HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

domingo, 1 de janeiro de 2012

PROGRAMANDO O PROGRAMA - PARTE II


Programando o programa – Parte II

"Existem quatro coisas na vida que não se recuperam:
- a pedra, depois de atirada;
- a palavra depois de proferida;
- a ocasião, depois de perdida e
 - “o tempo, depois de passado.”
Almodóvar

       Todo mundo conhece, todos os escotistas fazem. Afinal nada se produz sem ele. Alguns simples, outros complexos, mas todos com o mesmo objetivo. Conheci em minhas atividades escoteiras, muitos programas bons, outros nem tanto. Junto a tantos outros amigos escotistas, fizemos programas de sessões, de Diretoria, de Conselho de Chefes, de Atividades Especiais, de Grandes Jogos, de Região Escoteira, De Ajuris, de Elos, de Adestramento, de Atividades Nacionais e até algumas internacionais.

      Mas o que significa a palavra programa? Vejamos:

-  Quem sabe uma exposição resumida que um individuo ou sessão faz dos seus principios ou do caminho que se propõe a seguir?

-  Ou um conjunto de instruções, de dados ou de expressões registradas? Ou enumeração dos propósitos de uma sessão?

-  E finalmente, uma sequência de matérias que se hão-de ensinar em uma atividade?

        Não vamos complicar. Todos sabem o que é. Mas uma coisa eu garanto, os programas devem se entrelaçar. Como? Pensando em termos que todos os orgãos do grupo os têm (um programa). Para isso todo final do ano em reunião propria para este tema, se reuniram a Diretoria, o Conselho de Chefes, o Conselho de Pais (se o grupo possuir) onde todos opinaram e claro, lavrado em ata. Ops! Estou falando do programa geral. Não do programa de sessão.

     Claro que de posse do programa do grupo fica mais fácil a alcatéia, as tropas ou o clã fazer o seu sem se preocupar com alterações. Alguns até gostam de ter os programas de sessões primeiro antes do geral. Não discuto. Dificil imaginar um bom programa onde ele sofre constantemente modificações, adpatações e é fustigado por terceiros para sempre colocarem alí, mais um ou outro parágrafo que antes não estava programado. Como? Do tipo, olhem apareceu uma linda atividade do distrito, da região e porque não de outro grupo irmão escoteiro. Não podemos faltar. Ou quem sabe, recebemos um convite da autoridade tal e temos que ir. E assim o programa inicial vai ficando todo desfigurado.

     O Diretor Técnico deve ser o primeiro a exigir que tais modificações não aconteçam. E se assim for necessário, que se ouçam os interessados. Desde os graduados nas sessões até os jovens se não existir outra saída. E claro que se deve respeitar suas opiniões. Um grupo autocrático, não é um bom lugar para viver. (Autocracia é um conceito político. O termo vem do grego autos (self) e khratos ( governo ). Designa o sistema de governo cuja autoridade repousa sobre uma única pessoa, sem limite: o autocrata (que governa em si).

     O POR nos abre uma porta nas atividades democráticas em um Grupo Escoteiro. No entanto já ví e ainda vejo alguns escotistas que não sabem diferir uma democracia de uma tirania, despotismo, ditadura, autoritarismo ou totalitarismo. A falta de conhecimento das normas e estatutos por grande parte dos adultos do movimento escoteiro faz com que muitos saem do escotismo. Tudo devido à arrogância de um lider despreparado e outros saindo “atirando” e prometendo continuidade em outra parte, mas cujos resultados são pífios.

            Tenho recebido de diversas partes do país, casos que considero enquadrado em tudo que disse e que sempre aconteceu. Um lider, que organizou ou fez “seu” grupo, se acha acima de tudo e dita às normas que lhe são convenientes. Claro são exceções, mas essas exceções pululam aqui e alí. Elas mancham e denigrem nossa imagem e nossa organização. Com isso nossos programas se tornam inúteis, os jovens abandonam e a percepção é que o sorriso dos que  ficam substitui todos os erros cometidos. O que não é verdade.

