HOTEL ESCOTEIRO

HOTEL ESCOTEIRO
cada foto tem uma história

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

EU TIVE UM SONHO!


EU TIVE UM SONHO!

Há quem diga que todas as noites são de sonhos.
Mas há também quem garanta que nem todas, só as de verão. No fundo, isto não tem muita importância.
O que interessa mesmo não é à noite em si, são os sonhos. Sonhos que o homem sonha sempre, em todos os lugares, em todas as épocas do ano, dormindo ou acordado.

         Olhe, eu tive um sonho. Um lindo sonho. Fiquei exultante, toda a minha tristeza desapareceu. Não era aquele sonho de Martin Luther King Jr, onde ele dizia que mesmo as noites totalmente sem estrelas podem anunciar a aurora de uma nova vida. Eu sonhei algum análogo, equivalente, onde vi um Escotismo grande, forte e tão intenso, que fiquei mesmo exultante acreditando que enfim, seriamos muito mais no nosso querido Brasil. Cantei aleluia, um júbilo enorme tomou conta de mim.
           
                         Pois é, eu tive um sonho. Não aquele outro de Martin Luther King Jr, em que dizia que a verdadeira medida de um homem não é como ele se comporta em momentos de conforto e conveniência, mas como ele se mantém em tempos de controvérsia e desafio. Meu sonho era real. Vi em cada escola, em cada igreja, em cada templo, fabricas e em tantos outros lugares, milhares de Grupos Escoteiros, com moças e rapazes praticando um escotismo autêntico, cheio de aventuras.


                       Eu tive um sonho. Talvez um pouco parecido aquele de Martin Luther King Jr, onde dizia que o amor é a única força capaz de transformar um inimigo num amigo. Meu sonho foi real. Eu vi com meus próprios olhos, todos os membros dirigentes dos nossos órgãos escoteiros em nosso país, sorrindo, abraçando, sem “turmas importantes”, sem se considerarem divos, nem mestres e esculápio, falando e ouvindo a todos que ali estão junto a eles, participando e votando nas decisões. Incrível! Eles estavam unindo os arredios, procurando os desiludidos, abraçando-os e chamando de volta os que se foram.


                    Acreditem-me tive um sonho. Um sonho que podia criar o futuro. Não era uma utopia era uma realidade. Neste sonho, a altivez, a auto-estima, o orgulho, a presunção, a soberba, a ufania não faziam parte de nós escotistas. A fleuma da importância se transformava em calor humano, fazendo um magnífico conceito de si próprio e olhando a todos como verdadeiros irmãos, ajudando sem receber, sem pensar em granjear fama em ser o chefão, pensando e agindo somente na sua missão de servir.


                  Que me desculpe Martin Luther King Jr. Mas eu também tenho sonhos. Onde num mundo fantástico do escotismo eu via todos escotistas participando das decisões juntos com os dirigentes, sendo consultados, indagados, inquiridos, dando sugestões, procurando o melhor caminho sem empáfias, com novas normas, novos estatutos, com todos eles tendo direito a voz e voto do Oiapoque ao Chuí, procurando o melhor caminho para o nosso crescimento. Que lindo sonho.


         Eu tive mesmo um sonho. Nele, o futuro pertencia aos que acreditam em seus sonhos. Onde a busca da perfeição através da Insígnia da Madeira era uma constante, e que cada adulto visava única e exclusivamente aprender mais para ser o melhor amigo dos jovens, sem pensar em ascensão, em influência, em posição, evidência, uma ilusão de muitos, e lá estavam milhares deles nas suas sessões faziam um escotismo autêntico e ali eles os Insígnia eram somente orientadores.


        Eu tive um sonho. E que sonho. Como dizia o poeta, o que é a vida sem um sonho? Sonhei que nossos órgãos regionais e nacionais, cobravam taxas irrisórias, onde todos seriam aceitos sem precisar se explicar ou provar que são pobres para ficar isentos, onde a palavra honra bastaria para dizer como eram, onde não haveria riqueza e todos os jovens seriam considerados iguais tendo as mesmas regalias daqueles que podem pagar.


