HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Técnicas de reuniões de tropa


Crônicas de um Chefe Escoteiro.
Técnicas de reuniões de tropa
          
          Existem técnicas de reuniões de Tropa? Alguns acham que sim outros não. Se eu fosse hoje um Chefe jovem minhas reuniões não iriam mudar a rotina, a não ser que os monitores solicitassem. Seria como sempre pensei que deveria ser afinal não foi assim que aprendi quando jovem? Não sei se sua reunião é diferente. Mas se ela atinge o objetivo que se propõe eu sei que sua Tropa vai muito bem obrigado. Ainda sou daqueles que não fujo ao método do Sistema de Patrulhas. Se você acredita nisto então somos dois.

01 – Antes de iniciar as reuniões as patrulhas já estavam reunidas no seu Canto de Patrulha, (em qualquer ponto da área de reunião) conversando, vendo assuntos pendentes, verificando como estão às etapas dos patrulheiros, as conquistas de eficiência. O Monitor e o sub. dando todo apoio nas provas de classe.
02 – Eu sabia que podia confiar nas patrulhas. Não haverá correrias sem necessidade, racha de futebol, uniforme desleixados e uns poucos em um canto, afastado dos demais. Eles sempre souberam que ao chegar para a reunião à patrulha tem seu lugar de encontro. Todos estarão lá, ninguém chega atrasado. É uma tradição da tropa;
03 – Antes do inicio usar nada como usar o Chifre do Kudu com moderação. Se necessário sinais com os braços para evitar muito barulho e chamar os monitores, você sabe nunca se inicia uma reunião sem conversar antes com os monitores.
04 – Eu sabia que eles sempre estariam sorridentes. Devem me perguntar se haveria alguma coisa nova, qual o tempo livre para eles adestrarem seus patrulheiros, qual seria a patrulha de serviço para a próxima reunião. Eu sabia que a patrulha de serviço tinha preparado as bandeiras para o cerimonial;
05 – Claro que eu tinha assistentes e sabia que eles já separaram o material necessário para jogos e treinamento. Quem tem bons assistentes e bons monitores tem meio caminho andado.
06 – Gostava de ver a chamada geral a disciplina para formatura na bandeira. Sempre em fila e apresentando a patrulha já devidamente formada. Veria o monitor dar três passos à frente e dizer: – “Sempre Alerta chefe, patrulha pronta e sem nenhuma falta”. Os monitores sempre se orgulharam em dizer que não havia nenhum faltoso.
 07 – Com os sinais manuais próprios se formava em ferradura. O convite para o cerimonial de bandeira, onde o garbo e boa ordem se faria presente. Os patrulheiros indicados pelo Monitor da patrulha de serviço se postavam junto à bandeira escolhida. Todos eram promessados e sabiam que era uma honra em estar ali. Não haverá erros e nem precisava do Chefe ficar ao lado deles;
08 – Ao término o monitor da Patrulha de serviço convida um Escoteiro para a oração. O escolhido já havia separado uma bela prece, para dizer aos seus irmãos escoteiros.
09 – Hora de formar em linha. Hora da inspeção Quem sabe estaríamos realizando uma “Operação Patrulha Padrão” e tudo seria devidamente observado e anotado. Todos gostariam de receber a bandeirola “Patrulha Padrão”. No mês anterior ganhou os “Corvos”. Todos os jogos e o treinamento também valem ponto;
10 – Como programado um assistente chamou os monitores para combinar os detalhes do jogo. Será um jogo bem forte e é bom dizer que devem tomar cuidado. Competia aos monitores explicar as suas patrulhas como seria.
11 - Enquanto o assistente dirige o jogo, eu e os demais assistentes estaremos preparando o treinamento de técnicas escoteiras. Uma das poucas que irá fazer com toda a tropa, pois sabemos que isto é função do Monitor;
12 – Fico alegre quando vejo as patrulhas ativas. Sempre em movimento ou no Canto de Patrulha, que tão bem conhecem. Orgulho-me dos assistentes. Um baluarte para a programação e a vida da tropa. São meus amigos e dou enorme valor a eles.
13 – Hora de uma palestra. Não mais que dez minutos. Sou o responsável. O tema é a Lei Escoteira. Procuro uma sombra, sentados a moda índia e vou logo dando o Jogo da Lei. Eu sei que isto é melhor que palestra. Quem não gosta de um jogo?
14 – A reunião vai acontecendo e chegou a hora da Tropa de monitores. Simples, cada um deles assume a monitoria de outra patrulha. Bom para ver como estava o adestramento da patrulha. Sempre no maior respeito. O sub.monitor recebeu bem o Monitor visitante. Uma norma de conduta que eles não esquecem.  
15 – Hora de cantar uma boa canção. Dois escoteiros tocavam violão e o outro saxofone. Isto dava vida à canção. Gritar não é cantar. Eu sabia que não tinha boa voz. Já tinha combinado com um assistente que tem. Dez minutos? Ótimo. Dizem que a música é uma maneira harmoniosa de se expressar por meio de sons, em uma maneira agradável aos ouvidos;
16 – Hora de convidar os sub. monitores e junto a um dos assistentes verificar como foi à limpeza e arrumação que fizeram na semana na sede. Função da patrulha de serviço. Vale também para a competição da Patrulha Padrão;
17 - Enquanto o assistente estava com os subs repassei com os monitores o jogo de adestramento que irá se realizar. Quem sabe a escalada com as escadas de cordas? Eles não sabem? Deixe que eles inventem. Quem sabe uns bons tombos irão divertir todos. Não é a arte de aprender a fazer fazendo?
18 - O jogo foi muito bom. Aproximando o horário de encerramento. As patrulhas discutem o próximo acampamento de final de semana. Já tinha marcado com os monitores de fazer uma visita antes. Nada melhor que conhecer o local antes de acampar;
19 – Hora do ultimo jogo. Surpresa. A tropa não sabe como vai ser. Os demais não foram preparados e muitos deles são aplicados pelos próprios monitores. É um bom jogo. Tenho uma boa biblioteca informatizada sobre jogos. Sabia que depois do jogo teria de fazer anotações sobe o que os jovens acharam. No sábado anterior um dos assistentes foi quem preparou. Um sucesso!
20 – Final de reunião. Para nós a pontualidade é ponto de honra. Hora de começar hora de encerrar. Feita a inspeção e oração a Patrulha de serviço dirige a cerimônia. Se houvesse entrega de distintivos ou especialidades seria a hora. Promessa no início, demais no final. Antes do debandar a Patrulha de serviço da semana se apresentou. Não é dia da Corte de Honra se fosse os pais seriam comunicados com antecedência que os filhos ficariam mais uma hora.
 21 – Três passos à frente, mãos cruzando abaixadas por três vezes. Hora do grito da patrulha em seguida da tropa e finalmente se todas as sessões estiverem ali o grito do Grupo Escoteiro.
22 – Deverei ficar na porta da sede me despedindo de todos. Um aperto de mão um abraço fraterno e diz ao pé do ouvido: Obrigado por estar aqui, conto com você! Isto tem um valor enorme e um Sempre Alerta do Chefe melhor ainda.
 23 – Bom ficar mais algum tempo após o horário esperando a saída de todos. Não me esqueço de agradecer aos assistentes, são meus amigos no Grupo Escoteiro e fora dele. Ao chegar em casa farei meu relatório pessoal analisando como foi à reunião. E a próxima? Quem sabe os monitores irão preparar? Quem sabe eles dividirão entre si as etapas da reunião e irão dirigir?

DESEJO UMA ÓTIMA REUNIÃO E ALEGRIA DE MONTÃO!