     Mas vamos ao cerne da questão. Em outros artigos comentei sobre o programa diretamente ligado aos jovens. Claro, pensando em tropas. Nas alcatéias seria até bom ouvir o Conselho de Primos (muitos não o fazem) e isso daria a eles (os primos) os primeiros passos de aprender a viver democraticamente. Quanto às tropas, opiniões de escotistas pululam aqui e alí. Alguns dizem que o programa é surpresa (?) e os jovens gostam mais. Outros se debruçam dias matutando, lendo e pesquizando para montar um ou no máximo quatro programas, que na falta de um melhor enfurnam em suas atividades semanais.

      O "Velho" personagem que criei no blog http://chefeosvaldo.blogspot.com, comenta sobre o tema de uma maneira clara e objetiva. Claro é meu modo de pensar, no que aprendi e vivi. Eu escreví os artigos alí publicados. Sempre disse e Baden  Powell me ensinou no Escotismo para Rapazes, que o melhor programa é o desenvolvido pelos rapazes (hoje as moças também). São eles a parte interessada e eles o fazem com perfeição em seus bairros, na sua rua, com os amigos que alí sempre junto por anos e anos a fio. Difícil? Não. Fácil? Talvez.

      O que os escotistas me dizem? Eles os jovens não estão preparados. Acho, dizem (não gosto da palavra acho) que se eles o fizerem, não haverá nada prático. Muitos até irão sair, pois vão ver tudo diferente. Pode até ser. Mas foi tentado? Foi dado a eles ideias, sujestões, instruções e aberto um leque de oportunidades? Claro, não estou aqui a dizer que o que escreverem será feito. Tampouco será deixado de lado. Para isto tudo deve ser discutido minuciosamente no Conselho de Patrulhas, no Conselho de Monitores e só após junto a Corte de Honra será ouvida e então determinando qual o programa será utilizado.

      Nenhum programa ficará sem o “tempero” do chefe e dos assistentes. O que seria o “tempero”? – Jogos, canções, Conversa ao Pé do Fogo, e claro as sujestões que não estarão ao alcance deles. Tais como, atividades distritais, regionais e nacionais. Mas é importante que estas não ocupem nada mais que 15% do programa anual. Se claro, aparecer alguma no ano, devem meditar muito antes de mudar. Nunca sem consultar os órgãos competentes de sua tropa.

      Já ví casos de cizâneas, discordias ou mesmo dissensões entre escotistas, simplesmente porque as sessões não quiseram comparecer em programas de última hora. A harmonia que deveria haver no Grupo Escoteiro foi prejudicada porque um ou outro quis forçar uma situação que não estava nos planos da tropa. Veja bem, os escotistas, os jovens podem ter feito algum programa particular e claro é um desrespeito alterá-lo.

     Tentem pelo menos algumas vezes em dar oportunidade aos jovens na sua sessão para fazer, montar e quem sabe até dirigir um programa em sua tropa. No entanto não se pode esquecer que isto nunca dará certo se o Sistema de Patrulhas não for a chave mestra em tudo que lá se faz. Deixe que façam hoje, o de amanhã e se ver que a presença está melhorando, os horários são curtos, pois pedem mais tempo (estão gostando e acham o tempo pouco), então estarão no caminho certo.

       Agora, vejamos que é dificil a sessão que não está fazendo um bom sistema de patrulhas, onde o monitor é figurante e onde o adestramento (formação) do jovem é feito pelos escotistas, construir em pouco tempo bons programas. Não vou entrar aqui no mérito do Sistema de Patrulhas. Ele é a chave mestra da formação escoteira. Desculpe alguns que me dizem que fazem. Formar por patrulhas, alguns jogos por patrulha, não significa que se está fazendo realmente o sistema de patrulhas em sua sessão. (vide Reuniões de Tropa neste blog)

          Como diz BP e coloco aqui suas palavras, se ainda não “pegaram” o que é o sistema de patrulhas, se ainda não sabem trabalhar com seus monitores então tem alguma coisa errada na sua tropa. Tentar é mostrar também o caminho. Se quiserem começar com bons programas feitos pelos rapazes e moças dêem um crédito. Se estiverem fazendo ha anos e agora querem resultados em meses, não vai funcionar.

