HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Um candidato a Conselheiro Nacional.


Conversa ao pé do fogo.
Um candidato a Conselheiro Nacional.

            As eleições estão chegando. Nos próximos meses a União dos Escoteiros do Brasil, Epa! Escoteiros do Brasil esconderam a União (risos) irá realizar sua Assembleia Nacional onde algumas vagas irão surgir para Conselheiro Nacional. Não vou entrar aqui no que diz os estatutos sobre isto, só posso garantir que eles representam menos de 0,2% do nosso efetivo adulto que podem votar e ser votado dentro da hierarquia Escoteira brasileira. Mas continuando, muitos chefes em vários estados se movimentam para serem os candidatos às poucas vagas que irão surgir. O CAN um órgão que determina o caminho a seguir no nosso escotismo também terá vagas abertas. Claro que os que estão saindo não irão perder esta deliciosa “boquinha” do poder. Eles sempre se arrumam em outros cargos e iguais aos “carrapatos” se aferram para nunca mais sair. Bem eles se acham capazes e como donos da verdade sem consulta vão fazendo as mudanças que acreditam.

             Em meus comentários digo sempre que ainda não vi um que dissesse que iria lutar para implantar uma norma estatutária onde todos os membros adultos no escotismo teriam direito a voz e voto. Sempre tem aqueles a dizerem que sim, mas o gargalo para chegar lá é deliciosamente uma pista onde só se encontra o Caminho a Evitar. Ontem tive a honra de receber um convite de um mineiro, Escoteiro e cruzeirense (que me desculpem os atleticanos e os americanos) sobre sua candidatura. Já notei alguns outros se movimentando aqui e ali, mas suas ideias ainda não foram disseminadas principalmente sobre a Democracia Escoteira. Eu não voto, nem mesmo tenho registro na UEB. Mas não sou ligado a nenhuma outra organização. Pelejo por um escotismo melhor, e torço pela UEB ser mais aberta, mais transparente, valorizar seus voluntários, pois exigem muito e não dão nada em troca. Será em São Paulo, mais precisamente em São Bernardo do Campo a reunião da Assembleia. Putz! R$450,00 sem comida para participar? Haja tutu. Risos. Money, real e não um tutu a mineira que adoro.

                       Na assembleia Irão discutir a “estatuinte” (mudanças no estatuto) e garantem que vão melhorar o que já é “mais maiô de bão tamanhussu e biteleza” como diz o mineiro. Não vou entrar em outra seara. Sei no entendo que ainda vamos continuar com poucos no topo da Cadeia Alimentar. Mas um Chefe novo de idade e Velho de escotismo, Paulo Henrique é um candidato a Conselheiro Nacional. Ele já foi vice-presidente do CAN e agora com novas ideias resolveu voltar. Resolvi dar a ele um voto de confiança. Lembrei-me dos meus tempos de Regional em Minas, na sua idade cheio de vontade e querendo mudar o mundo. Paulo me parece ser um Chefe leal e prestativo. Não estou em Minas para julgar seu trabalho, mas ele é assíduo aqui no Facebook sempre rodeado de amigos e o melhor, um belo sorriso o que por se só já me conquistou há muito tempo. Ele me enviou um e-mail que transcrevo “in totum” para melhor compreensão dos meus amigos e amigas.

                Se pudesse votar ele seria meu candidato, mas por mais que ele se comprometa sem uma união (que a UEB não gosta) de todos nunca teremos a verdadeira democracia que o mundo inteiro luta por ela. O direito de opinar, de sugerir, de ser consultado de votar e ser votado e de saber se os resultados são bons. Paulo Henrique me procurou. Gosto dele, de sua juventude e acredito em sua palavra. Sem desmerecer os demais candidatos, que eles saibam que meus comentários e marketing, sempre estarão abertos a todos que acharem que posso ajudar e opinar.

Prezado Chefe Osvaldo, bom dia!
Como prometido, escrevo-lhe algumas palavras acerca de minha motivação para a função que candidato-me: Conselheiro Nacional da União dos Escoteiros do Brasil.

 - Em sucintas palavras, como pediu, ratifico meu compromisso em transparência nas ações, diálogo constante com as bases, ou seja, os grupos escoteiros. 
 - Pretendo não somente manter este canal de comunicação via internet, mas utilizar dos cursos de formação, dos encontros com as bases, para sempre tornar esta possibilidade de frente a frente, olho no olho, responder perguntas e ouvir as pessoas.
Só com esta oitiva que podemos, de fato, ser o representante das bases nas decisões do Escotismo Nacional para os próximos anos.
Não sei se eleito for, se serei o único conselheiro que empenhará esta bandeira, mas tenho a convicção, e a tranquilidade que, sempre com respeito, cortesia e lealdade, sabe indagar nossa Diretoria Nacional para que as mudanças sejam sempre baseadas em resultados concretos, nada sobre base em levantamentos subjetivos. Para que assim elas tenham mais respaldo e mais aceitação de nosso público.

Sou a favor de:
- Ampliação dos nossos associados isentos que são contemplados por programas sociais.
- Que o atual Grupo de Trabalho, que hoje existe no CAN, que faz um estudo acerca das taxas das atividades escoteiras nacionais possa trabalhar e apresentar resultados. Há muito tempo não vejo notícias de resultados deste grupo, e as atividades escoteiras nacionais estão surgindo cada vez com valores bem inacessíveis para nosso público.
- Sou a favor que o CAN fortaleça e regularize a atuação do Distrito Escoteiro. Sabemos que o Distrito é o órgão institucional mais próximo aos Grupos, às necessidades de nossas bases. Hoje temos os distritos sem qualquer orientação e atuação.
- Sou a favor de uma fundamentação em nossas literaturas para adultos com processos educacionais já existentes. Se o próprio Baden Powell trocou correspondências com Montessori, Piaget. Por que não, em nossas literaturas para voluntários fazer menção aos mesmos. Assim teremos nada mais que uma valorização de nossa literatura frente a outras que tratam do tema.

Outras propostas estão em meu site, e assim, conto com o apoio do nobre chefe, que sou leitor e dos mais assíduos, em seus blogs e postagens no facebook.
Escoteiramente, fico a disposição.


                       Abraços a Paulo Henrique, mineiro, Escoteiro e cruzeirense. Dou a ele um voto de confiança. Mas lembre-se Paulo se me decepcionar pode saber que direi aonde meus escritos alcançam que sua sinceridade deixou a desejar. Vou lhe cobrar tudo isto que comprometeu aqui. Sei onde mora, onde se esconde e onde leva sua mochila quando vai acampar. “Chegarei até você em seu grupo, na Universidade que é Professor, no seu Grupo Escoteiro e quem sabe em um Fogo de Conselho por aí nestas terras montanhosas de Minas Gerais” Boa caçada Paulo!