HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sexta-feira, 10 de março de 2017

Correr ou bater em Brasília.


Jogando conversa fora.
Correr ou bater em Brasília.

                    Retornava a minha morada em Osasco mancando e resfolegando quando na esquina da Avenida dos Remédios com a São José uma SUV Mitsubishi Pajero preto parou ao meu lado. Dele desceram quatro parrudos de terno e gravata, com os indefectíveis óculos escuros nem me disseram nada. Agarraram-me pelos braços e me jogaram dentro da SUV saindo em disparada. – É este o Talzinho? Perguntou uma loira desbotada com um lenço Escoteiro no pescoço. Se tem coisa que não me agrada é lenço no pescoço sem um uniforme. Nem vem que não tem principalmente se usa a camisa solta então é pior. – Um deles respondeu: - É ele sim. – Ela falou: - Mas tem cara de fuinha, feio que dói, e não para de gemer! – Dizem que está dodói e convenhamos o velhote já passou dos 76 anos!

                     O carro em disparada foi direto para o Aeroporto de Guarulhos. Um deles me disse para ficar calmo, nada iria me acontecer. – Para onde vou? – Vai saber quando chegar lá. Entraram direto no portão da Base Aérea. Um VC-2, da Embraer Lineage 1000 estava pronto para decolar. Pensei que seria um jato E190. O piloto deu uma risadinha: - Então é este? Todos balançaram a cachola. Um Copiloto da Aeronáutica fez um deboche e senti falta do meu bastão de duas e meia polegada com ponteira de aço. O voo não demorou. Em Brasília me levaram direto para o Palácio do Planalto. Gemi ao subir a rampa. Afinal eu mal ando e respiro. – Fomos direito para a sala de Reuniões. Lá estava o Michel, Vulgo presidente Temer, a Carmem Lucia, presidenta do Supremo, o Presidente do Senado Eunicio Oliveira, o presidente da Câmara Rodrigo Maia, e o Renan. Sempre Ele. Afinal o que fazia ali? Ninguem se levantou com a minha entrada.

                    O Presidente Temer olhou fundo nos meus olhos e disse: - Sabe por que está aqui? – Eu presidente? Eu não sei de nada. Me pegaram a força próximo a minha morada. – O Botafogo, melhor o Rodrigo Maia riu e falou baixinho: - Um pandego. Velho, feio, banguelo e pançudo. Para mim o jogava para o Moro e o acusava de ser responsável pela bagunça na Petrobrás. – Olhei para ele com os olhos chispados de fogo. Eita que falta faz meu bastão. Duro, só com dois reais no bolso e eles cheio de dólares da Petrobrás. Ah! Uma bastonada e eles iriam saber que Escoteiro era eu. – Olha Chefe, disse o Temer, precisamos do senhor! – Ufa! Agora mais respeito, me chamou de Chefe e senhor! – Estamos precisando de um novo ditador para por ordem na casa, ou melhor, no Brasil. Fechar a Lava Jato, por o Moro prá correr, acabar com esta perseguição que estão fazendo contra nós!

                  Perguntei presidente onde está o Caju? (O Romero Jucá) e o Primo? (Eliseu Padilha). Falta muita gente aqui! – Sem pedir licença entrou na sala de reunião gritando o ex-ministro da Justiça agora empossado no seu novo cargo no Supremo. Alexandre de Morais em carne e osso: - Como dizia o Simão o Kinder Ovo é metido a valente. Presidente! Acho uma perda de tempo trazer este chefete aqui para o plano F. – Pois é Morais, os Planos A B C D não deram certo, sobrou este! Olhei de soslaio para aquela cambada. Salvo a Presidenta Carmem Lucia o resto eu não botaria a mão no fogo por ninguém! – Ela com sua vozinha simples, honesta me disse: - Chefe Vado, Iremos abdicar dos nossos cargos e eleger o senhor para Ditador da Republica do Brasil!

                 Putz grila! Nem pensar! – Doutor Temer, porque não chamaram os 14 do forte? – Quem são eles disse o presidente! – O CAN, A cambada que dirige o escotismo no Brasil. Eles sim iriam mudar o Brasil. Já mudaram tanto o escotismo que breve ele vai parar no buraco fundo do Amazonas. – Seu Vado Escoteiro, se quiser mandamos prender todos eles. Afinal como Ditador vai ser o substituto de Baden-Powell e aqui no Brasil o senhor manda e não pede! – Que horror! Substituir B.P? Meu ídolo? Meu guru? Nem pensar. Mas olhe que a ideia de mandar eles para comissão de ética até que não seria nada mal. Risos. Kkkkkk. Olhei fundo nos olhos de cada um: - Formem em Linha. Vou fazer uma inspeção. Preciso saber se estão armados. – O General Golbery espirrou em sua cova. Ele sabia que o SNI já não existia mais. Lá nos sete palmos gritou que ninguém faz busca no Presidente do Brasil!

                  Olhei pela janela e vi na esplanada dos ministérios milhares de escoteiros formando uma enorme ferradura. Gritavam sem parar: - Chefe Vado! Chefe Vado! O novo ditador do Brasil! Chamei o Ministro da defesa Raul Jungmann. Leve todos eles para o Palácio da Alvorada. Café pão e manteiga para todos. Estou assumindo o Brasil. Agora ou vai ou racha. Chame o Moro, quero ele aqui até à tarde. Vai ser meu vice-presidente. Que ele escolha quem aqui vai direto para Curitiba. Veja se tem vaga para tanta gente no Complexo Penal e se necessário reserve vaga em Bangu Sete e na penitenciaria da Papuda. – Todo mundo no xilindró! Levei uma paulada nas costas. Cai feito avião de papel molhado. Olhei para cima e vi rindo um dos catorze do forte de Curitiba. Não ia esquecer-me dele, se não me engano é da turma do Inté, é nois traveis. Sempre eles com aquelas camisas soltas e meinha branca. Sua vez vai chegar, ora se vai!


                   Uma turba entrou gritando a me defender. Vi logo que eram os amigos do Facebook a me salvar. Como foram parar ali? Levei outra pancada e um beliscão. Acordei! Era a Célia fazendo tudo para que eu acordasse. Acorda marido, acorda que o galo já cantou! Eita pesadelos que não me deixam. Não quero ser presidente, não quero ser ditador, nem tampouco Escoteiro Chefe. Prefiro continuar escrevendo meus continhos inocentes para meus salvadores do Facebook! – Levantei, fui até a varanda, olhei o sol que queimava o asfalto. Uma SUV passou cantando pneus com a sirene ligada. Deus meu! De novo não!


Gosto de escrever. Tá na mente, tá na caneta. Escrevo contos escoteiros, histórias alegres e tristes, escrevo um pouco das minhas memórias e até mesmo artigos visando dar sugestões a chefes novos. Gosto de escrever artigos “peçonhentos” muitas vezes criticados por alguns dos meus leitores. Afinal não sou um animador de auditório da União dos Escoteiros do Brasil. Eu sei que sempre irei perder um leitor ou quem sabe uma amizade virtual com estes artigos. Assim seja. Gosto destes temas e o farei enquanto viver. Desculpe aos que não gostam, mas eu gosto e dou risadas. Kkkkkk. Fiquem com Deus.