       Só posso garantir que por experiencia própria, reunir na sede, em casa, ou na residencia de um assistente para montar programas de tropa dá um trabalho enorme. Um escotista amigo me disse que hoje é mais fácil. A internet facilitou tudo. Voce pode trocar ideias, marcar reuniões, colocar programas, sugerir e tantas outras coisas. Até vi recados de escotistas dizendo: - Sábado não tem reunião. Vão no domingo no lugar tal. (?) Isto está certo? Será que o grupo conversa entre sí aos sábados? Será que seus programas existem? Afinal não somos uma familia lá no grupo? Ou seria melhor pedir aos membros da minha familia entrar em um site para saber dos meus recados?

          Tudo que disse e comentei sempre assino em baixo com o que BP dizia. O importante são os resultados. Quais são eles? Evasão mínima. Crescimento técnico, intelectual, e claro, caminhar com as próprias pernas. Formação moral, do caráter, e dar tudo aquilo que a Lei Escoteira possa oferecer a um adulto. É tão bom saber que uma patrulha está junta por anos e podemos confiar que tudo vai dar certo. E depois do passar dos anos, ver aqueles que foram nossos jovens, estarem dentro da cumunidade agindo como verdadeiros escoteiros. 

Um bom programa fará com que isto aconteça. Sempre me bati na tecla que não temos tanto tempo assim. Temos os nossos afazeres, nossas atividades profissionais e nossa familia. Alguns me dizem que não se preocupam com isso, toda a familia está participando. Ótimo. Mas seria isso que é se pretende de uma familia? Não existem familiares, amigos, atividades sociais enfim uma gama enorme que não são do movimento Escoteiro e não teriamos que participar em sociedade?

        Tudo que é bom hoje pode não ser bom amanhã. Dizem que uma mente que foi esticada por novas idéias, nunca poderá recuperar sua forma original. Não sei. Nossa força depende de nos mesmos assim dizia um sábio e um filósofo completava – As pessoas tomam caminhos diferentes qundo buscam a felicidade e o contentamento. O fato desta rota não corresponder à realidade não significa que voce perdeu. Portanto mudanças são boas, desde que analisadas e verificadas se estão dando certo.

        Não adianta voce pensar ou se reunir com outros escotistas e analisarem tudo que fizeram. Os resultados só serão honestos se analisados com imparcialidade. E sem os jovens isto não existe. Devemos conhecer os resultados e não sufocá-los com crendices, simplesmente porque pensamos assim. Desta maneira nunca iremos ver se o caminho percorrido foi um sucesso.

       O melhor caminho vencido é aquele em que os rapazes e moças estarão reunidos por um bom tempo, onde sempre estaram a espera da próxima reunião, o próximo acampamento ou a próxima atividade com ansiesidade. E voce junto aos seus assistentes, poder vê-los fazer uma rota senior ou uma ponte pioneira. Assim serão recompensados por tudo que fizeram certo.

      Mas lembrem-se, recompensas mal distribuidas desanimam os que as merecem, claro no caso dos assistentes, e pouco se pode esperar de alguém que só se esforça quando tem a certeza de vir a ser recompensado.  Trabalhar com eles faz parte de um bom lider. Já se dizia que o melhor lider é aquele que tambem sabe ser liderado. Procure acompanhar o crescimento de sua tropa. Veja o que está acontecendo quando alguns não estão participando. Se não estão vindo mais as reuniões tem motivos. Se o numero de novos é maior que os antigos que sairam está tudo errado.

     Um Grupo Escoteiro é uma familia. Unida. Fraterna. Onde o respeito mostra o gráu de crescimento de cada um. Voce faz parte da familia. Veja onde é seu lugar e trabalhe para que todos sintam felizes no desenvolvimento de suas tarefas. Não existe tarefa fácil. Formar caráter não é fácil. Mas o Movimento Escoteiro através do seu método simples facilita sobremaneira a atingir esse objetivo. E é um orgulho quando podemos ver homens e mulheres que um dia conheceram a maravilhosa Lei Escoteira. E sabemos que atingimos nosso objetivo. Honra e caráter e porque não dizer – Ética e altruismo!

A recompensa que se ganha da realização de um trabalho são as experiências e os conhecimentos que adquirimos e a sensação de ter contribuído para alguma mudança.