HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Eu vou cantar o Rataplã!


Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro.
Eu vou cantar o Rataplã!

                     Não era fácil. O hino era difícil demais, mas a gente cantava com gosto. Tinha de aprender, pois não se fazia as provas de noviço sem saber cantar o Rataplã e o Hino Nacional. Antes da promessa o Chefe chamava o que iria ser promessado para ir até a ferradura e dirigir o Hino dos Escoteiros do Brasil. Claro que se engasgava, tremia, mas a gente cantava. Rataplã significava a caixa clara e a batida do tambor. Era do arrebol, Escoteiro vendo a luz, olhando o sol para um Brasil que nos conduz! Era bonito demais, mexia com nossos brios, alerta Escoteiros! Erguei seu ideal com os corações em flor. Somos a mocidade no sol do meu Brasil. Vamos consagrar o nosso eterno amor a esta pátria que amamos. Que dentro dos bosques, vergéis floridos, que nossas vozes ecoem com alegria intensa. E lá pelos campos afora, em cânticos sentidos, ressoe nossas vozes um hino avante a nossa pátria imensa! Lindo demais. Sentir a letra fazia e faz vibrar nossa alma até hoje.

                    Todos que faziam a promessa deviam saber de cor. Cantavam com gosto. Com amor, sabiam o que significava, pois muitas vezes em grupos de trabalho discutíamos o porquê do hino, o que ele significava, onde devia ser cantado. Quantas vezes já acampados, uma patrulha que chegava a gente ouvia de longe o som da marcha, o refrão, um dois, um dois e a turma a cantar: - Vamos em frente, com nosso passo firme cumprindo nosso dever. Ao nosso lado um Brasil feliz por nosso escopo e norte. Vamos patrulheiros, façamos nosso futuro, em flores antever, somos a nova geração, jovial confiante e forte. Mas prestem atenção, pois se algum dia por acaso, a pátria estremecida, de súbito bradar: - Alerta ó escoteiros! Vamos logo dizer e responder, pois ela a pátria é nossa vida, e se necessário entregar nossas almas iremos prazenteiros.  

                     Quem não conhece nosso hino? E o Nacional? Só se canta hoje em partidas de futebol? Por quê? E na sede, quando a bandeira sobe com o farfalhar do vento porque não cantar? Não dá para esquecer as marchas de estrada, cantando rataplã do arrebol, olhando a curva da estrada, pensando que ao chegarmos lá veremos parte da Pátria, nossas matas, nossas campinas e o orgulho em ter nascido nela nos farão vibrar. Será que hoje ainda se canta como antes? O Rataplã faz parte ainda de alguma prova Escoteira? Ou canta-se por cantar? Afinal é nosso hino e isto não devia nos fazer vibrar? Não sei não, mas parece que cantar hinos hoje é ser ultrapassado. Falam tanto que escoteiros não marcham, que não podem fazer ordem unida que cantar hinos deve ser um atraso de vida. Será isto mesmo? Uma vez escrevi sobre nossos heróis do passado, e um jovem me interpelou: - Chefe! Meu Professor me disse que ele nunca fora assim. Isto tudo é invenção para eternizar quem não merece.

                     Aí eu fico pensando e quem merece?  O cantor de Rock? Bailar um Funk, um axé, um pagode que muitas vezes são cantados com frases de duplo sentido? Dizia um sertanejo que a baixa qualidade musical está desaparecendo com os sonhos de outras músicas que merecem ser ouvidas e cantadas. Meninos imberbes se apresentam no You Tube, cantando músicas de duplo sentido, pornografia pura, sensualidade excessiva e muitos pais nem sabem o que os filhos compartilham. Bem sei que cantar hinos sem ter uma boa compreensão da letra, sem que alguém diga o que significa, que cada um possa pensar e participar de uma boa discussão ele o hino nunca será entendido. Não importa que música for. Já dizia uma poetiza que não morre aquele que deixou na terra a melodia de seu cântico na música de seus versos. Se ensinarmos a cantar na hora certa, no lugar certo, com um sorriso nos lábios, iremos ver que a esperança de uma canção é uma ave que pousa na alta, que canta melodias sem palavras e nunca cessa.


                   A letra do Rataplã é linda, a letra do Rataplã do mar é espetacular. Enfim nossas canções quando bem cantadas, bem acompanhadas musicalmente falando marcam profundamente. Não sei se hoje os cursos falam sobre isto, se cantam o Rataplã, se lá alguém convida a todos para discutirem a letra. Afinal eu até hoje fico em duvida sobre quem compôs o Rataplã. Afirmam-me que foi Benevuto Cellini. Procurei na internet como Benevuto Cellini e descobri só um, mas se chamando Benvenuto Cellini. Este nasceu em Florença em três de novembro de 1.500. Não pode ter sido ele quem compôs este belo hino. Ele morreu em 1571 e BP nem havia nascido. Mas olhe quem escreveu estava inspirado. Que ele seja lembrado sempre e seria bom que alguém pesquisasse o autor, pois nas letras vistas no Google quando consta só aparece Benvenuto Cellini e não Benevuto Cellini. Alguém poderia descobrir o verdadeiro artista que compôs nosso maravilhoso hino Rataplã?