HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

domingo, 2 de agosto de 2015

Apenas uma tarde de domingo.


Apenas uma tarde de domingo.

                O corpo de Velho Escoteiro tem andado cansado de tanto subir montanhas e descer escarpas pedrentas dos anos que vão lhe amontando às costas. Há dias que as forças brincam de esconde, esconde. Um corre corre frenético atrás da turma do Jaleco Branco. Uma parada, um olhar em volta e são tantos que ali estão esperando a hora de contar suas nuances suas idiossincrasias ao belo guapo ou a bela Guapa (é assim mesmo?) e esperar uma prescrição ambulatorial para quem sabe dar um salto no espaço e dizer: - Obrigado meu Deus, por estar aqui novamente a tentar fazer o possível pela vitalidade momentânea, pois o resultado final eu alcançarei daqui a pouco. Assim vão os dias e as horas passando e a gente esperando melhorar. Mas vamos chegar lá com toda certeza.

             O vício frenético de uma “Passada no face” nos força dar uma olhada, sentir o prazer de rever amigos, de ver seus escritos, comentários coisas que enche o peito e a alma de um Escoteiro que hoje não pode mais velejar a não ser em suas saudades, São tantas palavras amigas, tantos a nos desejarem um céu azul cheio de felicidade que ficamos nas recordações de agradecer pessoalmente a cada um. A distância é enorme e somente um breve brilho de mente nos concede o Senhor para agradecer aqueles que nos querem bem. As escritas de cada um vão sendo anotadas no cérebro e dá uma vontade de agradecer, escrever, dizer muito obrigado, mas são tantos e os fármacos tomados e os efeitos ainda não se fizeram sentir.

            É gostoso ler, ver o que pensam suas sugestões, suas ideias, seu modo de vida e a gente pensa que poderia ser assim também. Passo um dia sem aparecer e lá estão dezenas deles curtindo e comentando. Meu sorriso desabrocha, mas são tantos o que fazer? Minhas forças não ajudam, e mal e mal escrevo o que ainda me segura no meio deles, meus sonhos, meus amores, meu passado Escoteiro meus sentimentos, meus contos, minhas lendas e artigos em profusão. Olho os novos que chegam, aceito todos, minhas páginas são abertas e não há contraditórios para dizer não. Fiquei pasmado e perplexo com os dizeres dos amigos que me deram a honra de pedir por e-mail meus livretos, historietas para terem em seus arquivos e um dia pudessem traduzir os pensamentos de um Velho Escoteiro.

                Chefe! Sou seu amigo, seu fã, leio tudo que escreves! – Demais isto não? Meu peito onde o ar se foi volta a crescer de orgulho. E as demais amigas a dizerem tantas coisas bonitas que mesmo tentando manter o ânimo de bom moço, bem casado sorrio leve a pensar: - Hã se eu fosse mais novo o que faria? Risos. Nada, nada, pois sem a minha Celia eu não seria ninguém e graças a ela eu sou o que sou hoje. Muitos gostam das minhas escritas e outros até são mais verdadeiros dizem que nem tudo que reluz é ouro. Sou um pedante em não aceitar os dizeres dos mandantes da UEB. Bem eles tem razão, não bato palmas para eles, pois não tenho nenhum vínculo com o que fizeram e minhas criticas são pela falta de sensatez que fizeram do nosso passado e desfizeram sem dar a mínima para os que montaram em seus moinhos de vento acreditando que um dia o sucesso iria chegar.

                 Não aceito e nunca vou aceitar que façam tudo como fizeram sem pedir opinião. Nunca vou aceitar imposição. Transparência é sinal de respeito e respeito é bom e eu gosto. Consultas são feitas pelos que tem por você como mais um da associação e não imporem ideias por determinação própria. Nossa historia escoteira está indo para o limbo. Estão a fazer-nos uma associação de desmemoriados. Não houve a preocupação e o respeito devido. Tudo foi alterado porque uns poucos acreditaram assim. E se alguém ainda sabe de alguma do passado são fantasmas do passado que como eu estão a lutar para informar que nem sempre foi assim. Foram pródigos em desmanchar o nó górdio do que um dia fomos. As tradições aos poucos vão sendo esquecidas. Em pouco tempo não haverá mais nada para lembrar.

               Hoje vivemos do presente e falam até em um futuro promissor, mas povo sem passado nunca terá futuro que possa lhe dar o sucesso que merece. Quem acompanhou seus passos suas promessas sabem que ainda continuamos sem respaldo, sem aceitação, existe uma sociedade escoteira que nem sabe que existimos. Mudaram tanto, fizeram das nossas boas lembranças gato e sapato e mesmo aqueles que nunca conheceram o seu passado a eles também não foi lhes dado o direito de consulta, de saber o que pensam ou como deveriam agir. Tudo foi imposto, determinado uma ditadura em um movimento fraternal. Preciso dizer mais? Diga-me meu amigo ou minha amiga, alguém da alta direção já lhe fez alguma consulta? Já lhe perguntou se deveria ser assim? Vocês por acaso já ouviram falar em pesquisas? Sabemos que elas nunca existiram. Meia dúzia decide e pronto. E você como bom companheiro Escoteiro obediente e disciplinado sorri e nada diz.


              Mas hoje eu vi uma luz. Pequena, de alguém que não concordou e lutou para fazer valer seus princípios, suas escolhas e mesmo nunca tendo a honra de cumprimentá-lo pessoalmente, pois somos amigos distantes fiquei orgulhoso. Bem vindo Mário ao clube dos Caqueanos. Não importa os que disseram o contrário de sua escolha, importa sim que você é digno, um Chefe que merece meu abraço e meu Anrê, e olhe o dia que nos encontrarmos irei tirar o meu chapéu que tanto orgulho, fazer uma circunferência a moda antiga como se estivesse saudando reis e rainhas e dizer – Bravoo meu amigo. Bravoo. Estou mesmo orgulhoso de você com seu novo uniforme a mostrar que és um verdadeiro Escoteiro do Brasil!