HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sábado, 17 de dezembro de 2011

LEI DO ESCOTEIRO - LEI? ORA A LEI! Fasc. 63 e 64


 (Platão)

Lei do Escoteiro – Lei? Ora a lei! Fasc. 63

O "Velho" faz parte do folclore escoteiro. Acredito que em todas as cidades com grupos escoteiros devemos ter alguém parecido. Quando planejei esses fasciculos, por volta de 1972, conheci alguns com todas essas caraterísticas. Ele vivenciou em sua mente um escotismo autêntico e tradicional e não abria mão de suas convicções. Viveu tudo isso e acreditava no que aprendeu. Ficou marcado para sempre em sua vida. Sua esposa a Vovó, mais parece uma santa ao seu lado, seu anjo protetor. Sacrificando, dando tudo de si para o ver alegre e feliz no escotismo. O chefe Escoteiro seria aquele que se torna amigo dos mais experientes. Ele considera que o "Velho" Escoteiro é um verdadeiro chefe, tutor, assessor, gurú e em alguns casos especiais um pai. É um escotista que sabe o que diz e tem uma grande experiência de vida e no escotismo. Ainda bem que eles existem. Nunca ou quase nunca são procurados. Postergados por outros mais novos, vivem sempre no ostracismo, lembrando dos velhos tempos, afastados de tudo sem nenhum contato direto com os escotistas de hoje. Não sei, acredito que eu também sou um "Velho" Escoteiro.


Capitulo I

                Não costumava ir à casa do "Velho" as terças feiras. Mas o dia estava tão monótono que nem esperei minha esposa chegar do trabalho. Ela sabia que se não me encontrasse em casa, ou estaria na casa do "Velho" ou ainda no trabalho. Tinha um assunto que não me saia da cabeça e queria a todo custo conversar com ele.  Claro diversas vezes conversamos algum parecido, no entanto o que vi não me agradou e eu não podia fazer nada com o fato ou será que podia?

               No sábado anterior, foi feito um grande jogo no nosso distrito escoteiro. Durou quase o dia inteiro. Para minha surpresa ví varios chefes ajudando suas tropas, alguns até fazendo por eles as atividades programadas. O jogo era para as patrulhas desenvolverem aptidões próprias e feitas para escoteiros e escoteiras. Não para os chefes escoteiros. Acredito que eles não aprenderam ainda a se postar como escotistas. O pior, em uma rodinha ouvi palavrões, anedotas e muitas delas junto aos jovens. Alguns até se degladiavam nos elogios aos atributos das chefes femininas e guias, de uma maneira jocosa e antí-ética. Inquiri um deles e ele riu, dizendo – Olha chefe, voce não viu nada, participe de uma atividade regional ou nacional, aí voce vai ver. Quem sabe vai gostar? E deram grandes gargalhadas.

             Interessante. Fiquei pasmado com aquilo. Não era o escotismo que acreditava ser. Mas não existe uma lei escoteira? Eles os escotistas alí presentes um dia não fizeram a sua promessa? Não disseram que prometiam pela sua honra? E no final não estava bem esclarecido que a promessa incluia a lei? Eu tinha minhas proprias respostas, mas gostaria de ouvir o "Velho". Ele era meu guru, meu acessor pessoal que me acompanha em minha vida escoteira desde que o conheci. Sempre o considerei reto, próbo, virtuoso, um homem integro no bom sentido. Nunca ouvi dele um palavrão, ou elogios indecorosos, e sempre mostrou que a Lei Escoteira fazia parte da sua vida.

                Notei que a sala grande estava iluminada. Um som baixinho dava os retoques da presença do "Velho". Lá estava ele, sentado na sua poltrona de vime favorita e ao seu lado a Vovó. Ambos conversavam animadamente. Quando me viram, um belo sorriso e ele comentou – Sente-se amigo. Seja bem vindo. Não esperava voce hoje, mas se aqui está, seja mais um a tagarelar conosco. E um assunto interessante e porque não dizer, Especial. Nossa! Assustei-me. O "Velho" nunca me recebeu assim. Mas entrei no jogo dele e fiz tudo diferente do que fazia. Fui até lá, cumprimentei-o com a esquerda, a Vovó também e a ela fiz uma reverencia beijando sua mão. O "Velho" riu gostosamente.

