HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Matar ou morrer!


Matar ou morrer!
Já leu? Não? Veja uma pequena parte da historia:
 - O FANTÁSTICO JOGO NOTURNO NA ILHA DO GAVIÃO NEGRO.

            Dezoito horas e quinze minutos. Sinaleiro ouviu um trovão no céu. O foguete do Chefe Nemo mais parecia um tiro de canhão. Os patrulheiros da Falcão tremeram. Dominó olhou para Sinaleiro de olhos arregalados. – Calma Dominó é só um jogo. Lembre-se você é um falcão sabe o que fazer! Olhou para os outros e disse – Logo que entrarmos na mata já sabem, não podemos andar juntos, pelo menos dois ou cinco metros um dos outros – Não se esqueçam de fechar os olhos por dois minutos e quando abrir tentar adaptá-lo a escuridão. Em pouco tempo terão condição de ver próximo a vocês, pois mais distantes será impossível. Já falamos tudo que tínhamos de falar agora é matar e não morrer. – Sinaleiro riu baixinho. Sabia que seria uma barra chegar até ao Forte. Eram mais de quatro quilômetros. Ele estava com o mapa que indicava o rumo. Andaram por cinquenta metros e a trilha sumiu no meio da mata. Amarrou a bússola em seu pescoço. Treinaram durantes dias uma senha imitando um Sabiá Laranjeira. Duzentos metros mata adentro ele notou que não havia sons na mata. Nada. Nenhum som.

          Corredor se orgulhava de sua patrulha. Durante semanas treinaram o grito do bugio com perfeição. Agora ali na mata escura e com a camuflagem que escolheram Corredor não sentia medo. Sentia orgulho de sua patrulha. Sempre foram muito unidos. O passado deles contavam histórias fantásticas de união. Ninguém reclamou quando entraram na mata e a escuridão os pegou em cheio. Mal dava para ver a frente. Montanha parecia dominar a escuridão. Olhava e olhava novamente. Ele disse a si mesmo que mataria mais de dez. Jurou que seria o campeão. Quase todos eram peritos em andar em matas. À noite não, pois só uma vez fizeram isto por pouco tempo. Ficaram cinco dias treinando como rastejar em florestas. Ele sabia que poderiam perder, mas seria páreo duro. Deram uma parada. Corredor só ouvia a sua respiração. E a mata? Ela não respondia? Porque este silêncio? Aqui não têm animais e pássaros?

              Professor olhou com carinho para o Pequeno Polegar. Ele fingia que não tinha medo, mas Professor sabia que ele estava tremendo. Fique ao meu lado disse. Era um Escoteiro de pouco tempo. Um ano acho eu. Era pequeno, não devia ter mais de um metro e quarenta. Parecia um lobinho, mas já estava entrando nos doze anos. Fora Lobinho Cruzeiro do Sul e chorou muito quando passou para a tropa. Mas quem não chorou? Professor conseguiu que sua tia fizesse oito toucas ninjas negra. Ficaram ótimas. Dava para impressionar principalmente à noite. Ele fez o possível para treinar os patrulheiros da Lobo Cinzento. Foram à noite por duas vezes na mata do Roncador. Claro foi por pouco tempo. Esqueceu-se de treinar com eles uma senha, mas sabia que sempre estariam por perto se fizesse algum sinal. Sinal no escuro? Sabia que faltava pouco para começar a matança. Matança? Isto não o preocupava, achava interessante isto sim que a floresta não emitia nenhum barulho, nada um silêncio mortal parecia viver dentro dela.

            Dentuço falou baixinho no ouvido de Centeralfo. – Acho que estamos ficando distantes um do outro, isto poderá fazer a patrulha se dispensar e sumir na escuridão da mata. – Você tem razão Dentuço, vá próximo de cada um e fale baixinho para chegarem mais perto. Os patrulheiros da Patrulha Quati eram na maioria fortes, altura normal, mas bem maiores que os outros Escoteiros das demais patrulhas. Centeralfo não sabia se seria uma vantagem ou desvantagem. O pior é que todos eles achavam que seriam os vencedores. Nos jogos de Scalp que fizeram sempre ganharam o troféu eficiência. Centeralfo era um observador perfeito. Muitas vezes chegou próximo a um quati e um tatu sem que estes percebessem sua presença. Por isto ficou de olhos abertos quando notou que a floresta estava calada. Por quê? Pensou. Olhou para cima, para os lados, com dizem os lobinhos abriu os olhos e os ouvidos e não ouvia nada. O único som que ouviu foi de um estalo de um galho que alguém da patrulha pisou.

               Chefe Nemo, Chefe Euclides, Goiabada e Calango os seniiores estavam calados. Não cochilaram um só instante. Sentados um ao lado do outro e encostados na pedra onde montaram seu staff eles observavam a floresta. – Diabos pensava Chefe Euclides, que coisa esquisita! A mata não fala? Era mesmo de assustar. Não ascenderam lampiões nada. Estava no programa acender as cinco tochas só a partir das três da manhã. Ainda era cedo, o relógio marcava uma meia. Chefe Nemo não gostava do que estava acontecendo. - Jogo é jogado e lambari é pescado pensava. Sentia algum fantasmagórico no jogo. Almas do outro mundo dizem não gostam de ser incomodadas. Mas a ilha eram delas? Não viram nada de errado com a ilha quando prepararam o jogo por mais de três meses. Sentiam que a mata era alegre e seus pássaros cantavam sozinhos ou em bandos por cima das árvores. Ouviram um estalo. Outro e parou. Goiabada o Sênior levantou e pegou um bastão, pois sabia que almas do outro mundo poderiam aparecer. Se fosse o Senhor Lúcifer e ele não quisesse conversar ele estaria preparado. Sempre foi bom no jogo do Quebra-pau. Calango o outro senior olhou para cima e assustou. Um enorme Gavião Negro voava nos céus. Mesmo com a noite em completa escuridão as estrelas mostravam com pouca luminosidade um vulto que àquela hora da madrugada resolveu dar as caras.

              Trinta Escoteiros avançavam cautelosamente naquela floresta escura que pouco se via a frente. Ninguém via ninguém. Cada um vinha de uma ponta da ilha. Três horas da manhã. Eles sabiam que breve iriam se encontrar. Que Deus tivesse piedade de quem corresse, seria presa fácil ao ficar longe dos seus amigos. Nenhum som. Cada um ouvia sua própria respiração. Cada mente pensava que estava vivendo uma aventura que nunca iriam viver outra. Rezas e orações eram feitas e repetidas. Os nervos a flor da pele. Professor suava, não tremia, mas estava em uma situação anormal que nunca aconteceu com ele. Sinaleiro de olhos arregalados buscava na floresta escura algum sinal. Seus patrulheiros sumiram de sua vista. Corredor pela primeira vez na vida teve medo. Isto é anormal pensou. Onde estão todos para lutarem? Que espera infernal. Centeralfo parou. Sua respiração estava ofegante. Medo? Impossível, Centeralfo não sabia o que significava a palavra medo. Sentiu um barulho esquisito, era um galho de árvore a toda velocidade em direção ao seu rosto. Não deu para desviar. Sinaleiro estava impressionado olhava a sua frente e uma figura fantasmagórica pulava freneticamente como se fosse um zumbi do outro mundo. Tremeu! Meu Deus! Não gritou, pois Sinaleiro era um Escoteiro de verdade. Um barulho monstro como se o inferno estivesse chegando a terra caiu sobre a floresta. Mil latas explodindo no chão. Uma torrente de água jorrando do céu sem parar, Cafuné foi jogado ao ar preso por um cipó ficou dois metros acima do chão de cabeça para baixo gritando feito um louco e pedindo socorro. Ninguém se entendia, os planos foram por agua abaixo, 30 meninos Escoteiros se encontraram naquela escuridão alguns gritando outros chorando e muitos sendo mortos sem dó e sem piedade...

Quer ler mais da história? Ou ela completa? Peça no meu e-mail e recebe em PDF de graça. ferrazosvaldo@bol.com.br

O FANTÁSTICO JOGO NOTURNO NA ILHA DO GAVIÃO NEGRO!