                Eu tive um lindo sonho e sonhar é acordar para uma vida real. Nesta vida todos os jovens, rapazes ou moças que atingissem o Liz de Ouro ou o Escoteiro da Pátria, teriam suas despesas pagas no próximo Jamboree Mundial após a sua ortoga. Que os Encontros Escoteiros nacionais e regionais, teriam taxas acessíveis para todos, e aquele mais humilde não ficasse sem seu sonho de um dia estar junto a todos eles.


              Eu tive um sonho. Sonhei que agora tudo seria possível e os sonhos se tornam realidade se continuarmos a acreditar neles. Sonhei que apesar de não sermos uma ONG (Organização não Governamental que independente da ideologia, recebem todos os anos subvenções) teríamos o direito também de receber subvenções governamentais, estaduais e municipais. Meu sonho dizia que se elas as ONG podem receber nós escoteiros também podemos. Que sonho! Do mais humilde Grupo Escoteiro, aos mais alto órgão nacional todos recebendo, como muitos organizações existente em nosso país que recebem e nada fazem pelo juventude do nosso Brasil.


           E que sonho eu tive. E mesmo sabendo que o preço do sonho é baixo, vi que não teríamos mais a preocupação de pagar taxas de cursos de formação, de encontros nacionais e regionais. Tudo agora seria remunerado pelos órgãos regionais e nacionais, facilitado pelas subvenções que estávamos recebendo anualmente. Neste meu sonho, centenas de Profissionais Escoteiros bem formados, estavam dirigindo, colaborando ajudando o nosso movimento de maneira ética e honrada conforme preceitua a nossa Promessa e nossa Lei Escoteira.


                   Eu tive um sonho. E como dizem que sonhar é acordar-se por dentro, sonhei que todos nós adultos teríamos orgulho e sem sermos pedantes, sem nenhuma presunção de distinção, estaríamos nivelados ou mesmo ultrapassados a muitos países que já tem seu milhão ou mais de membros escoteiros. Todos fazendo um escotismo de ótima qualidade, conforme prescreveu nosso fundador Baden Powell. Que sonho! Meu Brasil com um milhão de escoteiros!


               Neste meu sonho, eu vi milhões de membros do movimento, se orgulhando de seu uniforme, de uma só cor, com seu chapéu de três bicos, onde os jovens e os adultos não iriam ter outra indumentária, a não ser aquela que nossos irmãos dirigentes, através de uma consulta a todos, definiriam qual seria nosso uniforme ou traje e se possível, este ainda era meu sonho, aquele que sempre fomos reconhecidos como escoteiros em qualquer rincão de nosso querido país.

            Eu tive um sonho. Sonhei que vi não um, mas diversos Grupos Escoteiros em todas as cidades brasileiras. Desde Boa Vista onde tenho orgulho de ter um leitor até Uruguaiana e Pelotas onde também sou lido pelos amigos e irmãos escoteiros. Todos estes Grupos estavam contentes, felizes, pois tinham sua sede, com uma sala ou mais, almoxarifado e ali, todo o material necessário para suas atividades de sede e de campo. Neste meu sonho, as lideranças regionais e nacionais não deixavam nenhum grupo à deriva, sem uma resposta, sem uma visita, sem uma palavra de carinho.


            É bom sonhar e eu sonho muito. Sonhei que nenhum Grupo escoteiro teria dificuldades financeiras. Toda a comunidade, a sociedade brasileira, nossos políticos, nossa classe dirigente, desde o presidente ou a presidente, até o mais simples vereador, conheciam e davam o valor devido ao Movimento Escoteiro. Eram eles que se lembravam de nós e não o contrário. Neste meu sonho eu vi adultos importantes no seu setor profissional, oriundos do movimento escoteiro, eleitos por nós para nos representar e fazendo um grande merchandising do que somos e por que existimos.


