HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Uniforme, vestimenta, para que?


Conversa ao pé do fogo.
Uniforme, vestimenta, para que?

                  Eu fiz um uniforme caqui. De tergal, mas me disseram que era de linho. Gastei pouco mais de R$66,00 no pano e R$50,00 para confeccioná-lo. O meu antigo estava bem velhinho e era de tergal também. Faço questão de usá-lo nas atividades Escoteiras. Dificilmente vocês me verão com a camisa solta, desleixada, botões desabotoados. Meu lenço faço questão de colocar como se fosse uma gravata. Sempre bem passado. Meu cinto escoteiro o limpo uma vez por mês. Meu sapato ou botina engraxo sempre, afinal fui um engraxate dos bons na minha juventude. Foi engraxando que comprei meu primeiro uniforme de lobo. Mamãe era costureira e o fez para mim. Ao passar para os Escoteiros trabalhei demais engraxando na Avenida Rui Barbosa, ou na Rua Peçanha. Seu Abil das casas Abil era amigo dos Escoteiros e deixava-me fazer ponto ali com minha caixa de engraxate. Eu sabia que meu pai não poderia comprar para mim nada que precisasse. Ele era seleiro, fazia arreios de cavalos e algumas botinas mexicanas. O que ganhava mal dava para comermos.

                   Mas voltando ao uniforme que eu aprendi a amar. Hoje vejo muitos reclamando que tudo está caro. Está mesmo e eu sei disto. Mas meus amigos e minhas amigas trabalhando depois da escola eu comprei meu uniforme, meu chapéu (ufa! Este demorou um ano!) meu cinto, meu meião e meu Vulcabrás. Um sapato que durava muitos anos. Comprei também meu cantil de um francês que morava na Rua Sete de Setembro. Me vendeu barato. Custei muito para comprar meu canivete Suíço. Não aqueles de múltiplas escolhas, era simples, mas bom demais. Está comigo até hoje. Comprei minha faca Mundial e minha machadinha. Tinha um apito que paguei barato ao Senhor Nonô Chefe da estação de trem. Fazia questão de estar bem uniformizado sempre. O meião sempre nos trinques sem dobras erradas e com as estrias perfeitas. Não importa onde. Andava por cidades e cidades próximas ou não, de bicicleta ou a pé, mas sempre com o uniforme bem postado. A patrulha fazia questão de estar bem apresentada. Excursões enormes não importava o sol. Não se tirava o uniforme para nada. Calor? Trinta quarenta era gostoso demais.  

                    Aos poucos fui crescendo, ficou mais fácil adquirir peças e trocar de uniforme. Quando em 1974 saiu o Uniforme Social (depois chamado de não sei o que – risos) Quando foi instituído todos receberam um pedacinho do pano da calça e camisa com desenho anexo pelo correio. Camisa azul clara, calça cinza chumbo. Saiu assim no POR: Para uso exclusivo em atividades sociais. Em atividade com a tropa permanece o caqui curto. Bem não sei se era bem assim. Mas com o tempo o tal social virou uma bagunça. Era calça tipo jeans calça de qualquer cor, camisa até que bem feita, mas a liberdade começou a dar lugar à anarquia na apresentação pessoal. Os chapéus e bonés de todos os tipos apareceram. Sempre diziam que o Chapelão é caro e não existe mais. Será? O uniforme degringolou. Diziam que precisava vestir assim, pois nem todos poderiam comprar. E eu não pude? Bem meu exemplo não serve. Hoje tudo é mais fácil. Lembro que no grupo existia uma quantia para “EMPRESTAR” aos Escoteiros e lobinhos em gastos especiais. Eles deveriam pagar de pouquinho em pouquinho o que usassem. Nunca usei um centavo!