                 Estavamos falando – dizia – Do que éramos no passado e no que somos hoje. Se alguém me dissesse que num simples toque eu poderia dar uma volta ao mundo e tirar todas as dúvidas que possuia, ninguém acreditaria. Naquela época quem não tinha uma Delta Larousse ou uma Encyclopedia Britânnica não tinha nada.  O computador foi uma revolução não? – É, o "Velho" é uma surpresa. Sempre me disse que nunca iria mexer nesse “troço”. A Vovó completou – Compramos um ontem. O "Velho" não sai da frente dele. Quem diria quem diria. A Vovó completou que ela tambem estava aprendendo. Já sabia procurar um programa, um site, e varias coisas para que a navegação aconteça.

                  Eu me divertia com o "Velho" e suas novas descobertas. Ele parecia um menino que tinha ganho um novo brinquedo. Ficamos alí por um bom tempo comentando sobre as vantagens da informática na época de hoje. A Vovó descrevia com alegria seus contatos com a filha no computador. Ela dizia que sem pagar nada, ela e os netos apareciam ao vivo e a cores lá de Los Angeles. Estavam morando no Vale de San Fernando, California. A filha do "Velho" tinha dois filhos e seu marido desapareceu com menos de três anos de casado. Ninguém nunca mais ouviu falar dele. Uma grande proposta profissional à fez mudar para os Estados Unidos. Mas essa é outra história.

                  A Vovó pediu licença e ficamos só eu e o "Velho" na sala. Naquela terça feira sentí nele muita disposição. Parecia outro. Mais alegre mais ameno e menos ferino nas suas palavras não demonstrando seus 83 anos de vida. Uma vida. Eu o conheci há oito anos. Não participava do movimento. O "Velho" me fez entrar. De uma maneira peculiar. (já contada no fasc. 46 - Sessões Mistas). Não esqueço até hoje. Nunca me arrependi. Aprendi a amar o escotismo acima de tudo na vida. Sou casado há quatro anos. Ainda não tenho filhos. Minha esposa é uma executiva de uma grande empresa nacional. Ela diz que ainda não está pronta. Não sei quando realmente estará. Gostaria muito de ter um filho, poder brincar com ele, o ver crescer ao meu lado.  Mas isso é outra historia.

                  Já ia entrar no assunto que me levou alí, quando a Vovó adentrou com seu carrinho de sonhos, trazendo nosso simples café, como ela dizia, e ainda pedia desculpas, pois não teve muito tempo para preparar algum melhor e não sabia de minha visita aquela noite. Desta vez eram simples mesmo, apenas empadinhas de queijo, empadinhas de bacalhau, pasteizinhos de mandioca e banana, panzinhos fritos na manteiga, e seus sempre deliciosos pães de queijo de dar água na boca não faltando é claro os apetitosos biscoitos de polvilho cuja técnica só tinha visto nos que a Vovõ fazia. Saborosas vitaminas de goiaba, de manga e um leite quente com açucar queimado, Deus do céu! Realmente era um simples café.

                O "Velho" como sempre comia pouco. Eu como não havia lanchado me refastelei. Ele enquanto isso trocou o LP que estava tocando, colocando “Caprice n. 24 em lá menor”. Explêndida escolha. O italiano Niccoló Paganinni (1782 a 1840) foi um dos maiores violinistas de todos os tempos. Caprice está entre as mais conhecidas de suas composições e serviu como uma inspiração para muitos outros compositores de destaque. Não poderia deixar de citar aqui, quando Paganini ainda adolescente em Livorno, um rico empresário chamado Livron, emprestou-lhe um violino feito por Luthier o mestre Giusepe Guarneri, para um conserto. Livron ficou tão impressionado com ele que se recusou a levar o violino de volta. Este violino especial viria a ser conhecido como “II Cannone Guarnerius” e ficou famoso no mundo inteiro.

                As horas passavam e eu interrompi a melodia que suavemente entrava em nossas mentes, pois no dia seguinte tinha a minha labuta diária, enquanto o "Velho" aposentado nada ia fazer. Ele me olhou – Piscou os olhos azuis e disse - É, gostaria de fazer alguma coisa. Você não sabe como é a vida de um aposentado que trabalhou a vida inteira e hoje fica olhando para o céu imaginando coisas impossíveis. Olhando para a porta a espera de alguém para conversar. - Deus do céu! Tinha esquecido que o "Velho" agora tinha o dom de ler pensamentos.

