HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

MARKETING NO ESCOTISMO - UMA UTOPIA?




Utopia
O sonho inalcançável... um desejo que parece ser impossível conquistar
O utopismo é um conceito originado da palavra Utopia, o utopismo consiste na idéia de idealizar não apenas um lugar, mas uma vida, um futuro, ou qualquer outro tipo de coisa, numa visão fantasiosa e normalmente contrária ao mundo real. O Utopismo é um modo não só absurdamente otimista, mas também irreal de ver as coisas do jeito que gostaríamos que elas fossem.

Marketing escoteiro – uma utopia?

Muitas histórias que os escoteiros não contaram e que contadas poderiam ser uma utopia, ou seria um Marketing?

Os lobinhos maravilhosos

- Era um domingo e como sempre eu e minha noiva costumávamos passar as manhãs em um parque no centro da cidade. Ali observávamos os pássaros, a grama verde, as flores, e podíamos conversar trocar confidencias, enfim muitas coisas que um casal jovem como nós temos como interesse comum.

 Observamos a chegada de uma turminha alegre de jovens, garbosos em seus uniformes, cantando, brincando e junto alguns adultos, também sorridentes e amigos daqueles pequeninos maravilhosos. Passando algum tempo, uma parte deles, se dirigiu onde estávamos e elegantemente com um sorriso no rosto, o que devia ser o líder me convidou a participar de um jogo, onde eles teriam que levar um casal jovem, até toda a “Alcatéia”, e lá recitar os dois em voz alta, a Lei do Lobinho. Eles nos ensinariam a lei. Claro que aceitamos.

Quando lá chegamos outros casais alguns mais jovens e outros mais velhos, também recitavam temas diversos. Na nossa vez, falamos bem alto, para fazer com que a matilha (nos explicaram) tivesse um bom destaque na escolha – O lobinho ouve sempre os Velhos Lobos. O Lobinho pensa primeiro nos outros. O Lobinho abre os olhos e os ouvidos. O Lobinho é limpo e está sempre alegre. O Lobinho diz sempre a verdade. Foi uma alegria, logo estávamos enturmados e em pouco tempo nos convidaram a visitar a sede nos dando o endereço por escrito. Foi para nós eu e minha noiva, um dia maravilhoso.

Observamos que todas as pessoas presentes no parque, também se interessaram, e sorrindo participaram com aqueles jovens a alegria daquele momento que seria inesquecível.

O escoteiro é puro nos seus pensamentos nas suas palavras e nas suas ações
                                        
- Eu morava naquela cidade há muitos anos. Conhecia boa parte das pessoas no meu bairro, principalmente porque após me formar em odontologia, muitos deles eram meus clientes. Naquela manhã, estava eu atendendo um conhecido quando a secretária adentrou na sala e disse que um jovem escoteiro queria falar comigo e se possível naquele momento, pois ele teria que voltar para a casa indo à escola em seguida e não podia chegar atrasado. Era uma terça feira, e pedindo licença ao cliente, fui atender o jovem escoteiro.
Ele me cumprimentou (estava acompanhado de um adulto que deduzi ser seu pai) e explicou o motivo de sua rápida visita. Estava ele de uniforme, garboso sem excessos e notei que exibia um orgulho próprio de si próprio, sem impostar a voz e falando educadamente. Dizia-me que no dia anterior, ao sair da escola, procurou outro amigo para ir ao centro da cidade, já que seus pais tinham autorizado e lá ele viu atrás de um banco na praça, uma carteira. Verificando seu conteúdo, encontrou meu nome nos documentos e como bom escoteiro (ele dizia) fazia questão de entregar pessoalmente.

Fiquei surpreso, pois tinha deixado nela uma boa quantia em dinheiro e não acreditava que alguém me devolvesse. Por isto mesmo já tinha tomado todas as providencias legais para não haver futuros aborrecimentos. Verificando seu conteúdo, nada havia sido retirado e retirando uma nota de R$50,00 ofereci como agradecimento. Ele surpreso, me repreendeu educadamente, dizendo que ele era um escoteiro e sua obrigação era entregar. Sua boa ação estava naquele ato e se recebesse, não era boa ação. Perguntei para ele como era sua vida escoteira e ele me explicou a lei, a promessa e os objetivos do escotismo.

 Nunca na vida encontrei um jovem como ele. Educado, prestativo, leal e com um novo sentido de honra e caráter difícil de encontrar hoje. Deram-me bom dia, e alegres, pai e filho lá se foram, me deixando perplexo, sem saber o que falar. Mas agora sabia e muito bem, o valor daquele movimento e de maneira nenhuma deixaria de falar aos meus amigos sobre ele.

