem os idealizadores do escotismo. Ele foi enfático em suas palavras e não há como discordar, claro pensando que devemos ter uma democracia transparente onde todos possam votar e ser votado (não como hoje).

“A maior ameaça a uma democracia é o homem que não quer pensar pôr si mesmo e não quer aprender a pensar logicamente em linha reta, tal como aprendeu a andar em linha reta”. A democracia pode salvar o mundo, porém jamais será salva enquanto os preguiçosos mentais não forem salvos de si mesmos.
Eles não querem pensar, desejam apenas ir para frente, seguindo a ponta do nariz através da vida. E geralmente, estes, alguém os guia puxando-os pelo nariz!
- Saia da sua estreita rotina se quer alargar sua mente.

       Democracia e transparência? Quem sabe um dia. (“finalizo com FHC) - Vou terminar usando as palavras que ouvi de Handel, que são palavras mais belas que se pode ouvir – E cito Handel – ALELUIA”!