HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

quinta-feira, 23 de março de 2017

Curso Ponta de Flecha.


Conversa ao Pé do Fogo.
Curso Ponta de Flecha.

                Vez ou outra eu vejo um convite para um Curso Ponta de Flecha. Alguns anos atrás um Chefe meu amigo me pediu opinião do curso. Não costumo deixar sem respostas qualquer indagação que me fazem do escotismo. Minha resposta não foi o que ele esperava e nem adequada pelo que ele acredita ser o curso para seus monitores. No passado vi dezenas de cursos ou treinamento de monitores. A primeira vez que ouvi falar no curso foi no inicio da década de sessenta. Já me disseram que ele é oriundo de Gilwell. Quem sabe seja, mas nunca vi nada na história de Gilwell sobre o tema. Comentam que existem apostilhas com boas UD (unidade didáticas) e que o curso tem respaldo da UEB. Em um pequeno manual que guardo em meu poder o introito ou prefácio diz: – “Acampamento ou curso Ponta de Flecha é destinado somente para monitores e sub-monitores, pois tem o enfoque em técnicas e liderança, que é necessário para os responsáveis das patrulhas.”.

                   Fui durante muitos anos Chefe de Tropa. Simultaneamente fui Dirigente de cursos para chefes escoteiros. Aos poucos fui assimilando e até mesmo aceitei dirigir um Ponta de Flecha e olhe que foi uma luta para ter somente 32 graduados no curso. Apareceram mais de 180 candidatos. Não ouve nada relevante na aplicação do método, no treinamento e adestramento dos monitores. Sinceramente anos depois vi que este não era o caminho. Pensei muito e cheguei à conclusão que o papel do Chefe é estar junto aos seus monitores, treinando-os, aprendendo com eles, estar ao lado deles faça chuva ou sol. Ter um ombro amigo para ajudar e colaborar. Conhecer os pais, conversar trocar de ideia, pois nenhum Chefe substitui o pai do jovem. Um Chefe que se preocupa com seus monitores, tem atividades só com eles, acampamentos, excursões supre perfeitamente qualquer curso que venha a ser planejado.  

                   Pensando por este lado, o responsável para treinar os monitores é o Chefe e mais ninguém. Ele pode até participar com eles em uma palestra, conferencias, mas é dele sua responsabilidade. Nem todos os chefes têm conhecimentos e porque não um ponta de flecha para os chefes? Uma vez fiz uma visita em uma Tropa e um dos monitores comentou que o curso foi ótimo. Pena o Chefe não estar lá para aprender como agir com os monitores. Aquele jovem se sentiu melhor com os dirigentes do curso que com seu Chefe. É como dizem de pais que deixam os filhos nas reuniões para ter um tempo livre. Será que o Chefe não faz o mesmo com seus monitores? E quanto às palestras, são tantos sábios formadores que ficam tempo demais a falar a falar e a maioria a dormir, dormir e sonhar e no final o que aprenderam?

                   Acredito que a responsabilidade única de formar preparar e treinar os monitores é seu Chefe e de mais ninguém. Muitos dos dirigentes de tais cursos, ou de encontros casuais em acampamentos não têm nenhum treinamento ou aprendizado do sistema de liderança que os monitores devem conhecer. Eu se fosse hoje um Chefe não levaria meus monitores para um curso assim. Eles são meus amigos e eu os prezo muito para jogá-los neste ninho de marimbondos. (sem ofensas). Vá lá que se o curriculum do curso e os chefes dirigentes terem exemplos pessoais na sua lide escoteira posso até pensar a respeito. Agora se eles não tem uma boa Tropa, se o sistema de patrulhas que fazem for perfeito, se a Tropa não tem evasão e se a alegria é reinante por muitos anos quem sabe até compreenderia entregar meus monitores para um curso assim.

                    Não existe nada mais sensacional que ir acampar só o Chefe e os monitores, juntos aprenderem pioneirías, construções rústicas, pescar, observar a natureza, sentar em volta de um fogo, cantar, sorrir contar piadas (dentro da lei escoteira) e trocar ideias de como liderar e ser liderado. Porque não nestas atividades só para monitores o Chefe passar o comando da patrulha para outro? Ele mesmo entrando em forma como um cozinheiro, bombeiro lenhador, faz tudo, intendente e outros? Ir fazendo trocas tantas como forem necessárias para todos sentirem como desenvolver sua patrulha. Treinar e ensinar aos monitores é papel do seu Chefe. Ele os conhece bem. Sabe como são e conhece sua vida pregressa e seus pais.

                      Técnicas de campo, técnicas especiais de orientação jornadas bivaques, medidas, percurso de Gilwell entre muitos outros é responsabilidade do Chefe e de mais ninguém. Interessante que o nome Ponta de Flecha é sugestivo. Chamativo. Mas eu fico mais na aplicação dele para formar e treinar os chefes. Um curso especifico para mostrar como desenvolver a potencialidade do monitor. Lembro que no passado adaptei um curso técnico para chefes sobre o Sistema de Patrulhas e formação de monitores. Se ele valeu ou não eu o repetiria sempre. Sei que em alguns estados que fazem cursos de Técnicas mateiras e Sistema de Patrulha para o Chefe é sucesso absoluto.

                      Posso até concordar com um Ponta de Flecha ou similar voltado para a troca de ideias entre monitores, dando possibilidades a cada um em dinâmica própria e desenvolvida democraticamente em grupos de trabalho, deixando que os monitores liderem sob a supervisão de um Chefe. Isto quem sabe poderia superar as expectativas. Não serei muito radical com o curso Ponta de Flecha. Baden-Powell comentava que o importante são os resultados. Se ele achava que dez anos seria o tempo ideal para que o escotismo pudesse aplicar seu método para formar bons cidadãos, eu acredito piamente que os monitores tem parte importante nesta idéia.

                       Finalmente lembro que sem bons monitores não existe sistema de patrulhas e sem esta não existe escotismo. Se tivesse que tomar resoluções, em faria tudo para que um distrito motivasse sempre seus chefes para aprenderem a motivar, adestrar e formar seus monitores. Os chefes repito. Ajuda sempre é valido, mas que o Chefe esteja sempre presente é ele quem toma decisões, ele é o monitor de seus monitores e através dele a formação de todos os jovens da patrulha poderá ser concretizada conforme esperamos. Como dizia Baden-Powell, me mostre uma patrulha desleixada, com poucos elementos e direi que o erro está na preparação dos monitores. Em síntese também do Chefe que não soube preparar seus monitores.


                 Sei que o mundo está mudando, aceito isto. Mas eu não mandaria meus monitores para alguém que desconhece o que eles são não sabem de sua vida e nem de seus conhecimentos escoteiros. Sempre Alerta!

Ser Chefe escoteiro é ser condutor de escoteiros e de seus sonhos. É como lapidar diamantes. Muito cuidado com o que fazes. Lembre-se que mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende!