HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Fraternidade, uma verdade ou uma utopia?


Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro.
Fraternidade, uma verdade ou uma utopia?

                  O tempo no escotismo e claro unido ao tempo de vida nos dá uma vantagem enorme sobre muitos que ainda pisam em terreno desconhecido. Adquirimos uma experiência em saber quais rumos devemos seguir, mas nem sempre eles dizem que acertamos na escolha. Você só de olhar para um órgão Escoteiro sabe se ali está o verdadeiro escotismo. Mas qual seria o verdadeiro escotismo? Apenas fraternidade? Ajuda ao próximo? Formação de caráter? Um grande poeta disse que para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso verificamos a quantidade e, na desgraça a qualidade. Vamos lembrar a frase de Martin Luther King: - A verdadeira medida de um homem não se vê na forma como se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas em como se mantém em tempos de controvérsia e desafio. Estamos vivendo hoje em um mundo que sempre nos leva a perguntar: Será isto mesmo que queremos?

                     Por todos os lados do planeta se fala em fraternidade, em amizade, em ajuda ao próximo, mas na maioria das vezes tudo não passa de uma utopia que nunca atingir a plenitude dos desejos de todos nós. As guerras, as disputas inúteis no ramo financeiro ou no poder das armas, nada disto tem agora uma solução e sabemos que um dia elas virão, por força da formação de todos no mesmo lema: Ajuda ao próximo como a ti mesmo. Eu me volto para o escotismo. Desculpe, o meu escotismo não é este que está aí. Sei que ainda tem os verdadeiros os amantes dos métodos Badenianos, que não se preocupam com as mazelas e ou adversidades contrárias ao que esperamos de um futuro Escoteiro sem contratempo ou afronta como se vê hoje. Fala-se em todas as atividades Escoteiras em amizade em simplicidade, em ajuda ao próximo. Dizem que a amizade escoteira desenvolve a felicidade e reduz o sofrimento, duplicando a nossa alegria e dividindo a nossa dor.

                     Acreditamos que temos uma liderança que se preocupa conosco, que nos ajuda, que nos mostra o caminho e se necessário arregaça as mangas para ficar ao nosso lado nas horas divinas e nas horas da dor. Verdade isto? Se for deixo meus sonhos fugirem com o vento para onde eu não posso seguir. Não vejo isto, vejo muitos dizendo vamos lá, vamos dar as mãos, o nosso irmão precisa de nós. Mas a realidade fica nestas palavras e mais nada. Afinal é tão difícil conduzir e ser conduzido no escotismo que nem mesmo sabemos qual o caminho a seguir. – Salte o obstáculo? Siga nesta direção? Não beba desta água? Caminho a evitar? Melhor mesmo é voltar ao ponto de reunião e ver se conseguimos ajudar e resolver as dificuldades de nossos irmãos. Qual irmão? O Escoteiro meu amigo, temos muitos, mas estamos vivendo em uma organização que se diz fraterna, somente diz, mas não é.

                     Quem liga se o Grupo Escoteiro X está à deriva? Quem liga se outros já desistiram e foram viver suas vidas em suas moradas? Quem arregaça as mangas e diz: - Vou ajudar. Vou tentar arregimentar mais irmãos para tocar e seguir o caminho das nuvens do sucesso! – Verdade mesmo? – Muitas vezes nós mesmos temos culpa e olhe sem querer ser o dono da moral e das verdades, eu já vivi muito isto. Infelizmente muitos grupos a deriva quando oferecemos ajuda nos olham de maneira estranha, como se fossemos tomar o poder deles. Poder? Que poder? Você oferece ajuda, quer estar lá, sabe como é difícil caminhar só, mostra como chegar ao ponto de reunião e os poucos que lá estão não se interessam. Não querem ouvir você. B-P tem razão. Vivemos uma experiência tão grande que erramos muito e quando tentamos mostrar aqueles que nos seguem como evitar isto eles se distanciam.

                       Eu culpo tudo isto uma estrutura arcaica da UEB, ou melhor, EB como diz um amigo meu, que só pensa em uma expansão utópica, em fazer caixa, e chega ao ponto de exigir que para uma atividade internacional tenha de levar o enxoval dela. Enxoval? Nossa! Nunca ouvi falar nisso. Fiquei sabendo que se paga mais que um salário mínimo por ela. Coisa que o Zé das Quantas e o Escoteirinho de Brejo Seco nunca poderão pagar. Para mim enxoval era coisa de batizados, de casamento e etc. O que ela faz, além disto? Ah! Faz grandes atividades cujas taxas muitos não podem pagar. A nossa UEB ou EB é para ricos somente. Ela não está nem aí se o Grupo Escoteiro X vai fechar as portas. Ela não tem nenhum plano para isto. Tem sim planos de faturar mais, de montar esquemas onde o voluntário tem de pagar ou reconhecer firma de documentos que ela passou a exigir para provar que ele existe ou é honesto.

                         Não há saída por enquanto. Os novos lideres que foram eleitos tem planos mirabolantes que nada condizem com a realidade das unidades locais. Nenhum deles fez um pesquisa as bases, perguntou o que deveria ser. Sabem de antemão que os novos que estão chegando vão aplaudir as palavras bonitas, muitas escondidas em trôpegos sinônimos que nada entendemos. E lá vão eles dizer que temos que acompanhar as mudanças comportamentais, as mudanças estruturais do presente, a modernidade de um mundo em mutação constante. Bonito isto.  Mas e o Grupo do meu amigo que está fechando? Ele foi para as estrelas e seus lideres regionais nada fazem. Fazem sim, agora todos estão lindamente vestimentados, seguindo os passos que muitos não escolheram. Deixaram para trás a máxima de ouvir o ponto de vista de rapaz.

                          Mas não será o primeiro. Ele o grupo que está à deriva segue uma tendência nacional. Os que tiveram a oportunidade de crescer não sofrem com isto, mas aqueles cujo ideal era fazer uma juventude alegre, sonhadora, fazendo suas atividades de campo, mostrando um sorriso verdadeiro de um escotismo que acreditam estes um dia podem ter um destino que não escolheram. As ajudas não virão. Quem sabe um ou outro Chefe se deslocará até lá para ver o que se pode fazer. Mas ele sabe que já tem um peso no ombro, dividir em dois não é possível. Um distrital sabe que não tem meios financeiros para ajudar, os presidentes regionais quem sabe não estão preocupados. A liderança nacional só tem uma preocupação. Falar coisas bonitas, e aumentar o caixa. Precisamos de mais?


                     Penso até que nosso movimento teve seu momento de fraternidade. Hoje nem sei se isto é real. Quem sabe é uma utopia pensar que o Escoteiro e o Lobinho pensa primeiro nos outros. E os lideres? O que será que pensam? – Vivemos uma realidade de sonhos, feita por voluntários que também sonham seguidos por jovens que estão desistindo de sonhar, e até de uma liderança que se esqueceu de qual é o seu lugar. Uma utopia. Utopia é o nome que as pessoas dão ao que elas simplesmente não conseguem realizar. Seja por incompetência, seja por egoísmo, por falta de persistência ou pela simples relutância em pôr as mãos na massa e tentar.