Os seniores e sua boa ação mensal
                                          
- Naquela quinta feira, eu estava nervoso (era responsável por um hospital de subúrbio, pequeno (e que fazia questão de manter em bom nível) devido a um numero maior de pacientes que adentraram pela manhã a procura de ajuda. Procurava colaborar sempre nestas horas, mas os demais médicos e enfermeiras, assim como outros colaboradores não procuravam manter à calma que tanto eram necessárias nestas horas.

E para surpresa minha, eis que seis jovens aparentando 15 a 17 anos adentraram em minha sala, sorrindo, bem uniformizados e educadamente me pediram um minuto do meu tempo. Claro que o daria, tinha eu sido escoteiro em minha juventude e guardava boas lembranças daquele tempo. Dizia um deles, auxiliado pelos demais, - Estavam à procura de uma boa ação coletiva, e esta seria realizada por um ano inteiro.

 Tinham a intenção de colaborar dentro do possível com os jovens internados, conversando, brincando, cantando e transmitindo otimismo a todos aqueles que sofriam e precisavam de ajuda. Claro que seria em horário e dia determinado e estariam dispostos a obedecer pontualmente todas as normas e regras impostas ou que já existiam para visitantes naquele hospital. Junto ao comercio local, tinham conseguido uma quantidade razoável de brinquedos, para diversas idades e pretendiam presentear aos que ali permaneciam internados.

Fiquei surpreso com tudo e voltando ao passado quando também era como eles, de pronto autorizei a atividade por eles solicitada. Pedi que alguém da patrulha passasse no dia posterior, onde iria entregar por escrito as normas do hospital e que na primeira vez, uma enfermeira capacitada ia acompanhá-los para evitar que alguém pudesse sofrer alguma conseqüência principalmente os jovens internados. Alguns meses depois, com alegria, ouvia os comentários dos funcionários e médicos, sobre a atividade dos seniores, uma das poucas coisas boas que nosso hospital agora se orgulhava em ter.

O banco de sangue e o grupo escoteiro
                                                     
- Minha esposa chegou a casa naquela noite, bastante atrasada e eufórica. Perguntei o que tinha acontecido e ela me contou entre surpresa e motivada o que aconteceu. Ela era a enfermeira chefe de um banco de sangue na cidade, que atravessava uma grande dificuldade devido o número de doadores estar escasseando a cada dia.

O diretor já havia tentando fazer uma campanha de marketing na cidade, e mesmo com a imprensa falada e escrita pouco tinha conseguido. Hoje para minha surpresa adentrou um senhor com uniforme escoteiro, sorridente e perguntando se tínhamos condições de atender 50 adultos que estavam lá fora, prontos a fazer uma doação de sangue e se todos eles seriam atendidos ainda naquela tarde, pois muitos estavam em horário de trabalho e outros tinham comercio próprio.

Claro que sim disse e ao mesmo tempo chamei outras enfermeiras e funcionários para tomar todas as providencias necessárias. Eis que fui conhecer o grupo, pais e chefes escoteiros, alegres, conversando educadamente entre si, sem algazarra, sorrindo para mim e alguns contando o porquê estavam ali. Fiquei sabendo que no mês anterior, durante um Conselho (Congresso) do Grupo, um pai que era médico, perguntou se só os jovens faziam boas ações e porque os pais e os chefes não faziam o mesmo.

Foi uma surpresa geral, pois ninguém esperava que o assunto daqueles fosse ali comentado. Mas a discussão foi frutífera e ali mesmo, com a sugestão do pai/médico, a boa ação fora marcada com dia e hora. Seria ponto de honra para o Grupo a participação de todos. Não haveria uma comunicação previa ao banco de sangue, pois não queriam uma publicidade anterior pelo fato da preocupação de haver muitas faltas e o número presente seria quem sabe irrisório. Mas isto não aconteceu. A participação foi geral. Eu mesmo informei ao diretor, que comunicou a imprensa e o fato foi muito comentado na semana de como os escoteiros adultos fazem suas boas ações junto à comunidade. 
                                           
Áreas de interesse – A escolha de um clã

- O Clã pioneiro estava em reunião e naquela noite conversavam entre si o que poderiam fazer naquele trimestre como forma de áreas de interesse que poderiam redundar não só no conhecimento geral, mas como também uma ajuda a comunidade em forma de boa ação coletiva. Todos opinavam de maneira franca, pois era um clã antigo, com um casal de mestres pioneiros e dois pais que ali iniciavam sua seara naquele ramo.