                     Era orgulho ver como éramos no passado. Os que usavam o caqui eram mais bem uniformizados que os demais. O tempo foi passando a bagunça aumentando. Aí ouvi falar que a UEB iria fazer um novo tipo de uniforme para todo mundo ficar igual. Bem pensado eu pensei. Mas qual o que, enfiou goela abaixo dos seus associados sem pesquisa, sem saber se iriam gostar ou não a tal Vestimenta. Dizem que são mais de quinze tipos. Você pode escolher o que quiser. Grupos em vez de se uniformizarem por igual abriram mão de escolha. Em uma sessão tem jovens de calça curta, calça comprida, sendo menina pode escolher a saia, camisa para dentro da calça para fora e os bolsos! Deus do céu, que bolsos! Dá para levar uma jamanta nele! “Mais maió de grande tamanhusso e biteleza” como diz o mineiro. (sou um deles, risos). Logo a maioria votou para decidir o que usar. Quem comprou o cinza se danou. Um prazo foi dado para substituição. Por uma questão de dignidade deixaram o caqui continuar. Chefes antes da escolha ou votação no grupo já fizeram sua vestimenta. Falar o que? O preço? Sei lá. Dizem que é barato e outros que é caro.

                      Agora tudo está mudando. Tudo moderno. Um alto dirigente já aparece com chapéu de boiadeiro. Faça a idéia de quantos vão copiá-lo. Não dizem que o Chefe é exemplo? Mas cá prá nós. Para que gastar tanto? Para que? Agora é só colocar um lenço no pescoço, amarrar as pontinhas e pronto! Você está a Escoteira sem dúvida. Muitos países fazem o mesmo. A meninada e a moçada sorrindo! Ainda bem que a modernidade é barata. A maioria dos grupos dão o lenço quando da promessa. Assim não gasta nada não é mesmo? Eu juro pela lua que está no céu, eu juro pela sombra que me acompanha, eu juro por tudo que já vi neste mundo que nem sei mais o que dizer. Errado sou eu é claro. Ainda não aprendi que os tempos são outros. “belle époque”. O que antes era e hoje não é mais. Tenho que aceitar. Sou um Velho Escoteiro cheio de manias. Ainda bem que não estarei aqui para ver o que vai ser daqui a dez, vinte ou trinta anos. Mas o povo vai assimilar. Afinal Escoteiro e Escoteira sempre gritam alto “Sempre Alerta” apesar de que tem alguns que dizem SAPS! (Deus me livre!).

                        Finalizando agora é tudo mais barato. Ganhou seu lenço? Amarre em você passado em volta do pescoço e juntando as pontas. Você agora está “A Escoteira”. Bem apresentado. Aí eu fico pensando para que serve o uniforme ou a tal vestimenta? Comprou? É melhor guardar. Quem sabe um dia vai ter utilidade. Enquanto isto mostre seu orgulho só com o lenço, mas eu lhe peço um favor, faça pelo menos diariamente uma boa ação. Com uniforme, com vestimenta com lenço, pelado ou não. Pelo menos isto. Deixe a velhinha em paz se ela não quiser atravessar a rua. Tem muitas boas ações para fazer que não obrigá-la a atravessar.  Eu admiro ainda alguns países que fazem questão de estar bem apresentados, seja que uniforme for. Verde, amarelo azul caqui ou cinza. Quanto tempo eles serão assim eu não sei. Enquanto isto eu faço questão de estar uniformizado e bem uniformizado. Se me verem diferente não sou eu. É o espírito do Zé Be Deu!  


                           Meu uniforme é meu orgulho. Amo demais são mais de 66 anos com ele. Pena, meu azul do lobo também desaparece no tempo. Os bolsos gigantes o substituirão. Quantas mudanças, mas dizem os nossos lideres que foram para melhor. Agora teremos sim mais Escoteiros, vamos crescer como nunca, a filosofia Escoteira será outra. Seremos mais irmãos, a fraternidade uma realidade. E finalmente, veremos meninos e meninas de todas as idades, aprendendo com seus chefes, seus lideres que o Escoteiro é puro no seu pensamento na sua palavra e na sua ação! Que a lei Escoteira está presente no dia a dia de cada um. Quem viver verá!