HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

domingo, 26 de fevereiro de 2017

As redes sociais e o escotismo.


As redes sociais e o escotismo.

                       São quase nove anos de Facebook. Tempo suficiente para assistir as mudanças e novos tempos do escotismo brasileiro. Quando vim parar aqui advindo do Orkut eram poucos aqueles que se arriscavam a postar e comentar temas escoteiros. Se não fui um dos primeiros devo estar próximo dos iniciantes que se intitulavam escoteiros “tradicionais”. Aos poucos fui mudando meu modo de pensar, mas nunca deixei de ser um crítico do que estavam fazendo e do que ainda fazem as lideranças da União dos Escoteiros do Brasil. Sempre acreditei que tudo tem uma razão de ser. Se um dia fui Escoteiro de corpo e alma hoje também temos jovens fazendo o mesmo e isto é motivo de aplauso.

                     A cada ano mais e mais chefes abriram páginas, grupos e com suas novas ideias começaram a atrair leitores dos diversos ramos escoteiros. A UEB custou a acreditar na força das redes sociais. Enfim abriu também sua página não sem antes desfazer e até mesmo proibir o uso do seu nome e logotipo de alguns que acreditaram estar colaborando no marketing que tanta falta nos faz. Hoje ela possui milhares de seguidores assim como também outras Fanpage com temas escoteiros. Acredito que isto foi e é uma fonte inesgotável para o crescimento ou diminuição da evasão de associados principalmente em alguns estados brasileiros. Quem sabe fui também um dos que contribuíram para despertar em cada um uma nova maneira de pensar do escotismo Nacional.

                    Apeguei-me a contar histórias. Quase não tínhamos escritores neste ramo a não ser alguns que se dispuseram a publicar alguns alfarrábios que não se tornaram sucesso de público. Por outro lado fui um contumaz critico das criações Escoteiras a quem chamam de escotismo moderno. Dos meus escritos alguns foram lidos e poucos comentados e compartilhados. Aliás, ano após ano diminuem-se os comentários nas minhas publicações sinais que não mais despertam interesse. Corri e ainda corro atrás da publicação de um livro. Um livro de histórias Escoteiras, quem sabe as curtas, pois as mais longas são poucos que se interessam em ler.

                   Não sei se irei conseguir, pois a saúde não ajuda. Ainda estou lutando com a colaboração dos amigos que se dispuseram a ajudar. Voltando as publicações escoteiras nas redes sociais eu acredito que elas são e serão importantes para o movimento Escoteiro como um todo. Temos escritores de várias matizes. Alguns ligados a tudo que a UEB publica e outros com ideias próprias acreditando que seu escotismo é diferente e podem assentar melhor suas bases. Quem sabe eu sou assim, mas o “meu escotismo” não é meu. É daqueles que tiveram oportunidade de em sua época fazer tudo àquilo que o escotismo Badeniano oferece. Tem alguns que discordam e outros que acham que muito do seu método deve ser alterado.

                  Vemos alguns escotistas sendo mais insensíveis nas suas palavras, posso até dizer mais autoritário, firme nas suas ideias e deixam a desejar muitas vezes na cortesia tão primaz para nós escoteiros. A democracia tem destas coisas. Temos que aceitar, pois só assim poderemos saber todas as ideias e só o tempo trará os resultados esperados. Eu parabenizo a todos os que aqui aparecem com suas postagens, suas interpretações e só lembro aos que trazem um novo plano Escoteiro que somente OS RESULTADOS irão dizer se os objetivos foram alcançados.

                  Já comentei antes que diminuem sensivelmente os que seguem meus escritos. Muitos chegam tomam conhecimento e quem sabe ainda estou preso a um sistema arcaico cujas ideias não são mais interessantes. Acho que é hora de diminuir o ritmo da jornada dar vez aos novos. Ir aos poucos fechando meus grupos e páginas até ficar com um só. É hora de deixar livre o caminho para quem quer expor suas ideias ou copiar as da nossa líder EB. Fiz minha parte quando menino, quando Chefe, quando dirigente e formador e agora como pseudo escritor de contos ou mesmo comentarista de vivências escoteiras que um dia fiz e achei que devia passar para frente.

                  Mesmo estando com a saúde precária, deixar tudo no limbo será sinônimo de fuga dos meus ideais. Cada vez que fico sem escrever em vez de melhorar a saúde sinto que ela está piorando. A idade faz parte como um todo. Aos poucos irei diminuindo o ritmo de postar em tantas páginas e grupos. Espero que os novos escritores que aqui estão chegando possam dar aos leitores escoteiros o que eles precisam para motivarem seus ideais, conhecimentos técnicos e teóricos e que isto redunde em trazer benefícios aos jovens na sua formação moral, intelectual e ética, pois é isto que precisamos para ter um país melhor.


                  Não estou encerrando minhas atividades. Não posso fazer isto. Tenho alguns amigos que estão juntos há tempos aqui no Facebook. Tenho ainda uma diretriz escoteira que não me deixa mudar. Mas os tempos são outros. Parodiando o irmão de Mowgly no Livro da Jangal, repito suas palavras: “As estrelas desmaiam, concluiu o lobo Gris de olhos erguidos para o céu. Onde me aninharei doravante? Por que agora os caminhos são novos...”.