HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sábado, 3 de dezembro de 2011

ACAMPAMENTO, UM SONHO POSSIVEL



"Apenas no campo temos a oportunidade de conhecer uma pessoa ou um livro."
 (Cyril Connolly)
     Acampamentos - Um sonho possível

Tenho pesquisado como as tropas escoteiras, seniores e guias, como têm feito seus acampamentos anuais e mensais. Nas fotos destas atividades que vejo na internet, uma boa parte pode-se dizer que ficam a desejar no que se espera conforme preceitua o Método e Sistema de Patrulhas. Ainda bem que uma boa parte está fazendo seus acampamentos dentro dos padrões esperados.
Sem criticas aos primeiros, pois hoje sei que tudo mudou. Os acampamentos de hoje não são a mesma coisa de ontem.  Alguns dirão que isto só foi possível no passado e que hoje é impossível. Discordo. Estou na maior cidade do país e consigo sem sombra de duvida, vários locais onde as tropas podem acampar dentro dos padrões esperados. Talvez não como antes, mas posso sugerir como, quando e onde de uma maneira simples, mas que depende e muito dos dirigentes dos grupos.
Outros dirão que a criminalidade, as mudanças climáticas, e outras dificuldades da modernidade, aconselham outros tipos de acampamentos. Sugiro que mudem o Método e o Sistema de Patrulhas. Também irão complementar que o jovem de hoje não quer mais ser um herói, um explorador, alguém que vai deixar sua casa, sua internet para aventurar em atividades desconhecidas.
Tenho dúvidas e muito. Tenho certeza que ele ainda sonha com um acampamento em uma floresta, bosque ou mesmo um lugar longe da civilização, pois foi isto que o fez entrar para o Movimento Escoteiro. Neste acampamento dos seus sonhos ele junto de sua patrulha, escolheu seu campo, armou sua barraca, montou seu campo de patrulha, sua mesa coberta, um fogão suspenso, boas fossas (de líquidos e detritos), Pioneiras diversas para guarda da intendência, do material de sapa, de um lindo pórtico, de um cercado simples, com um mastro para colocar a bandeirola seja esta da patrulha ou da eficiência geral.
Continuo afirmando, que ele sonha que o campo de patrulha é uma extensão de sua casa, e o suor do seu rosto é um orgulho que o mantém por ter sido mais um na construção e montagem.
Ele é claro, sente e vê que o trabalho em equipe, valeu. Vai sentir durante o dia o sol quente no rosto com um sorriso e a tarde, vai tomar seu banho na bica de águas límpidas, feita também pela patrulha e nem vai lembrar-se do chuveiro quente de sua casa. Vai aproveitar este momento e lavar as meias ou peças de roupas que ficaram sujas.
Sabe que ali, eles são os lideres, e que os chefes só entram no seu campo quando convidados ou mesmo quando for para uma inspeção ou mesmo numa situação de emergência. Conhecem o programa e sabem o que vai acontecer durante o dia e a noite, e farão suas refeições feitas pelo cozinheiro da patrulha, onde por sorteio diário qualquer um deles poderá ser o ajudante de cozinheiro, o faxina, o escriba, o almoxarife ou mesmo qualquer atividade designada pelo Conselho de Patrulha e claro, se escolhido fará com muito orgulho. Ao ver todos assentados a mesa feita por eles, rindo, cantando e comendo a refeição preparada com muito carinho, vai valer para ele uma experiência de vida, que irá manter por toda a eternidade.
Quando pela manhã, receberem a visita dos chefes para a inspeção, irá sorrir e ter o orgulho de saber que foi ele com seus amigos que construíram tudo sem o auxilio da chefia, que muitas vezes se intromete onde não é chamada, não deixando que aprendam a fazer fazendo. (desculpem-me os escotistas o trocadilho, mas de vez em quando é verdade)
Quando na hora da chamada geral, para o cerimonial de bandeira, vai ver que sua patrulha não foi à melhor, mas também não foi à pior, conseguindo o troféu eficiência do dia e luta para a eficiência geral de todo o acampamento.
Durante o jogo pela manhã, irá correr, transmitir sinais, seja por fumaça ou bandeirolas, irá trabalhar com cordas, atravessar córregos em ponte suspensa ou pênsil feitas pela patrulha, construirá armadilhas, irá jogar lealmente e terá orgulho que tudo ali foi preparado por eles mesmos, totalmente diferente dos acampamentos nacionais pré-montados por adultos, para receberem os jovens no encontro anual, cuja graça é a confraternização e que muitas vezes deixam a desejar por encontrar alguns que não tem o espírito escoteiro.
E quando a noite chegar, já começará a sentir saudades, pois sabe que este acampamento está terminando, mas haverá muitos outros, pois o Conselho de Patrulha de comum acordo com a Corte de Honra, assim o decidiu.
Vai cantar brincar, representar no Fogo de Conselho. Vai manter na memória tudo que viu e sentiu. O calor do fogo, as brasas sorridentes jogando fagulhas para o céu e vai sentir a emoção na hora da despedida, com as mãos entrelaçadas ao redor do calor, dizendo que não é mais que um até logo, não é mais que um breve adeus e de seus olhos uma pequena lágrima de alegria já altas horas da noite vai descer e molhar a terra úmida junto com o orvalho que cai.
Vai deitar na relva e ver as estrelas brilhantes, idas e vindas de satélites, estrelas cadentes, talvez uma lua cheia, vai sentir o cheiro da terra, o cantar dos pássaros noturnos, o piar da coruja num carvalho próximo. Vai ouvir os sapos coaxando na lagoa de águas azuis, agora cinzentas com o avançar da noite e no rosto sentirá a brisa fresca que sopra vindo a sudeste do acampamento.
E na barraca, junto aos seus amigos, o sono virá, e muitos sonhos irão acontecer. Vai dormir abraçado com o sucesso obtido e vai acordar pela manhã sorrindo e cantando, acorda escoteiro acorda que o galo já cantou...
E quando no final, na despedida do campo, irá olhar com orgulho o desmanche. Sabe que junto aos outros, formaram uma grande equipe. O local de campo está irreconhecível. O madeiramento foi empilhado cuidadosamente em local pré-determinado pela chefia. As ferramentas foram afiadas, oleadas e guardadas na caixa de patrulha. A barraca foi desarmada e dobrada com carinho, pois ela será usada por muitos e muitos anos ainda. O vasilhame de dar orgulho de tão limpo. Nada se perdeu. Ele sabe que sua patrulha é responsável e claro, o intendente é um incansável cobrador. Tudo bem embalado para a volta, sem a necessidade de marcar um dia na sede para arrumar tudo de novo.  Isto é para patas-tenras!
E já no ônibus na volta, irá com seus amigos e as demais patrulhas cantar canções mil, e embalados pelo sonho do acampamento, irá acordar já na sede, vendo seus pais aflitos, a espera, sem saberem que naquele dia, ele teria crescido mais, e que tudo que aprendeu e realizou será guardado na memória por toda a vida.
É assim que sentimos que um acampamento feito dentro dos moldes do Sistema de Patrulhas, tem um efeito de longa duração. Claro, bem planejado e com as patrulhas sendo adestradas antecipadamente nos meses anteriores.
Quando se tem patrulhas bem formadas, os acampamentos se tornam rotina para uma saída de fim de semana ou mesmo de vários dias.
Conheci patrulhas que já tinham tudo elaborado e levavam com eles os viveres, a intendência, percorrendo grandes distancias a pé, para alcançarem locais nunca antes imaginados.
Vejo, no entanto, escoteiros e escoteiras, seniores e guias pedindo que a Direção Nacional ou Regional, façam mais acampamentos, mais jamborees, mais ajuris, mais e mais atividades intergrupos ou inter-distritais. O que houve, não existe bons acampamentos em seus Grupos Escoteiros? Claro que estas atividades são válidas, mas nunca substituem um bom acampamento. Acredito que a maioria que solicitam ainda não viram um acampamento escoteiro de verdade.
Se for para montar barraca, levar alguns pais com um vasilhame para cozinha geral, fazer uma ou outra atividade, é bem melhor inscreverem todos nos Acampamentos de Férias, realizados por empresas especializadas, com monitores pagos, que tem uma ampla e grande infra-estrutura, que dão suporte e divertem muito a juventude. Claro, mas isto não é escotismo.
E afirmo que estes nunca irão substituir o acampamento escoteiro. Quem já o fez sabe o que digo.
Espero que meus irmãos escoteiros tenham entendido o que escrevi aqui. São nas melhores das intenções. De maneira nenhuma é só uma lembrança de um velho saudosista. Isto não. Conheço o escotismo, sua maneira, seu método, seu programa, e posso dizer que sem sombras de dúvida, é no campo que fazemos um escotismo de verdade. Sem a vida ao ar livre, sem a arte de aprender a fazer fazendo, nada iremos conseguir. Muitos falham por não querer ver a realidade.
Seja mais um que vai fazer ou já faz o que os escoteiros esperam de você.
Do amigo
Chefe Osvaldo  
"Apenas no campo temos a oportunidade de conhecer uma pessoa ou um livro." (Cyril Connolly)