HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

quinta-feira, 2 de março de 2017

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!


Crônicas de um Velho Escoteiro.
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

                         Difícil escrever sobre religiosidade. Difícil mesmo. Acredito que muitos sabem que sou espiritualista. E como tal tenho um enorme respeito pela escolha religiosa de cada um. Todos que acreditam no Senhor estão indo para o mesmo caminho. Não existem errados existe sim uma plêiade de homens e mulheres filhos de Deus. No escotismo tive contato com vários tipos de crenças. Em nenhuma delas desconheciam a palavra “amor”. Em todas elas se dizia que sem a caridade não há salvação! Afinal não foi “Ele” quem disse que devemos amar uns aos outros? Mas cada um tem uma interpretação da palavra “amor”. Vai chegar uma época que ela será igual para todos. Tal e qual o Cristo nos ensinou.

                      Lembro que nos velhos tempos de escotismo tínhamos um grande apoio dos católicos cujas paroquias sempre havia um lugar para acampar. Difícil um pároco recusar um pedido para criar ali um Grupo Escoteiro. Tive inúmeros amigos padres. Até um Bispo. A maioria vestia o caqui com calças curtas. Vários deles participavam sempre do meu convívio familiar. Muitos deles foram meus companheiros nas jornadas, nos acampamentos e nos vários cursos que participei. Ficaram marcados na lembrança para sempre. O Escotismo sempre foi um marco no catolicismo. Até hoje em alguns países ele se sobressai com a colaboração de católicos apostólicos romanos.

                         Na minha época os evangélicos não davam muita importância. Os desbravadores ainda não estavam organizados nos templos evangélicos, mas hoje eles são uma potência que em quantidade supera a UEB. Pelo que sei eles tem boas relações com todas as religiões e tive a honra de acampar com eles. Não entro no mérito dos que não acreditam em Deus. É uma escolha pessoal e me abstenho de comentar aqui sobre o que penso a respeito. Se amanhã a UEB resolver modificar a promessa para que eles possam também fazer seu compromisso, lhes dou as boas vindas.

                     A religiosidade está sempre presente no Movimento Escoteiro. Sei que existe um estudo por parte da nossa liderança para que estes também possam participar e fazer seu compromisso Escoteiro. Escolhas são escolhas e devemos respeitar. Eu fico pensando se seria convencido a não acreditar em Deus. Acho impossível isto acontecer. Acredito deste que fiz minha promessa. Afinal faz parte da minha vida os dizeres de cumprir nossos deveres para com Deus e a Pátria. Para ser franco não entendo muitos que fizeram sua promessa e pouco ligam para o que prometeram. Não posso aceitar esta indiferença que alguns têm com aqueles que não são da mesma associação ou não pertencem a UEB. Se eles escolheram outro caminho porque não os considerar irmãos? Ou será que só nós temos direitos e eles não?

                       Vejo muitos julgando como se fossem juízes, dão sentenças como se fossem jurados. Quem é certo quem é errado? O que diz o quarto artigo? Amigos de todos? Tenho amigos em todas as organizações e associações escoteiras existente no Brasil. Já vi meninos e meninas em todas elas fazendo um escotismo de boa qualidade. E sorrindo o que mostra que estão orgulhosos de onde estão. E ficam alguns adultos não se entendendo. Cada um com seu motivo. Quando vejo isto me lembro das palavras de Chico Xavier – Fico triste quando alguém me ofende, mas, com certeza, eu ficaria mais triste se fosse eu o ofensor... Magoar alguém é terrível! Lindo isto. Amar aos outros sobre todas as coisas, dar as mãos em todas as horas, será que podemos acreditar que um dia nós seremos assim?

                       E o sexto artigo da lei? Só vale para os chegados e que estão juntos na mesma associação? Tenho que acreditar que a evolução dos tempos fará do escotismo uma escola de amor e fraternidade sem igual. Baden Powell (BP) disse isto quando assentou as bases do escotismo. Uma grande fraternidade mundial unindo nações. Sou feliz quando encontro um Escoteiro. Não importa de onde ele seja. Meu abraço e o aperto de mão não irão faltar. Um dia vamos chegar lá onde todos saberão respeitar e serem respeitados. Sem donos da verdade, sem serem donos do escotismo, pois não foram eles que tiveram a ideia e quem teve não deu procuração a ninguém.

                       Sem falsas interpretações eu prefiro mais um sorriso nos lábios e amor no coração. Sou um admirador de Chico Xavier, não esqueço nunca suas palavras – “Deus nos concede, a cada dia, uma página de vida nova no livro do tempo. Aquilo que colocamos nele corre por nossa conta”, e para finalizar ele disse também – “O Cristo não pediu muita coisa, não exigiu que as pessoas escalassem o Everest ou fizessem grandes sacrifícios. Ele só pediu que nos amássemos uns aos outros”.

                Saudades do Padre Tonino, do Padre Antônio, do Padre Julio, do Padre João, do Padre Henrique, do Padre Salvador, do Padre Bruno, do Padre Francisco do Padre Lara e depois bispo que já partiu para uma estrela no céu. Saudades de muitos outros cujos nomes não me vêm à memória. Saudades de todos eles. Grandes religiosos, grandes Escoteiros e grandes amigos. Sempre tinham uma palavra amiga para todos. Nunca discutimos religião. Um enorme respeito entre nós. Nossas conversas eram sobre a Lei Escoteira, sobre programas e fazer do escotismo uma nação fraterna.


                 Bons tempos que se foram, mas tenho certeza que muitos pastores, padres e outros religiosos hoje também estão na luta para um escotismo de amor de respeito e fraternidade. Parabéns a todos eles e aceitem do fundo do coração o meu Sempre Alerta com um vigoroso aperto de mão esquerda!