               Não deixei por menos. Disse a ele o que me trazia alí nessa terça feira magra. – Humm! Ele disse. Colocou a mão no queixo, fez como fazia antes a manobra com seu cachimbo, ritual adquirido por longos e longos anos, só que desta vez invisível, pois tinha parado de cachimbar. Olhou para mim e ficou matutando por alguns minutos. – Olhe ele disse, há tempos que venho pensando nesse tema. Por varias vezes tentei abordá-lo nas reuniões distritais que sou convidado. Impossível. Ninguem quer saber disso. Não esqueço aquele dia em maio do ano de 1943 quando passei para a tropa escoteira. Nunca mais esqueci aquela data.

             Meu monitor fez questão que aprendesse e decorasse a lei. Quando dois meses depois renovei a promessa, citei a lei em toda sua plenitude e isso me marcou profundamente. Ainda lembro bem de toda a promessa, pois a fazíamos de cor, e não repetida como hoje. Depois de ter dito toda ela, lembro-me do final – “E obedecer a Lei do Escoteiro!” Notei que o "Velho" se emocionava com aquela lembrança. Sabia que seu pensamento voava ao passado e via ele ainda menino, perfilado, dizendo com orgulho sua promessa escoteira. Este é um fato marcante na vida de todos aqueles que passaram ou ainda está na ativa do Movimento Escoteiro.

Lei do Escoteiro – Lei? Ora a lei! Fasc. 64
Capitulo II

           A Lei. Lembro-me bem de tudo – continuava o "Velho" - Podem até dizer que foram outras épocas. Mas tudo permanece intácto em minha memória até hoje. Em toda minha vida escoteira sempre considerei a minha vida atuando dentro da Lei Escoteira. Nunca admití meios termos. Lembro que já adulto e atuante em cursos de formação, (adestramento no passado) tinhamos em qualquer etapa de cursos uma sessão exclusiva para este tema tão importante, na vida de todos nós escoteiros. Sempre dizia que vários homens nobres do passado diziam que nenhum homem tem o dever de ser rico ou grande ou sábio, mas, todos tinham o dever de serem honrados. Nesta prisma eu sempre enfatizava a necessidade do exemplo pessoal.

               Conheço – continuava o "Velho" – Em nosso meio escoteiro, uma pleiade de jovens e adultos que honram e dignificam a sua promessa e claro dentro da prisma da Lei Escoteira. E acredito que são a grande maioria. Mas assim como voce viu, tem muitos que andam esqueçendo e fazendo de sua honra pessoal, principalmente junto aos jovens um exemplo que não dignifica o caráter. Isto causa constrangimento, falta de lealdade ao movimento que estão subordinados, e claro prejudicando os benefícios oriundos do método que tão divinamente é desenvolvido com os jovens. Não estão coadunados com o que se esperava antes de sua entrada no escotismo. Assim, sofremos uma degeneração de continuidade, seja com os amigos dos jovens ou mesmo nas demais relações que possuem na comunidade. Lembro-me do que disse Shakespeare, mestre em frases bombásticas - Quem me rouba a honra priva-me daquilo que não o enriquece e faz-me verdadeiramente pobre!

          Voce coloca sabiamente um tema que poucos ainda se preocuparam em tomar qualquer atitude, ficando somente na duvida do certo e do errado. Eu tambem já vi em atividades regionais, e nacionais, escotistas e jovens com procedimentos e palavras inadequadas, não próprias com o que esperamos de um membro do movimento escoteiro.

         Vi inclusive há pouco tempo dirigentes regionais (esse caso não é fictício, me foi narrado por um lider comunitário) em uma atividade em determinado estado no Brasil. Denegrindo a Lei e Promessa, de uma maneira antiética mostrando falta de caráter de um membro que devia mostrar aos outros pelo seu exemplo pessoal que somos um movimento sério e de excelentes bases de formação educacional.

            Nesta atividade que estive presente, um escotista me consultou se conhecia outras organizações que não a UEB e se elas eram sérias, pois estava pensando cuidadosamente em transferir seu Grupo Escoteiro. Agora eu pergunto, continua o "Velho" – O que esta sendo feito a respeito? Onde estão os dirigentes que deveriam tomar alguma providencia? Poderiam dizer que é nossa obrigação de informar a quem de direiro o nome desses escotistas mal formados. Teriamos mesmo coragem de fazer o que deveria ser feito? Onde estão seus líderes? Seja o dirigente regional ou distrital, ou seja, o Diretor Técnico. Estão cegos? Nada veêm?
   
             Exemplos não faltam aqui e alí. Uma profusão de amigos sempre comentam comigo essa falta de dever para com a Lei e a Promessa Escoteira. Eu sempre cito Victor Hugo, que comentou que há pessoas que observam as regras de honra como se veêm as estrelas. De longe. A ética já está desaparecendo em boa parte da sociedade, podemos deixar que o escotismo seja afetado? Não podemos ficar desacreditando de nossas autoridades e Rui Barbosa foi feliz em dizer a muitos e muitos anos atrás – De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, e de tanto ver agigantarem os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.

              Não podemos que poucos se arvorem em “donos” do escotismo, e façam com seu exemplo o que não desejamos para nossos fllhos. Esses poucos que assim o fazem, seja junto aos jovens nas reuniões, com péssimos exemplos, sejam na apresentação pessoal na comunidade, devem ser afastados. Temos que ser firmes em nosso pensamentos palavras e ações. Se BP estivesse vivo diria que esses ainda não “pegaram” o que significa a Lei Escoteira. O escotismo tem um nome, uma honra, um passado de glória e não podemos aceitar esse estado de coisas. Posso afirmar a voce que não tinha visto nada assim. Agora está aparecendo. O mal tem de ser cortado e urgente.

             O "Velho" deu uma pausa, foi até ao carrinho de guloseimas e retirou dois pasteizinhos de queijo. Comeu um com gosto. Aproveitei a dica. Fiz o mesmo, mas peguei um pratinho e enchi até a borda, voltando ao meu banquinho de tres pés, que encostado a parede era o meu local predileto. O "Velho" aproveitou a deixa e continuou – Sabemos que a ética é um conjunto de valores morais e principios que norteiam a formação humana na sociedade. Ela serve para que haja equilibrio e bom funcionamento social, possibilitando que ninguém saia prejudicado. Por outro lado, acreditamos que a honra em seus valores não busca atalhos desonestos ou covardes para seus propósitos.

               O "Velho" mastigou com gosto o pastelzinho de queijo. Olhou para mim, sorriu e continuou – Não é hipocrisia deixarmos de tomar providencias quando os demais tratarem a honra com menos respeito. Temos a obrigação e dever de fazer as coisas como devem ser feitas, denunciando. Para podermos viver harmoniosamente em uma sociedade, e melhor, no movimento escoteiro, tarefas espinhosas tem de ser cumpridas. Eu e voce temos de dar um passo a frente e sabermos definir se está na hora de tomar decisões e se vamos ou não fazer o que deve ser feito.

               O "Velho" pigarreou e continuou – Veja se é um ponto polemico ou não. É o chefe escoteiro o exemplo pessoal para seus jovens? Claro voce e tantos outros dirão. Se ele procede em atividades escoteiras, reuniões ou quaisquer outras uniformizado, ele não está representando também todo o movimento escoteiro? Como ele pode falar em honra, em ética e pode falar em Lei Escoteira se ele mesmo falha em sua conduta pessoal?

               O "Velho" estava realmente vivendo suas palavras. Fiquei até preocupado com a sua veemência. Ele falava comigo como se estivesse se dirigindo a milhares de escotistas. Continuou - Será que eles sabem o que é palavra? Honra? Será que sabem o que significa lealdade? Amigos de todos e irmãos dos demais, seria isso verdade para ele? Ou somente uma ilusão que serve para outros? Educado e cortês? Seria mesmo? Teria respeito aos animais e as plantas? Dificil dizer. E obediente e discipllnado? Dizem que o verdadeiro lider sabe liderar e ser liderado. E sorrir? Palavra bonita, mas saberão sorrir em todas as horas? Terão coragem para mostrar que as dificuldades fazem partes de nossas vidas? E respeita mesmo o bem alheio? Demonstra em atos próprios que é economico? E para finalisar, será que ele é puro nos seus pensamentos, nas suas palavras e nas ações?

             Ficamos ele e eu em silencio por alguns instantes. O "Velho" não se deu por achado e continuou – Fico preocupado, muito. O escotismo sempre foi uma escola de respeito, disciplina, coragem e abnegação. Sempre tentamos passar para os jovens o respeito às leis, e a tantas coisas importantes para o seu desenvolvimento. Outro dia, encontrei um jovem de uniforme que me disse – Oi, beleza? Tudo massa, fala velho? Não entendi bem. Mas veja, isso é modernidade? Antes era Senhor, como vai, o senhor vai bem? Agora não. Massa! Beleza, fala! Novos tempos? Se for está tudo errado.
            Lembro com saudades que em nossas reuniões nunca em tempo algum faltou um jogo, um adestramento, uma palavra qualquer coisa para que sempre lembrassemos da Lei do Escoteiro. Uma época em que Boa Ação era ponto de honra.

                       Nunca esqueci o nó no lenço. Desfazê-lo, só após a boa ação. Da minha moeda que carrego até hoje. Bolso direito de manhã, bolso esquerdo à tarde após ter feito a boa ação. Não sei, acho que tudo está indo embora. É um caminho sem volta. Não é o correto. Aceitam nossos dirigentes que o novo substitui o Velho. Eu para dizer a verdade não aceito isso. Os resultados estamos vendo aqui e ali. Os meios de comunicação são uma prova viva do que está acontecendo.

              Gostaria mesmo de dizer aos escotistas, que aceitem o moderno, mas mantenham os direitos e deveres acima de tudo. A Lei Escoteira é nossa base, nosso pilar. Não é simplesmente uma lembrança, uma anedota. Não quero ver à hora em que escotistas que não tenham religiosidade estarão aqui junto às tropas e não irão incentivar a formação espiritual de cada um dos seus escoteiros. Hoje criaram em sua mente o seu próprio Deus e fazem questão de dizer o que sentem dentro de sua alma. Não podemos fazer o mesmo no escotismo. Temos que ser exemplos. A religião que sua familia professa tem de ser respeitada e incentivada. É nosso dever.

             Não aceite, brigue se for necessario. Se ver escotistas mal formados, com palavras e ações inadequadas, denuncie. Não tenha duvidas nessas horas. Fale com eles, diga o que sente no que acredita. O "Velho" calou. Fechou os olhos e senti que seu pensamento agora era outro. A vitrola antiga tocava suavemente Le Streghue, depois O Carnaval de Veneza e Nel cor piú non mi sento. Niccoló Paganinni é divino. Fecho os olhos também. Mas por pouco tempo. Olhei o relógio. As horas passaram. Uma da manhã.

             Hora de partir, mais uma noite ouvindo o "Velho". Mais um dia vendo que podemos acertar, basta cada um fazer sua parte. Baden Powell nos deixou um caminho, um legado. Simples, sem ramificações sem pedras a nos atrapalhar. Tão simples e não entendo porque tentam mudar tanto. Se serviu para uma época pode valer agora também. Pricipalmente agora, onde vemos uma juventude sem saber onde está indo. Na rua um vento frio me pegou de jeito. Morava perto, menos de cinco quadras. Ah! Se tivessemos tantos mais como o "Velho". O escotismo seria outro, mas tudo passa e nós passamos. O "Velho" será um dia passado. Só espero que encontremos o nosso caminho. O caminho para o sucesso!
O pata tenra...
A Pedra
O distraído nela tropeçou... O bruto a usou como projétil.
O empreendedor, usando-a, construiu.
O camponês, cansado da lida, dela fez assento.
 Para meninos, foi brinquedo. Drummond a poetizou. Já, Davi, matou Golias, e Michelangelo extraiu-lhe a mais bela escultura...
E em todos esses casos, a diferença não esteve na pedra, mas no homem! Não existe "pedra" no seu caminho que você não possa aproveitá-la para o seu próprio crescimento.
Independente do tamanho das pedras, no decorrer de sua vida. Não existirá uma, que você não possa aproveitá-la para seu crescimento espiritual. Quando a sua pedra atual, tenho certeza que Deus irá te dar sabedoria,
para mais tarde você olhar para ela,
e ter orgulho da maravilhosa experiência que causou em sua vida, no seu crescimento espiritual