              Ah! Eu tive um sonho. Lindo sonho! Sonhei que o Movimento Escoteiro, em toda sua plenitude com seu monumental crescimento quantitativo e qualitativo, teria ministrado um novo caminho aos nossos jovens. As drogas, a formação moral duvidosa, os vícios nem sempre condizentes e próprios de parte da juventude haviam terminado. Agora via em meus sonhos, moças e rapazes do mais alto espírito escoteiro, com postura, conhecendo a palavra honra e caráter, liberdade e respeito, conhecendo bem onde começa e termina o meu, o seu e o nosso direito.


              Que sonho meu Deus! Que sonho. Como é bom sonhar assim. Não quero acordar! Quero permanecer neste sonho até o fim dos meus dias. Quero ver a nossa juventude, vivendo um escotismo verdadeiro, sem medos, podendo fazer suas atividades aventureiras, levar sua patrulha pelos campos, montar barracas no sopé da montanha, fazer sua prova de jornada sem a preocupação de seus chefes e pais, deixar os lobinhos brincar felizes na seara da jângal, os seniores e pioneiros escalando as mais altas montanhas, sem precisar levar seguranças, pois estaríamos em um mundo melhor.


        E neste meu sonho, eu via toda a sociedade brasileira aprovando e apoiando o Movimento Escoteiro, pois foi informada do valor do escotismo através de grandes campanhas de marketing, ela, esta sociedade não iria esquecer, pois a maioria em sua juventude vivenciaram nosso método e puderam abancar e passar pelas trilhas do mais lindo caminho percorrido de nosso programa, que tão bem foi explicitado por Baden Powell.


               Olhem! Permaneço em constante vigília neste meu sonho. Não me arredo um só milímetro dele. Não aceito a insônia, só a dedicação em alertar a todos que meu sonho é possível. Neste meu sonho afirmo que não existe caminhos tortuosos, pois o começo foi dado em 1910 quando começamos a praticar escotismo em nosso país. O fim ainda não aconteceu. Nunca irá acontecer. No meu sonho não existe fim. O futuro promissor sim.


                     É eu ainda continuo a sonhar. Sonhar que todos os jovens podem ter uma vida cheia de alegrias, nas sendas do escotismo. Podem viver e respirar o ar puro da floresta e da montanha. Podem andar pelas campinas, ver o nascer e o por do sol do alto de uma colina. Podem explorar as serras distantes. Podem ver os rios caudalosos, os pequenos regatos de águas cintilantes, as cascatas, as cachoeiras cobertas da bruma do orvalho da manhã. Podem parar para ver os arroios, os córregos onde os peixes pulam como a saudar aqueles que ali estão. Podem descansar depois de uma longa jornada debaixo de uma árvore frondosa, colocar seus pés descalços na água límpida da pequena nascente, que de mansinho vai levando a pequena pétala que se soltou de uma rosa e é conduzida para o mar.


          Que lindo sonho, o meu. Também pode ser o seu. Pois eu sonho que você acredita como eu que isto pode ser realidade. Que você vai cobrar e ser informado se este sonho é também os sonhos de nossos dirigentes. Que você vai analisar os relatórios com carinho, verificar onde está a dúvida do sonho. Saber se eles tem uma programação real visando tornar este sonho realidade. Não ficar parado, aceitando, dizendo para si próprio que eles sabem o que fazem. Que você não se preocupa que sua função não é esta.


              Não me chamem, por favor! Não façam barulho! Não posso e nem quero acordar! Meu sonho, o seu sonho o sonho de todos nós escoteiros só será possível quando tivermos a certeza que ao despertar, estaremos unidos dando as mãos e partir para o trabalho que as gerações futuras esperam de nós. Não deixe que seus sonhos se apaguem junto à brisa do amanhecer que desapareça ao nascer do sol. Não deixe que o vento leve este sonho. Agarre-os com toda força! Acredite neles! Quando estamos sós não somos nada, mas unidos somos uma força colossal. Lute pelos seus ideais! Lute pelos seus sonhos!


Sonhe com o que você quiser. Vá para onde você queira ir.
Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida
e nela só temos uma chance de fazer aquilo que queremos.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades
para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz."