HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Programando o programa do Grupo Escoteiro.


Conversa ao pé do fogo.
Programando o programa do Grupo Escoteiro.

                        Todo mundo conhece, todos os escotistas fazem. Afinal nada se produz sem ele. Alguns simples, outros complexos, mas todos com o mesmo objetivo. Conheci em minhas atividades escoteiras, muitos programas bons, outros nem tanto. Junto a tantos outros amigos escotistas, fizemos programas de sessões, de Diretoria, de Conselho de Chefes, de Atividades Especiais, de Grandes Jogos, de Região Escoteira, De Ajuris, de Elos, de Adestramento, de Atividades Nacionais e até algumas internacionais. Existem até cursos para isto. Nunca fiz, mas tenho outro tipo de pensamento.

      Mas o que significa a palavra programa? Vejamos:
- Quem sabe uma exposição resumida que um individuo ou sessão faz dos seus principios ou do caminho que se propõe a seguir?
- Ou um conjunto de instruções, de dados ou de expressões registradas? Ou enumeração dos propósitos de uma sessão?
- E finalmente, uma sequência de matérias que se hão-de ensinar em uma atividade?

                   Não vamos complicar. Todos sabem o que é. Mas uma coisa eu garanto, os programas devem se entrelaçar. Como? Pensando em termos que todos os orgãos do grupo os têm (um programa). Para isso todo final do ano em reunião propria para este tema, se reunirão a Diretoria, o Conselho de Chefes, o Conselho de Pais (se o grupo possuir) onde todos opinaram e claro, lavrado em ata. Ops! Estou falando do programa geral. Não do programa de sessão. Claro que de posse do programa do grupo fica mais fácil a alcatéia, as tropas ou o clã fazer o seu sem se preocupar com alterações ou modificações. Alguns até gostam de ter os programas de sessões primeiro antes do geral. Não discuto. Dificil imaginar um bom programa onde ele sofre constantemente modificações, adpatações e é fustigado por terceiros para incluir programas que não foram discutidos e aprovados. Como? Do tipo, olhem apareceu uma linda atividade do distrito, da região e porque não de outro grupo irmão escoteiro. Não podemos faltar. Ou quem sabe, recebemos um convite da autoridade tal e temos que ir. E assim o programa inicial vai ficando todo desfigurado.

                    O Diretor Técnico deve ser o primeiro a exigir que tais modificações não aconteçam. Para que o trabalho para fazer um e durante o ano ir modificando? Um programa feito a uma só mão é autoritário. Nunca será bem aceito. Planejamento a quatro mãos ou mais é mais democrático. Pedir opiniões discutir ouvir os jovens e todos os participantes do grupo se bem organizado trás bons resultados. Infelizmente cada grupo tem sua maneira de agir e muitos lideres (não todos) que criaram o grupo ou que estão há tempos se acham os donos das ideias e ditam normas, são autoritários em mudar o programa, anexando atividades que não foram discutidas antes. Isto é prejudicial, pois os programas se tornam inúteis, os jovens abandonam a percepção de que não existe democracia e a autocracia passa a ser uma maneira vista e exemplificada por quem deveria dar bom exemplo.

                      Acredito muito que ensinar e praticar democracia nos grupos é uma maneira de mostrar que ela pode ser a razão do sucesso em todas as etapas de nossas vidas. Acredito que os lobos podem e devem opinar. Se a Alcatéia tem um Conselho de Primos porque não ouvir a opinião deles? O mesmo aconteceria com as tropas escoteiras e seniores sem faltar os pioneiros. Difícil? Não é. Basta saber como aproveitar ideias e pô-las em prática. Uma vez estava em uma reunião de chefes de uma Tropa e eles suavam para montar os programas semanais dos jovens. Via-se ali uma vontade enorme de tudo terminar, pois a semana não foi fácil e aquilo se tornava enfadonho. Foi então que um Velho Escoteiro chegou e sem ninguém perguntar disse: - A Tropa foi consultada? O conselho de Patrulha deu sugestões? Todos ficaram alarmados. Muitos como sempre pensavam que os jovens não estavam preparados, mas nunca tentaram por em prática esta forma de programar.

                    Nenhum programa deve ficar sem o “tempero” do chefe e dos assistentes. O que seria o “tempero”? – Jogos, canções, Conversa ao Pé do Fogo, e claro as sujestões que não estarão ao alcance deles. Tais como, atividades distritais, regionais e nacionais. Mas é importante que estas não ocupem nada mais que 15% do programa anual. Se aparecer alguma devem meditar muito antes de mudar. Nunca sem consultar os órgãos competentes de sua tropa. Será que isto acontece com você? Seu programa não é desfigurado por uma atividade que aparece sem esperar? O jovem sabendo o que vai acontecer se prepara e olhe atividades ao ar livre são sempre as mais esperadas. Claro que ao perceber que o programa não está atingindo seu objetivo é melhor parar e ver onde está errado. Fácil isto. Os meninos são importantes para apontar onde está o erro. Vai mudar? Vai começar um novo programa? Afinal para que serve a Corte de Honra? O Conselho de Patrulha e para quem já tem o Conselho de Tropa? Ouça, medite e mude se for necessário.

                Sempre repito as palavras de B-P sobre os resultados. Eles sim são o que importam. A evasão continua? A falta de motivação também? Se acontece o programa não está cumprindo a sua finalidade. Melhor ouvir os que estão saindo e saber onde poderiam corrigir e melhorar. Infelizmente poucos fazem isto. O menino ou a menina não vem mais e os chefes nem sabem o que aconteceu. Muitos nem tem uma pesquisa dos últimos dez anos sobre qual a média de permanência dos jovens na sessão. Isto inclui os lobos também. A uma cadeia hierárquica a ser seguida no programa do grupo. Ninguem pode decidir sozinho. Se somos uma família escoteira a opinião de todos tem de ser levada em conta. Gosto de lembrar que o voluntário assim como os jovens tem suas vidas que envolvem a família, social e espiritual. Estas são mais importantes que uma atividade escoteira. Fácil assimilar um e outro. Basta bom senso.


                Vejo comentários de grupos de um dono só. Sei que existem, mas eles não fazem bom escotismo infelizmente. Tentam mas o objetivo não será alcançado. Torno a repetir um Grupo Escoteiro é uma familia. Unida. Fraterna. Onde o respeito mostra o gráu de crescimento de cada um. Voce faz parte da familia. Veja onde é seu lugar e trabalhe para que todos sintam felizes no desenvolvimento de suas tarefas. Não existe tarefa fácil. Formar caráter não é fácil. Mas o Movimento Escoteiro através do seu método simples facilita sobremaneira a atingir esse objetivo. E é um orgulho quando podemos ver homens e mulheres que um dia conheceram a maravilhosa Lei Escoteira e lembram com orgulho dela por todas as suas vidas. Isto posto sabemos que atingimos nosso objetivo. Honra e caráter e porque não dizer – Ética e altruismo!