HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sexta-feira, 9 de junho de 2017

70 anos depois... Nada mudou! Muitos ainda não podem ir a um Jamboree.


70 anos depois... Nada mudou!
Muitos ainda não podem ir a um Jamboree.

                   Quanto tempo nas quebradas escoteiras. Quanto vento bateu firme em meu rosto nos vales e nas escaladas, quantos acampamentos, quantas amizades, quantas canções, quantos fogos de conselho, quantas vezes dei as mãos entrelaçadas para dizer que não é mais que um breve adeus. Foram tantas que nem sei mais contar. E as vezes que encontrei obstáculos, dificuldades de andar com as próprias pernas, sempre encontrei pessoas interpondo querendo me forçar o que não era... Tantas e tantas que prefiro deixar escondido no meu passado distante. E quando menino quantos sonhos não consegui realizar, quantas vontades em ter o que nunca tive para gritar bem alto: - Eu também consegui! Doía demais em saber que não podia ser mais um.

                   Setenta anos depois vejo que pouco mudou. Antes éramos gritantes nas estradas de terra, nas trilhas, nas subidas de montanhas a cantar o Rataplã. Mas o sonho de todos escoteiros em estar em um Jamboree nunca aconteceu. O que dizer de ser pobre? O que é um pobre? Aquele que não nasceu em berço de ouro? Aquele que não procurou viver melhor e trabalhou por isto? Quem sabe o desprovido ou mal provido do necessário? Ou aquele de poucas posses, que aparenta ou revela sua pobreza? Sem explicação. Setenta anos depois vejo escoteiros como eu dizendo as mesmas coisas.

                 Implico com meu abstrato invisível a dizer que aceitamos sem reclamar. Temos direitos? Escolhemos aqueles que viveram como nós e confiamos? Sempre bati na mesma tecla que nossa maior fraqueza no escotismo está em não desistir. O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez... Verdade? Vamos catar latinhas, limpar quintal, lavar carros e assim de passo em passo iremos realizar nosso sonho para encher os cofres de alguém. Que liderança temos que nunca lutou e nem luta para fazer realizar o sonho de muitos. Que liderança temos que não procura dar condições a que o pobre tenha as mesmas possibilidades do rico?

               Eu ainda me pergunto quando iremos nos tocar e brigar para mudar este estado de coisas e eleger quem realmente se preocupa por nós? Por acaso seria os pobres escoteiros do Brasil? Afinal quem elegeu esta liderança que esquece que o escotismo é feito de sonhos de pobres e acreditam que alguém pode ajudar a realizá-los. Para que serve um Presidente Escoteiro das mais altas esferas? Para que serve um grande chefão que pode brigar para abrigar aqueles que querem sorrir em um Jamboree e não faz nada por isto? 70 anos depois eu continuo incrédulo, mas nunca desisti. Um sábio disse que um homem não está acabado quando enfrenta a derrota. Ele está acabado quando desiste.

                    Estou lendo em páginas invisíveis que o Jamboree está chegando. Valor? Apenas R$650,00 sem incluir refeição. Nossa! Sem a boia? Vamos levar uma marmita para tantos dias? Ou vamos gastar na cantina para que o lucro seja maior? Que taxa é esta? E o percurso da cidade até onde se realiza o evento? E o transporte entre cidades e estados? Pagar R$650,00 para que? Para um chapéu de pano? Para um lenço? Para um distintivo do Jamboree? Para um monte de papeis que será jogado no lixo horas depois? Não tem patrocínio? Se nos anteriores tiveram com as taxas absurdas para onde foi parar a arrecadação?

                 Ora, ora fico pasmado que alguns reclamam e outros não dizem nada. Sempre foi assim. Os Risonhos chefes da Liderança Escoteira, aqueles que quando candidatos juraram ter ética, se preocupar e mostrar ser transparente onde estão hoje? Será que eles esqueceram tudo e sabem do seu potencial de mando, de suas decisões que nunca serão discutidas e... Cacilda, aceitas por todos sem reclamações publicas? Quando teremos direitos de todos escolherem seus representantes de maneira democrática e não isto que vemos hoje?

                    Setenta anos depois... Sempre foi assim. A plebe escoteira sabe onde é o seu lugar. Se quiser tem de aceitar ou se não quiser é melhor sair. Os Lideres terão tudo pago. Não irão gastar um vintém. Darão e receberão medalhas. A realização do sonho será de alguns poucos que não precisam lutar para estar lá. Alguns pobres irão fazer das tripas o coração para juntar o rico dinheirinho que irá sustentar a riqueza de uma liderança que nem se preocupou em trabalhar para dar condições aqueles que nunca poderão pagar. Setenta anos depois sempre foi assim. Continência para uma liderança que não quer prejuízo em nenhuma atividade e que não sabe o valor de um menino pobre que sonhou em brincar de escoteiro em um Jamboree...


                  Relembrando o poeta, difícil não é lutar por aquilo que se quer, e sim desistir daquilo que mais se ama. Eu não desisti, mas não pense que foi por não ter coragem de lutar, e sim por não ter mais condições de sofrer!


Ah! Pena que não tenho mais idade para montar uma estrutura “Jamboriana” e colocar lá os escoteiros pobres do Brasil. Pena que minhas forças e minhas ideias não coadunam com os poderosos que sabem que nunca iriam me convidar e quiçá me deixar participar. Eles em suas lideranças não ouvirão a plebe, não ouvirão o clamor dos grupos humildes que tentam ao seu modo fazer um escotismo nas cidades pequenas ou grandes deste nosso País!