Eram mais de 14 pioneiros, entre moças e rapazes, a maioria advindo dos seniores e que queriam continuar sua vida escoteira não atuando como escotistas, mas se prontificando a ajudar no que fosse possível. Um assunto posto logo chamou a atenção, não só pela dificuldade em aprender como de que maneira poderiam ajudar. Um pioneiro e uma pioneira, estudantes de medicina, tinham focado o tema da Hanseníase. Eis o que explicaram: - é uma doença humana, transmissível e curável, que ataca os nervos periféricos e a pele.

A doença já foi conhecida de forma errada e com trágicas conseqüências pelo nome da letra. Mudou de nome, pois a lepra significa em grego e na antiguidade, as doenças escamosas, e à medida que suas causas foram descobertas, essas passaram a ter denominação apropriada. O assunto foi muito discutido e comentado. Ao final uma equipe ficou encarregada de ver onde tem uma colônia de hansenianos e de que forma os pioneiros poderiam ajudar.

Mais tarde todos ficaram sabendo que a maioria das colônias foram extintas no mundo e no Brasil. O estigma da palavra leprosário afastava mais e mais o hanseniano da sociedade. Hoje, A colaboração governamental se faz através de hospitais próprios, e ajuda para que a família substitua estas colônias e o tratamento possa ser feito dentro da maior realidade possível.

Dois meses após, os pioneiros começaram o trabalho junto a hansenianos da comunidade, pois receberam treinamento próprio e endereços e assim, nos finais de semana por muitos bairros daquela cidade, viu-se jovens uniformizados, trabalhando e educando uma sociedade local que desconhecia completamente a palavra hanseniana.

A doação inesperada

- Por intermédio de uma amiga, fiquei sabendo que dirigentes da Região Escoteira local, receberam a visita de um Advogado muito conhecido, e que a principio desconheciam o assunto que o mesmo trazia a uma reunião marcada com antecedência. Para surpresa de todos, um conhecido empresário, conhecido pela magnificência e trabalho comunitário, fizera questão de doar uma bela quantia ao movimento escoteiro, pois quando jovem fora escoteiro e trazia dentro de si as raízes de uma época áurea, que o marcou durante toda a vida futura.

 Ele, o empresário achava estranho nunca ter sido procurado, pois o contrário não aconteceu devido ele não ter conhecimento de como estava o movimento e quem o dirigia. Sua colaboração através de doação, também colocaria esta região escoteira no seu testamento com anuência de suas família e quando ele como dizia folgadamente, passasse desta para a melhor. Ele somente exigia que houvesse relatórios mensais, enviado a sua empresa, para que fosse analisado onde estaria sendo empregado sua colaboração financeira.

 Tudo isto aconteceu devido a um numero elevado de profissionais escoteiros, que estavam fazendo um excelente trabalho na comunidade e o havia visitado no mês anterior. Também ele fizera sua parte, comunicado a outros amigos e indicando a cada um como provável doador ao movimento escoteiro. O marketing era uma marca toda especial feita pela região escoteira e os resultados começaram a aparecer.

Dias antes durante a comemoração de uma data especial, tinham eles conseguido que a direção nacional fosse entrevistada em um programa de alcance nacional e o entrevistador que era um antigo escoteiro e grande admirador disse que nada colaborou antes por não ter sido procurado. Agora ali, junto às autoridades escoteiras nacionais ele via que um grande salto foi dado para o crescimento do escotismo em nosso país. Com a conseqüente diminuição da evasão e a aplicação correta do método escoteiro, houve uma melhoria significativa na formação de adultos que conseqüentemente era transmitida aos jovens.

Nota-se que um grande número de profissionais escoteiros trabalhavam a todo vapor, nas diversas regiões escoteiras, distritos e até em grupos escoteiros. A quantidade e qualidade deram um salto enorme para que o escotismo fosse reconhecido. Esta amiga inclusive me contou um fato acontecido em sua empresa, que na busca de um profissional executivo, o diretor deu preferência a um antigo escoteiro que  recebeu em sua juventude os maiores distintivos especiais tais como o Liz de Ouro e Escoteiro da Pátria.

Ele, sabendo que na história de outro pais dava-se grande valor aos ex-escoteiros, tomou conhecimento que em determinada época, para ser aceito como candidato a astronauta da NASA, era preciso ter sido escoteiro e recebido “o eagle scout” o maior distintivo entregue aos jovens americanos.

Sonhar não é bom?

"A utopia está lá no horizonte. Aproximo-me dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar".